A FÁBRICA

Fevereiro 24 2005

O mito da Star que corresponde ao período imperial, da maior concentração industrial, simbolizada e concretizada pela supremacia de Hollywood, está no seu auge. A MGM dizia com vaidade que tinha "mais estrelas do que as que havia no céu". No entanto as estrelas mais famosas e representativas da época, Greta Garbo e Marlene Dietrich, nunca ganharam a desejada estatueta.Por esta altura, no entanto aparecia, uma das mais brilhantes estrelas de Hollywood, Katharine Hepburn, que com o filme "Morning Glory", de 1933, ganhava o seu primeiro Óscar, de uma carreira que a levaria por 12 vezes às nomeações para o Óscar e que o receberia por 4 vezes. A nível de realizadores Frank Capra dominou esta década com três Óscares, o primeiro em 1934 com o filme "Uma Noite Aconteceu", o segundo em 1936, com o filme "Doido com Juízo" e em 1938 o terceiro com "Não o levarás Contigo". Distingue-se nesta época um jovem actor de seu nome Spencer Tracy, que receberia em dois anos consecutivos o Óscar de melhor actor. Em 1937, pela intrepretação do português Manuel, no filme "Capitain's Courageous", e em 1938 pelo desempenho no filme " Boys Town". Enquanto a guerra começava na Europa, em Hollywood estreava-se um dos mais importante filmes da história do cinema: "E tudo o vento levou", de Victor Fleming que arrebatou 9 Óscares da Academia. Vivien Leigh receberia o seu primeiro dos seus dois Óscares. Estreia-se também o filme o "Feiticeiro de Oz", que daria a Judy Garland um Óscar especial pelo seu desempenho juvenil.Bette Davis recebe nesta década por duas vezes o Óscar de melhor actriz, em 1935 no filme "Dangerous" e em 1938 pelo seu desempenho no filme "Jezebel". Clark Gable receberia o Óscar de melhor actor do ano pelo filme "It happened one night" em 1934.
publicado por armando ésse às 09:40

Fevereiro 24 2005

O mito da Star que corresponde ao período imperial, da maior concentração industrial, simbolizada e concretizada pela supremacia de Hollywood, está no seu auge. A MGM dizia com vaidade que tinha "mais estrelas do que as que havia no céu". No entanto as estrelas mais famosas e representativas da época, Greta Garbo e Marlene Dietrich, nunca ganharam a desejada estatueta.Por esta altura, no entanto aparecia, uma das mais brilhantes estrelas de Hollywood, Katharine Hepburn, que com o filme "Morning Glory", de 1933, ganhava o seu primeiro Óscar, de uma carreira que a levaria por 12 vezes às nomeações para o Óscar e que o receberia por 4 vezes. A nível de realizadores Frank Capra dominou esta década com três Óscares, o primeiro em 1934 com o filme "Uma Noite Aconteceu", o segundo em 1936, com o filme "Doido com Juízo" e em 1938 o terceiro com "Não o levarás Contigo". Distingue-se nesta época um jovem actor de seu nome Spencer Tracy, que receberia em dois anos consecutivos o Óscar de melhor actor. Em 1937, pela intrepretação do português Manuel, no filme "Capitain's Courageous", e em 1938 pelo desempenho no filme " Boys Town". Enquanto a guerra começava na Europa, em Hollywood estreava-se um dos mais importante filmes da história do cinema: "E tudo o vento levou", de Victor Fleming que arrebatou 9 Óscares da Academia. Vivien Leigh receberia o seu primeiro dos seus dois Óscares. Estreia-se também o filme o "Feiticeiro de Oz", que daria a Judy Garland um Óscar especial pelo seu desempenho juvenil.Bette Davis recebe nesta década por duas vezes o Óscar de melhor actriz, em 1935 no filme "Dangerous" e em 1938 pelo seu desempenho no filme "Jezebel". Clark Gable receberia o Óscar de melhor actor do ano pelo filme "It happened one night" em 1934.
publicado por armando ésse às 09:40

Fevereiro 24 2005

A década de quarenta começa com o realizador John Ford a receber o seu segundo Óscar, com o filme "As vinhas da ira", de 1940 proeza que repitiria no ano seguinte com "O vale era verde". Aparece também através dos filmes de John Ford uma das maiores lendas de Hollywood, John Wayne, com a criação da personagem Ringo Kid, do filme "Stagecosch", viria a receber um Óscar da Academia nos anos sessenta pelo seu desempenho no filme "True grit". Ginger Rogers, que nos anos seguintes iria fazer uma dupla famosa com Fred Astaire em filmes musicais, recebe o Óscar de melhor actriz pelo seu desempenho no filme "Kitty Foyle", de1940.Em 1943, estreava-se o mais popular filme de todos os tempos "Casablanca". Receberia 3 Óscares, o melhor filme, melhor realizador, Michael Curtiz e melhor argumento. Mas a sua lenda e o casal Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, duraria muito para além de qualquer distinção. A famosa frase, nunca dita "play it again, Sam" e a música "As time goes by", são exemplos. O filme "Os melhores anos das nossas vidas" de 1946, receberia sete Óscares para outras tantas nomeações. Em 1948 John Huston conquista o reconhecimento da crítica e recebe dois Óscares pelo filme "O tesouro da Sierra Madre", melhor realizador e melhor argumento.A década não acabaria sem o reconhecimento do valor de Josep L. Mankiewicz, que em dois anos consecutivos, 1949 e 1950, receberia simultaneamente o Óscar de melhor realizador e Óscar de melhor argumento, pelos seus filmes "All about Eve" e "A letter to three wives". James Stewart no filme " Do céu caiu uma estrela" em 1940,Gary Cooper no filme "Sargento York", em 1941, James Cagney no filme "Yankee Doodle Dandy". em 1942, Laurence Olivier pelo seu excepcional desempenho em "Hamlet", em 1948 receberam o Óscar de melhor actor do ano.
publicado por armando ésse às 09:39

Fevereiro 24 2005

A década de quarenta começa com o realizador John Ford a receber o seu segundo Óscar, com o filme "As vinhas da ira", de 1940 proeza que repitiria no ano seguinte com "O vale era verde". Aparece também através dos filmes de John Ford uma das maiores lendas de Hollywood, John Wayne, com a criação da personagem Ringo Kid, do filme "Stagecosch", viria a receber um Óscar da Academia nos anos sessenta pelo seu desempenho no filme "True grit". Ginger Rogers, que nos anos seguintes iria fazer uma dupla famosa com Fred Astaire em filmes musicais, recebe o Óscar de melhor actriz pelo seu desempenho no filme "Kitty Foyle", de1940.Em 1943, estreava-se o mais popular filme de todos os tempos "Casablanca". Receberia 3 Óscares, o melhor filme, melhor realizador, Michael Curtiz e melhor argumento. Mas a sua lenda e o casal Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, duraria muito para além de qualquer distinção. A famosa frase, nunca dita "play it again, Sam" e a música "As time goes by", são exemplos. O filme "Os melhores anos das nossas vidas" de 1946, receberia sete Óscares para outras tantas nomeações. Em 1948 John Huston conquista o reconhecimento da crítica e recebe dois Óscares pelo filme "O tesouro da Sierra Madre", melhor realizador e melhor argumento.A década não acabaria sem o reconhecimento do valor de Josep L. Mankiewicz, que em dois anos consecutivos, 1949 e 1950, receberia simultaneamente o Óscar de melhor realizador e Óscar de melhor argumento, pelos seus filmes "All about Eve" e "A letter to three wives". James Stewart no filme " Do céu caiu uma estrela" em 1940,Gary Cooper no filme "Sargento York", em 1941, James Cagney no filme "Yankee Doodle Dandy". em 1942, Laurence Olivier pelo seu excepcional desempenho em "Hamlet", em 1948 receberam o Óscar de melhor actor do ano.
publicado por armando ésse às 09:39

Fevereiro 24 2005

A década de cinquenta começa com Vivien Leigh a receber o segundo Óscar no filme um "Eléctrico chamado desejo", e Humphrey Bogart a receber o Óscar para melhor actor do ano, pelo seu desempenho no filme "Rainha Africana".Gary Cooper recebe o seu segundo Òscar pelo filme "High moon", em 1952. O filme "Um americano em Paris", é o melhor filme do ano em 1951. Neste ano, a Academia reconhece o extraordinário valor, do actor, cantor, bailarino e realizador Gene Kelly, ao atribuir-lhe um Oscar Especial pela sua carreira. Nesta década Ingrid Bergman recebe o seu segundo Óscar para melhor actriz pelo desempenho no filme "Anastácia", o primeiro tinha sido em 1944 no filme "Gaslight". Ainda viria a receber um terceiro Óscar como actriz secundária no filme "O crime do expresso Oriente", em 1974. Em 1957, o filme "A ponte do rio Kwai", recebe o Óscar de melhor filme do ano.Vincente Minnelli, recebe finalmente o Óscar para melhor realizador, com o filme "Gigi", que arrebatou um total de 9 estatuetas incluinda a de melhor filme do ano, em 1958. Aparece o jovem actor, Marlon Brando, que recebe o Óscar de melhor actor do ano pelo filme "Há lodo no cais", filme que conquistaria nada mais nada menos que oito óscares, incluindo o de melhor filme. Realizado por Elia Kazan a acção do filme decorria à volta de um sindicato e as suas corrupções. O final da década, fica marcado pelo filme Ben Hur, que arrebata 11 óscares em 1959. Melhor filme do ano, melhor realizador do ano, William Wyler, melhor actor do ano, Charlton Heston. Audrey Hepburn pelo fime "Roman hollyday", de 1953, Grace Kelly pelo fime "The country girl", de 1954, e Elizabeth Taylor no filme "Butterfly 8" de 1960, receberam o Óscar de melhor actriz do ano.Ernest Borgnine pelo filme "Marty" de 1955, Yul Brynner pelo filme " Eu e o Rei" em 1956, e Burt Lancaster pelo fime "Elmer Gantry" de 1960, receberiam a estatueta dourada.
publicado por armando ésse às 09:30

Fevereiro 24 2005

A década de cinquenta começa com Vivien Leigh a receber o segundo Óscar no filme um "Eléctrico chamado desejo", e Humphrey Bogart a receber o Óscar para melhor actor do ano, pelo seu desempenho no filme "Rainha Africana".Gary Cooper recebe o seu segundo Òscar pelo filme "High moon", em 1952. O filme "Um americano em Paris", é o melhor filme do ano em 1951. Neste ano, a Academia reconhece o extraordinário valor, do actor, cantor, bailarino e realizador Gene Kelly, ao atribuir-lhe um Oscar Especial pela sua carreira. Nesta década Ingrid Bergman recebe o seu segundo Óscar para melhor actriz pelo desempenho no filme "Anastácia", o primeiro tinha sido em 1944 no filme "Gaslight". Ainda viria a receber um terceiro Óscar como actriz secundária no filme "O crime do expresso Oriente", em 1974. Em 1957, o filme "A ponte do rio Kwai", recebe o Óscar de melhor filme do ano.Vincente Minnelli, recebe finalmente o Óscar para melhor realizador, com o filme "Gigi", que arrebatou um total de 9 estatuetas incluinda a de melhor filme do ano, em 1958. Aparece o jovem actor, Marlon Brando, que recebe o Óscar de melhor actor do ano pelo filme "Há lodo no cais", filme que conquistaria nada mais nada menos que oito óscares, incluindo o de melhor filme. Realizado por Elia Kazan a acção do filme decorria à volta de um sindicato e as suas corrupções. O final da década, fica marcado pelo filme Ben Hur, que arrebata 11 óscares em 1959. Melhor filme do ano, melhor realizador do ano, William Wyler, melhor actor do ano, Charlton Heston. Audrey Hepburn pelo fime "Roman hollyday", de 1953, Grace Kelly pelo fime "The country girl", de 1954, e Elizabeth Taylor no filme "Butterfly 8" de 1960, receberam o Óscar de melhor actriz do ano.Ernest Borgnine pelo filme "Marty" de 1955, Yul Brynner pelo filme " Eu e o Rei" em 1956, e Burt Lancaster pelo fime "Elmer Gantry" de 1960, receberiam a estatueta dourada.
publicado por armando ésse às 09:30

Fevereiro 24 2005

Em 1961 o filme do ano é "West side story" e Robert Wise o melhor realizador, Sofia Loren recebe o Óscar de melhor actriz pelo excepcional desempenho no filme " La ciociara", adaptação ao cinema do livro de Alberto Moravia. David Lean apresenta em 1962 o espectacular "Lawrence da Arábia", que foi nomeado par dez Óscares, tendo ganho sete, incluindo o de melhor filme do ano e o de melhor realizador. Gregory Peck recebe em 1962 o Óscar de melhor actor do ano pelo trabalho feito no filme "Não Matem a Cotovia". "My fair lady", de 1964 ganha oito Óscares, incluindo o de melhor filme e melhor realizador, George Cukor. Em 1965 Robert Wise vence o seu segundo Óscar como realizador do ano, com o filme "Música no coração". Elisabeth Taylor mostra o seu talento em "Quem tem medo de Virginia Wolf?", em 1966 e recebe o seu segundo Óscar. Filme que venceria cinco Óscares, num total de treze nomeações. Em 1967 a Academia finalmente reconhecia o mérito incontestátel de um dos maiores mestres da sétima arte: Alfred Hitchcock. Após cinco nomeações, desde de 1940, sem ter recebido algum Óscar, a Academia atribuia-lhe o Irving Thalberg Memorial Award, em reconhecimento da sua excepcional carreira.Katharine Hepburn, recebia por mais duas vezes o Óscar de melhor actriz do ano, em 1967 com "Adivinha quem vem jantar" e em 1968 com o filme "A lion in winter".EM 1963 a Academia premiava pela primeira vez um actor negro, Sidney Poitier, pelo seu desempenho no filme "No calor da noite".Julie Andrews pelo filme "May Poppins" em 1964, Julie Christie pelo filme "Darling", de 1965 receberiam a estatueta dourada de melhor actriz do ano.
publicado por armando ésse às 09:29

Fevereiro 24 2005

Em 1961 o filme do ano é "West side story" e Robert Wise o melhor realizador, Sofia Loren recebe o Óscar de melhor actriz pelo excepcional desempenho no filme " La ciociara", adaptação ao cinema do livro de Alberto Moravia. David Lean apresenta em 1962 o espectacular "Lawrence da Arábia", que foi nomeado par dez Óscares, tendo ganho sete, incluindo o de melhor filme do ano e o de melhor realizador. Gregory Peck recebe em 1962 o Óscar de melhor actor do ano pelo trabalho feito no filme "Não Matem a Cotovia". "My fair lady", de 1964 ganha oito Óscares, incluindo o de melhor filme e melhor realizador, George Cukor. Em 1965 Robert Wise vence o seu segundo Óscar como realizador do ano, com o filme "Música no coração". Elisabeth Taylor mostra o seu talento em "Quem tem medo de Virginia Wolf?", em 1966 e recebe o seu segundo Óscar. Filme que venceria cinco Óscares, num total de treze nomeações. Em 1967 a Academia finalmente reconhecia o mérito incontestátel de um dos maiores mestres da sétima arte: Alfred Hitchcock. Após cinco nomeações, desde de 1940, sem ter recebido algum Óscar, a Academia atribuia-lhe o Irving Thalberg Memorial Award, em reconhecimento da sua excepcional carreira.Katharine Hepburn, recebia por mais duas vezes o Óscar de melhor actriz do ano, em 1967 com "Adivinha quem vem jantar" e em 1968 com o filme "A lion in winter".EM 1963 a Academia premiava pela primeira vez um actor negro, Sidney Poitier, pelo seu desempenho no filme "No calor da noite".Julie Andrews pelo filme "May Poppins" em 1964, Julie Christie pelo filme "Darling", de 1965 receberiam a estatueta dourada de melhor actriz do ano.
publicado por armando ésse às 09:29

Fevereiro 24 2005

Esta década é marcada pelos filmes de Francis Ford Coppola, "O Padrinho" de 1972 e "O Padrinto-Parte II" de 1974. No filme " O Padrinho", Marlon Brando ao interpretar a figura de D.Corleone atinge o ponto culminante da carreira. Ambos os filmes recem o Óscar de melhor filme do ano, mas Francis Ford Coppola, só receberia o Óscar de realizador do ano pelo filme "O Padrinho-parte II", em 1972 o realizador do ano EM 1971 foi Bob Fosse, pelo filme "Cabaret", onde Liza Minelli receberia o Óscar de melhor actriz do ano. Depois de "O Padrinho", um filme de autor, a Academia começou a ver com outros olhos este novo tipo de filmes. Assim a Academia, nesta década premiou como melhores fimes do ano, "Voando sobre um ninho de cucos", de Milos Forman, em 1975, "Rocky" de John G. Avildsen, em 1976, "Annie Hall", de Woody Allen, ganhando também o Óscar de melhor realizador, melhor argumento e melhor actriz, Diane Keaton, em 1977 e "Kramer contra Kramer" em 1979. Em 1971 Jane Fonda ganha o primeiro Óscar pelo seu desempenho no filme "Klute", e em 1978 recebe o segundo pelo filme "O Regresso dos heróis", Sally Field recebe o seu primeiro Óscar pelo papel de sindicalista no filme"Norma Rae". Jack Nicholson recebe o Óscar de melhor actor no filme "Voando sobre um ninho de cucos", o mesmo acontecendo com Robert de Niro, no filme "Touro Enraivecido", Robert de Niro já tinha ganho em 1974, o Óscar de melhor actor secundário no filme "O Padrinho- Parte II".
publicado por armando ésse às 09:27

Fevereiro 24 2005

Esta década é marcada pelos filmes de Francis Ford Coppola, "O Padrinho" de 1972 e "O Padrinto-Parte II" de 1974. No filme " O Padrinho", Marlon Brando ao interpretar a figura de D.Corleone atinge o ponto culminante da carreira. Ambos os filmes recem o Óscar de melhor filme do ano, mas Francis Ford Coppola, só receberia o Óscar de realizador do ano pelo filme "O Padrinho-parte II", em 1972 o realizador do ano EM 1971 foi Bob Fosse, pelo filme "Cabaret", onde Liza Minelli receberia o Óscar de melhor actriz do ano. Depois de "O Padrinho", um filme de autor, a Academia começou a ver com outros olhos este novo tipo de filmes. Assim a Academia, nesta década premiou como melhores fimes do ano, "Voando sobre um ninho de cucos", de Milos Forman, em 1975, "Rocky" de John G. Avildsen, em 1976, "Annie Hall", de Woody Allen, ganhando também o Óscar de melhor realizador, melhor argumento e melhor actriz, Diane Keaton, em 1977 e "Kramer contra Kramer" em 1979. Em 1971 Jane Fonda ganha o primeiro Óscar pelo seu desempenho no filme "Klute", e em 1978 recebe o segundo pelo filme "O Regresso dos heróis", Sally Field recebe o seu primeiro Óscar pelo papel de sindicalista no filme"Norma Rae". Jack Nicholson recebe o Óscar de melhor actor no filme "Voando sobre um ninho de cucos", o mesmo acontecendo com Robert de Niro, no filme "Touro Enraivecido", Robert de Niro já tinha ganho em 1974, o Óscar de melhor actor secundário no filme "O Padrinho- Parte II".
publicado por armando ésse às 09:27

mais sobre mim
Fevereiro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

18

20
23
25

27


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO