A FÁBRICA

Maio 09 2006

Comemora-se hoje o Dia da Europa. Foi em 9 de Maio de 1950, que Robert Schuman, ministro francês dos Negócios Estrangeiros, apresentou uma proposta de criação de uma Europa organizada, requisito indispensável para a manutenção da paz, numa altura em que a Guerra Fria começava a fazer sentir os seus efeitos, nas relações entre a Europa Ocidental e a Europa de Leste. Esta proposta, conhecida como "Declaração Schuman", é considerada o começo da criação do que é hoje, a União Europeia.
O Dia da Europa é hoje assinalado em 27 cafés das capitais dos Estados membros da União Europeia e nas capitais da Roménia e da Bulgária, que aderem à UE 2007, com o objectivo de divulgar a diversidade literária e gastronómica europeia.
A presidência austríaca da União Europeia, recuperou “ a ideia de Europa” de George Steiner, defendida na Déciam Palestra do Nexus Institute, de Amesterdão, que passou a livro, com o mesmo nome. Diz, George Steiner que, “enquanto existirem cafetarias, a “ideia de Europa” terá conteúdo”. O café como local de encontro para a troca de ideias, é para Steiner, o primeiro axioma para a construção da “ideia da Europa”.

“A Europa é feita de cafetarias, de cafés. Estes vão da cafetaria de Pessoa, em Lisboa, aos cafés de Odessa frequentados pelos gangsters de Isaac Babel. Vão dos cafés de Copenhaga, onde Kierkegaard passava nos seus passeios concentrados, aos balcões de Palermo. Não há cafés antigos ou definidores em Moscovo, que é já um subúrbio da Ásia.Poucos em Inglaterra, após um breve período em que estiveram na moda, no século XVIII. Nenhuns na América do Norte, para lá do posto avançado galicano de Nova Orleães. Desenhe-se o mapa das cafetarias e obter-se-á um dos marcadores essenciais da “ideia de Europa…Na Milão de Stendhal, na Veneza de Casanova, na Paris de Baudelaire, o café albergava o que existia de oposição política, de liberalismo clandestino”.
Em Lisboa, o projecto cultural Café da Europa, funcionará no café Martinho da Arcada, celebrizado por ser o café frequentado pelo poeta Fernando Pessoa. Pretende-se sensibilizar os cidadãos europeus para os temas da Europa através do paladar: para além de ser dado acesso a informação sobre a gastronomia, é dado especial destaque aos doces típicos de cada país.
O pastel de nata, foi escolhido como «ex-libris» da pastelaria portuguesa, e representante do país a par com o tiramisu italiano, o gaufre belga ou o kolach checo, etc.
Nas 27 capitais, será ainda escrita uma história com 27 capítulos, cabendo ao poeta português Casimiro de Brito, escrever e apresentar a versão lusa, inspirado na temática «Seduzido pela Europa», comum a todos. Noutros cafés europeus, estarão presentes autores como Vaclav Havel, que estará em Praga, Eva Demski em Berlim, Christiane Singer em Paris, Jan Baeke em Amesterdão e Timothy Garton Ash em Londres. Todos os escritores abordarão o tema da Europa de um ponto de vista literário, o que será o ponto de partida para o debate entre os presentes, que podem também contribuir com as suas próprias «Histórias da Europa», a compilar e publicar posteriormente no primeiro livro pan-europeu.
Costumo celebrar quase diariamente, o dia da Europa mas, como hoje é um dia especial, em vez de um pastel de nata, comi dois. O senhor José, o dono da pastelaria, é que não foi na conversa fiada de divulgar o pastel de nata e por isso, tive de desemblosar um Euro e vinte cêntimos.
publicado por armando ésse às 12:11

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

17
19
20

21
22
23
26
27

28
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO