A FÁBRICA

Maio 28 2005

A fracassada tentativa suíça de alcançar o topo do Evereste, em 1952 deu aos britânicos o tempo necessário para organizarem uma expedição melhor preparada. O treino incluiu uma experiência no Cho Oyu -a sexta mais alta montanha do mundo, com 8.201 metros de altitude – em 1952, liderada por Eric Shipton. Mesmo não tendo chegado ao cume do Cho Oyu, a expedição obteve um grande avanço na utilização correcta do oxigénio e das roupas. Embora Eric Shipton já tivesse liderado diversas expedições e contasse com o apoio popular, alguns membros do Clube Alpino achavam não ser a pessoa mais indicada para comandar um empreendimento de tal magnitude, a 10ª Expedição Britânica ao Evereste, sobre a qual recaíam tantas esperanças e muita pressão política. Afinal, esta poderia ser a grande oportunidade de alguém ser o primeiro a escalar a mais alta montanha do planeta. Um acordo diplomático entre os envolvidos dividiu o poder, permitindo a Eric Shipton ficar mais concentrado na escalada, deixando o comando com John Hunt, um oficial do exército, que daria ao evento um padrão militar. Estranhamente, a maioria dos membros do Clube Alpino nunca se haviam encontrado com John Hunt e ele próprio já tinha sido preterido na expedição de 1935 por problemas de saúde. Ficou decidido que a expedição utilizaria todos os recursos ao seu alcance para atingir o objectivo, inclusive o uso de oxigénio, enquanto os alpinistas estivessem dormindo em altitudes mais elevadas. Para o Império Britânico, chegar ao topo do mundo era uma questão de honra. Para cobrir o evento, o diário Times enviou o jornalista James Morris, como membro da expedição, juntamente com o operador de câmara Tom Stobart. Munidos dos mais modernos equipamentos de alpinismo disponíveis na época, a primeira parte da expedição partiu de Kathmandu, naquela primavera, em grande estilo.
Composta por 350 carregadores sherpas, causava espanto aos nativos aquela fileira de homens trilhando uma estrada para o Evereste. Como a prata era a única forma de pagamento aceita pelos sherpas em 1953, uma grande quantidade de moedas foi cunhada especificamente para este fim. A caravana passou por Nanche Bazar e, após um pequeno período de descanso em Tengpoche, chegou em Gorak Shep, ao pé do Kala Patar, onde foi montado o Acampamento-base. A seguir estabeleceram um novo acampamento na geleira Khumbu, a meio caminho da Cascata de Gelo. Ao todo, foram criados nove acampamentos de altitude. Eram treze montanhistas escolhidos a dedo, entre os quais o veterano Tenzing Norgay, um alpinista sherpa altamente qualificado, e Edmund Hillary – que ganhara a confiança de Eric Shipton no ano anterior. A equipa ficou duas semanas fazendo pequenas escaladas no vale Khumbu como parte do programa de aclimatização antes de cruzar a Cascata de Gelo.
Enquanto forjavam uma rota através destes obstáculos monstruosos, Edmund Hillary e Tenzing Norgay começaram-se a identificar, a ponto de passarem a andar sempre juntos, tendo o veterano Tenzing demonstrado poder acompanhar o jovem, ambicioso e competitivo Hillary. Então, depois de treze dias de esforços contínuos na encosta do Evereste, eles chegaram ao Colo Sul escalando pelo flanco do Lhotse, a rota aberta pelos suíços no ano anterior, onde estabeleceram o acampamento VIII. Foi a partir dali que os ingleses, não esquecer que era uma expedição britânica, Harles Evans e Tom Bourdillon fizeram a primeira tentativa de alcançar o cume, embora ainda estivessem longe demais para um retorno seguro, caso obtivessem sucesso. No entanto, as ordens emitidas por John Hunt não deixavam dúvidas: era para continuarem a qualquer custo. Afinal, era para isto que um militar estava no comando. Mas, com as péssimas condições climatéricas e problemas com o oxigénio, foram obrigados a ficar no Cume Sul, menos de 100 metros abaixo do topo. Mesmo assim, e caso ainda tivessem oxigénio, calcularam ser necessário mais três horas de escalada.
O segundo assalto foi melhor planeado. Montou-se o acampamento IX, a 8.500 metros, bem mais acima do anterior, e Edmund Hillary e Tenzing Norgay passaram a noite descansando, bebendo grandes quantidades de chá de limão quente e tentando comer alguma coisa.
No dia 29 de Maio de 1953, às 6h30min da manhã, eles saíram de suas barracas, quase cobertas de neve, respirando oxigénio suplementar, e iniciaram a jornada que os colocaria na história. Era a sétima tentativa de Tenzing Norgay e a segunda de Edmund Hillary.
Às nove chegaram ao Cume Sul, ao pé da dramática crista estreita que levava ao cume principal, a partir de onde encontraram melhores condições climáticas. Uma hora mais tarde estavam diante de uma barreira com 13 metros, um escalão de rocha lisa e quase sem pontos de apoio, agora conhecido como Passo de Hillary. - Era uma barreira cuja superação ia muito além de nossas frágeis forças – reconheceu o neozelandês, mais tarde. Tenzing ficou abaixo e foi largando a corda, nervoso, enquanto Hillary, enfiando-se em uma estreita greta entre o paredão de rocha lisa e uma rebarba de neve em sua beirada, começou a agonizante subida. A lenta e penosa escalada foi sendo vencida, na base de muito esforço físico e exposição ao perigo. Edmund Hillary conseguiu finalmente alcançar o alto da rocha e arrastar-se para fora da fenda, até uma larga saliência. Por alguns momentos ele ficou ali, parado, deitado, recuperando o fôlego. Enquanto o oxigénio artificial corria por sua veias, ele sentiu, pela primeira vez, que sua gigantesca determinação o levaria ao topo.

Com as batidas do coração voltando ao normal – normal para aquelas circunstâncias! - Ele firmou-se na plataforma e fez sinal para Tenzing subir. Edmund Hillary puxou firme a corda e o sherpa foi subindo, contorcendo-se greta acima, até finalmente chegar à saliência onde o neozelandês estava.
- Exausto, desabando como um peixe gigantesco que acabou de ser içado do mar após uma luta terrível, chegou Tenzing – contou Hillary. O cume, a apenas uma pequena distância, os observava, impassível, sentindo que em breve seria derrotado por aqueles dois minúsculos seres que ousavam pisar onde ninguém jamais conseguira colocar os pés. Edmund Hillary e Tenzing Norgay deram a volta por trás de outra saliência de rocha e viram que a crista adiante descia, podiam ver o Tibete. Eram os primeiros humanos a verem o Tibete daquele local. Eles desviaram a atenção do planalto tibetano e correram os olhos para cima, onde havia um cone redondo de neve.
Após algumas estocadas da piqueta, depois de uns poucos passos cautelosos, Tenzing Norgay e Edmund Hillary estavam no cume do monte Evereste; haviam acabado de conquistar o Terceiro Pólo. Eram 11h30min do dia 29 de Maio de 1953, pelo calendário gregoriano.
Hillary olhou para Tenzing e, apesar dos óculos de protecção e da máscara de oxigénio estarem cobertos de gelo, escondendo-lhe a face, pôde notar um grande sorriso de puro prazer com o qual o sherpa admirava o mundo ao redor. “Estamos no lugar certo e na hora certa”, pensou Hillary. Eles sacudiram as mãos para se livrarem do gelo das suas luvas e então Tenzing abraçou o neozelandês longamente, até ficarem quase sem respiração. Estavam no topo do mundo, no ponto mais elevado da Morada dos Deuses, na ponta do mais alto obelisco dos terráqueos. Muito longe, milhares de metros abaixo, as cores do alto planalto tibetano, como uma miragem naquele mundo branco coberto de gelo e neve. Enquanto Tenzing Norgay preparava uma pequena oferenda para a deusa Chomolungma, Edmundo Hillary olhou em direcção à Crista Norte e lembrou-se de Mallory e Irvine. Instintivamente tentou descobrir um sinal, um objecto, qualquer evidência da passagem dos dois pioneiros. Após alguns biscoitos e um pequeno gole de chá, iniciaram uma terrível descida. O oxigénio estava no fim, era preciso pressa. Chegaram ao acampamento no Colo Sul ao cair da noite. Quando Hillary avistou George Lowe, vindo ao seu encontro com uma garrafa térmica de sopa quente e um novo cilindro de oxigénio, disse, aos berros:
- Bem, George, liquidamos este bastardo! - Embora não tenham sido exactamente estas as palavras publicadas na imprensa na época.
James Morris, o correspondente do Times, desceu ao Acampamento – base e enviou um sherpa até Nanche Bazar com uma mensagem em código. Enviada por rádio para o embaixador britânico em Kathmandu e retransmitida para Londres, a notícia foi publicada na primeira página do jornal na manhã de 2 de Junho, dia da coroação da rainha Isabel II.

Nota: Todos os post's abaixo publicados e este, foram retirados de vários locais na Internet, principalmente em portais brasileiros.
publicado por armando ésse às 15:00

Maio 28 2005

A fracassada tentativa suíça de alcançar o topo do Evereste, em 1952 deu aos britânicos o tempo necessário para organizarem uma expedição melhor preparada. O treino incluiu uma experiência no Cho Oyu -a sexta mais alta montanha do mundo, com 8.201 metros de altitude – em 1952, liderada por Eric Shipton. Mesmo não tendo chegado ao cume do Cho Oyu, a expedição obteve um grande avanço na utilização correcta do oxigénio e das roupas. Embora Eric Shipton já tivesse liderado diversas expedições e contasse com o apoio popular, alguns membros do Clube Alpino achavam não ser a pessoa mais indicada para comandar um empreendimento de tal magnitude, a 10ª Expedição Britânica ao Evereste, sobre a qual recaíam tantas esperanças e muita pressão política. Afinal, esta poderia ser a grande oportunidade de alguém ser o primeiro a escalar a mais alta montanha do planeta. Um acordo diplomático entre os envolvidos dividiu o poder, permitindo a Eric Shipton ficar mais concentrado na escalada, deixando o comando com John Hunt, um oficial do exército, que daria ao evento um padrão militar. Estranhamente, a maioria dos membros do Clube Alpino nunca se haviam encontrado com John Hunt e ele próprio já tinha sido preterido na expedição de 1935 por problemas de saúde. Ficou decidido que a expedição utilizaria todos os recursos ao seu alcance para atingir o objectivo, inclusive o uso de oxigénio, enquanto os alpinistas estivessem dormindo em altitudes mais elevadas. Para o Império Britânico, chegar ao topo do mundo era uma questão de honra. Para cobrir o evento, o diário Times enviou o jornalista James Morris, como membro da expedição, juntamente com o operador de câmara Tom Stobart. Munidos dos mais modernos equipamentos de alpinismo disponíveis na época, a primeira parte da expedição partiu de Kathmandu, naquela primavera, em grande estilo.
Composta por 350 carregadores sherpas, causava espanto aos nativos aquela fileira de homens trilhando uma estrada para o Evereste. Como a prata era a única forma de pagamento aceita pelos sherpas em 1953, uma grande quantidade de moedas foi cunhada especificamente para este fim. A caravana passou por Nanche Bazar e, após um pequeno período de descanso em Tengpoche, chegou em Gorak Shep, ao pé do Kala Patar, onde foi montado o Acampamento-base. A seguir estabeleceram um novo acampamento na geleira Khumbu, a meio caminho da Cascata de Gelo. Ao todo, foram criados nove acampamentos de altitude. Eram treze montanhistas escolhidos a dedo, entre os quais o veterano Tenzing Norgay, um alpinista sherpa altamente qualificado, e Edmund Hillary – que ganhara a confiança de Eric Shipton no ano anterior. A equipa ficou duas semanas fazendo pequenas escaladas no vale Khumbu como parte do programa de aclimatização antes de cruzar a Cascata de Gelo.
Enquanto forjavam uma rota através destes obstáculos monstruosos, Edmund Hillary e Tenzing Norgay começaram-se a identificar, a ponto de passarem a andar sempre juntos, tendo o veterano Tenzing demonstrado poder acompanhar o jovem, ambicioso e competitivo Hillary. Então, depois de treze dias de esforços contínuos na encosta do Evereste, eles chegaram ao Colo Sul escalando pelo flanco do Lhotse, a rota aberta pelos suíços no ano anterior, onde estabeleceram o acampamento VIII. Foi a partir dali que os ingleses, não esquecer que era uma expedição britânica, Harles Evans e Tom Bourdillon fizeram a primeira tentativa de alcançar o cume, embora ainda estivessem longe demais para um retorno seguro, caso obtivessem sucesso. No entanto, as ordens emitidas por John Hunt não deixavam dúvidas: era para continuarem a qualquer custo. Afinal, era para isto que um militar estava no comando. Mas, com as péssimas condições climatéricas e problemas com o oxigénio, foram obrigados a ficar no Cume Sul, menos de 100 metros abaixo do topo. Mesmo assim, e caso ainda tivessem oxigénio, calcularam ser necessário mais três horas de escalada.
O segundo assalto foi melhor planeado. Montou-se o acampamento IX, a 8.500 metros, bem mais acima do anterior, e Edmund Hillary e Tenzing Norgay passaram a noite descansando, bebendo grandes quantidades de chá de limão quente e tentando comer alguma coisa.
No dia 29 de Maio de 1953, às 6h30min da manhã, eles saíram de suas barracas, quase cobertas de neve, respirando oxigénio suplementar, e iniciaram a jornada que os colocaria na história. Era a sétima tentativa de Tenzing Norgay e a segunda de Edmund Hillary.
Às nove chegaram ao Cume Sul, ao pé da dramática crista estreita que levava ao cume principal, a partir de onde encontraram melhores condições climáticas. Uma hora mais tarde estavam diante de uma barreira com 13 metros, um escalão de rocha lisa e quase sem pontos de apoio, agora conhecido como Passo de Hillary. - Era uma barreira cuja superação ia muito além de nossas frágeis forças – reconheceu o neozelandês, mais tarde. Tenzing ficou abaixo e foi largando a corda, nervoso, enquanto Hillary, enfiando-se em uma estreita greta entre o paredão de rocha lisa e uma rebarba de neve em sua beirada, começou a agonizante subida. A lenta e penosa escalada foi sendo vencida, na base de muito esforço físico e exposição ao perigo. Edmund Hillary conseguiu finalmente alcançar o alto da rocha e arrastar-se para fora da fenda, até uma larga saliência. Por alguns momentos ele ficou ali, parado, deitado, recuperando o fôlego. Enquanto o oxigénio artificial corria por sua veias, ele sentiu, pela primeira vez, que sua gigantesca determinação o levaria ao topo.

Com as batidas do coração voltando ao normal – normal para aquelas circunstâncias! - Ele firmou-se na plataforma e fez sinal para Tenzing subir. Edmund Hillary puxou firme a corda e o sherpa foi subindo, contorcendo-se greta acima, até finalmente chegar à saliência onde o neozelandês estava.
- Exausto, desabando como um peixe gigantesco que acabou de ser içado do mar após uma luta terrível, chegou Tenzing – contou Hillary. O cume, a apenas uma pequena distância, os observava, impassível, sentindo que em breve seria derrotado por aqueles dois minúsculos seres que ousavam pisar onde ninguém jamais conseguira colocar os pés. Edmund Hillary e Tenzing Norgay deram a volta por trás de outra saliência de rocha e viram que a crista adiante descia, podiam ver o Tibete. Eram os primeiros humanos a verem o Tibete daquele local. Eles desviaram a atenção do planalto tibetano e correram os olhos para cima, onde havia um cone redondo de neve.
Após algumas estocadas da piqueta, depois de uns poucos passos cautelosos, Tenzing Norgay e Edmund Hillary estavam no cume do monte Evereste; haviam acabado de conquistar o Terceiro Pólo. Eram 11h30min do dia 29 de Maio de 1953, pelo calendário gregoriano.
Hillary olhou para Tenzing e, apesar dos óculos de protecção e da máscara de oxigénio estarem cobertos de gelo, escondendo-lhe a face, pôde notar um grande sorriso de puro prazer com o qual o sherpa admirava o mundo ao redor. “Estamos no lugar certo e na hora certa”, pensou Hillary. Eles sacudiram as mãos para se livrarem do gelo das suas luvas e então Tenzing abraçou o neozelandês longamente, até ficarem quase sem respiração. Estavam no topo do mundo, no ponto mais elevado da Morada dos Deuses, na ponta do mais alto obelisco dos terráqueos. Muito longe, milhares de metros abaixo, as cores do alto planalto tibetano, como uma miragem naquele mundo branco coberto de gelo e neve. Enquanto Tenzing Norgay preparava uma pequena oferenda para a deusa Chomolungma, Edmundo Hillary olhou em direcção à Crista Norte e lembrou-se de Mallory e Irvine. Instintivamente tentou descobrir um sinal, um objecto, qualquer evidência da passagem dos dois pioneiros. Após alguns biscoitos e um pequeno gole de chá, iniciaram uma terrível descida. O oxigénio estava no fim, era preciso pressa. Chegaram ao acampamento no Colo Sul ao cair da noite. Quando Hillary avistou George Lowe, vindo ao seu encontro com uma garrafa térmica de sopa quente e um novo cilindro de oxigénio, disse, aos berros:
- Bem, George, liquidamos este bastardo! - Embora não tenham sido exactamente estas as palavras publicadas na imprensa na época.
James Morris, o correspondente do Times, desceu ao Acampamento – base e enviou um sherpa até Nanche Bazar com uma mensagem em código. Enviada por rádio para o embaixador britânico em Kathmandu e retransmitida para Londres, a notícia foi publicada na primeira página do jornal na manhã de 2 de Junho, dia da coroação da rainha Isabel II.

Nota: Todos os post's abaixo publicados e este, foram retirados de vários locais na Internet, principalmente em portais brasileiros.
publicado por armando ésse às 15:00

Maio 28 2005

O apicultor neozelandês Edmund Hillary era apenas um praticante de alpinismo, mas viu-se catapultado repentinamente para a glória quando, se tornou o primeiro homem a chegar ao topo do Evereste, ao lado do sherpa nepalês Tenzing Norgay.
Hillary continuou sendo um homem simples, quase chateado com sua fama mundial, como prova o facto de que as únicas imagens da façanha são as fotos que mostram o seu companheiro de aventura no cume da maior montanha do mundo, de 8.848 metros. “Senti satisfação, mas não de forma exaltada, quando cheguei ao topo do mundo”, disse ele. Hillary declarou diversas vezes que a sua acção em favor dos povos e da conservação dos Himalaias lhe pareciam mais importantes do que a recordação das suas façanhas pessoais.
Segundo filho de Gertrude e Percy Hillary, Edmund nasceu no dia 20 de Julho de 1919 em Auckland. Ele define-se como um “jovem pobre do campo”, que começou a praticar o montanhismo aos 12 anos, nos picos e glaciares da Nova Zelândia. Durante a Segunda Guerra Mundial esteve na Força aérea, e em 1946 começou a dedicar-se à criação de abelhas com o seu irmão. Porém, outros caminhos o aguardavam. Seu tipo físico – 1,90 metro e capacidade pulmonar de 7 litros, contra 5 litros dos seres humanos comuns -permitiu que se alistasse em 1951 na primeira expedição neozelandesa aos Himalaias. Depois, foi seleccionado como integrante de uma equipe de reconhecimento do Evereste, liderada pelo coronel britânico John Hunt. No dia 29 de Maio de 1953, pela manhã, a expedição estava no acampamento IX, a 8500 metros de altitude. Hillary e Tenzing Norgay iniciaram então a conquista do último trecho, equipados com tubos de oxigénio. Às 11h30 alcançaram o topo do mundo e entraram para a história.
Fama não deslumbrou Hillary
Outro integrante da expedição, George Lowe, relatou o retorno de Hillary ao campo IX. “Ed tirou a máscara e saudou-nos com um sorriso expressivo. Sentou-se no gelo e disse, com a simplicidade que o caracteriza: Pronto, liquidamos o bastardo”.
A fama chegou de modo imediato. A rainha da Inglaterra, concedeu-lhe um título de “Sir”, no ano da sua coroação. No entanto, Hillary manteve a sua humildade. “Não fizemos mais do que subir uma montanha”. “A vista não tinha nada de grandiosa. Tudo era chato e monótono”, são algumas de suas frases.
Hillary voltou para a Nova Zelândia e casou-se com Louise Rose, com quem teve três filhos: Peter, Sarah e Belinda. Participou em diversas expedições, incluindo o Pólo Sul, mas consagrou-se sobretudo a ajudar o povo sherpa, pelo qual possui um grande afecto.
Em Abril de 1975, a sua esposa e a sua filha Belinda faleceram num acidente de avião no Nepal, onde participariam num dos seus projectos. Em 1989, aos 70 anos, casou com June Mulgrew, viúva de um alpinista neozelandês.
publicado por armando ésse às 14:11

Maio 28 2005

O apicultor neozelandês Edmund Hillary era apenas um praticante de alpinismo, mas viu-se catapultado repentinamente para a glória quando, se tornou o primeiro homem a chegar ao topo do Evereste, ao lado do sherpa nepalês Tenzing Norgay.
Hillary continuou sendo um homem simples, quase chateado com sua fama mundial, como prova o facto de que as únicas imagens da façanha são as fotos que mostram o seu companheiro de aventura no cume da maior montanha do mundo, de 8.848 metros. “Senti satisfação, mas não de forma exaltada, quando cheguei ao topo do mundo”, disse ele. Hillary declarou diversas vezes que a sua acção em favor dos povos e da conservação dos Himalaias lhe pareciam mais importantes do que a recordação das suas façanhas pessoais.
Segundo filho de Gertrude e Percy Hillary, Edmund nasceu no dia 20 de Julho de 1919 em Auckland. Ele define-se como um “jovem pobre do campo”, que começou a praticar o montanhismo aos 12 anos, nos picos e glaciares da Nova Zelândia. Durante a Segunda Guerra Mundial esteve na Força aérea, e em 1946 começou a dedicar-se à criação de abelhas com o seu irmão. Porém, outros caminhos o aguardavam. Seu tipo físico – 1,90 metro e capacidade pulmonar de 7 litros, contra 5 litros dos seres humanos comuns -permitiu que se alistasse em 1951 na primeira expedição neozelandesa aos Himalaias. Depois, foi seleccionado como integrante de uma equipe de reconhecimento do Evereste, liderada pelo coronel britânico John Hunt. No dia 29 de Maio de 1953, pela manhã, a expedição estava no acampamento IX, a 8500 metros de altitude. Hillary e Tenzing Norgay iniciaram então a conquista do último trecho, equipados com tubos de oxigénio. Às 11h30 alcançaram o topo do mundo e entraram para a história.
Fama não deslumbrou Hillary
Outro integrante da expedição, George Lowe, relatou o retorno de Hillary ao campo IX. “Ed tirou a máscara e saudou-nos com um sorriso expressivo. Sentou-se no gelo e disse, com a simplicidade que o caracteriza: Pronto, liquidamos o bastardo”.
A fama chegou de modo imediato. A rainha da Inglaterra, concedeu-lhe um título de “Sir”, no ano da sua coroação. No entanto, Hillary manteve a sua humildade. “Não fizemos mais do que subir uma montanha”. “A vista não tinha nada de grandiosa. Tudo era chato e monótono”, são algumas de suas frases.
Hillary voltou para a Nova Zelândia e casou-se com Louise Rose, com quem teve três filhos: Peter, Sarah e Belinda. Participou em diversas expedições, incluindo o Pólo Sul, mas consagrou-se sobretudo a ajudar o povo sherpa, pelo qual possui um grande afecto.
Em Abril de 1975, a sua esposa e a sua filha Belinda faleceram num acidente de avião no Nepal, onde participariam num dos seus projectos. Em 1989, aos 70 anos, casou com June Mulgrew, viúva de um alpinista neozelandês.
publicado por armando ésse às 14:11

Maio 28 2005

O nascimento de Tenzing Norgay talvez tenha sido humilde mas estava imbuído de bons presságios. Os pais viviam numa aldeia de alta montanha, Thame de seu nome, no Nepal, mas à data do seu nascimento, corria o ano de 1914, os seus pais estavam em peregrinação a um lugar sagrado, chamado Ghang Lha no leste Nepal.O pequeno Namgyal, foi este o nome que os pais lhe deram, Namgyal Wangdi, acabou por nascer neste lugar sagrado para os budistas. Mais tarde um Lama mudou-lhe o nome para Tenzing Norgay (Norgay quer dizer afortunado) e o jovem Tenzing sempre pensou que tinha sido bafejado pela sorte e tinha uma Graça especial. O seu destino estava traçado desde de muito novo, ser guardador de iaques na alta montanha, no sopé do Monte Evereste. Tenzing Norgay, acreditava quando era criança que nessa montanha viviam os deuses e observava-a fascinado, enquanto cuidava dos iaques de seu pai. “Não sei por quê, mas desde criança sentia que precisava de chegar ao cume dessa montanha”, comentou em 1953, poucas semanas depois de sua façanha. Por volta dos treze anos, fez uma viagem secreta, sem autorização dos pais, a Kathmandu, a capital do Nepal, no regresso decidiu que teria fazer tudo para poder chegar ao cimo do monte Evereste. Assim, cinco anos mais tarde, outra vez sem a permissão dos pais, mudou-se para Darjeeling na Índia, com a esperança de se juntar a uma Expedição Britânica ao Monte Evereste que se estava a organizar aí. Por um golpe de sorte, Tenzing entra na equipa de Eric Shipton´s, na Expedição Britânica ao Evereste de 1935. Tinha 19 anos e era recém-casado, com Dawa Phuti, uma rapariga Sherpa que vivia em Darjeeling. A sua performance foi tão boa que firmou uma reputação lendária de tenacidade, que fez com que não tivesse mais dificuldades em ser contratado nas expedições seguintes, nomeadamente as expedições de 1936 e 1938.Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, as grandes expedições ao Evereste ficaram paradas, mas Tenzing não deixou de escalar. Apesar do seu nome estar ligado ao Evereste, também participou em expedições ao, Nanda Devi, na Índia, Tirich Mir e Nanga Parbat no Paquistão, Chomo-Langma no Nepal, e Garwhal, na Índia, sendo estes dois últimos escalados pela primeira vez, por Tenzing Norgay e companheiros de escalada. Entretanto a sua primeira mulher, Dawa Phuti morreu em 1944, e Tenzing volta a casar um ano mais tarde, com Ang Lhamu, outra Sherpa. Em 1947 acompanhou Earl Denman, quando este tentou a subida solitária ao topo do Evereste. No ano seguinte, acompanhou o famoso tibetologista Giuseppe Tucci, numas escavações arqueológicas no Tibete, e contra tudo o que se podia pensar, foi uma das poucas pessoas que teve a possibilidade de privar com o excêntrico e irascível Professor. Mas o seu objectivo de sempre era o cume do Monte Evereste. Num mundo em mudança com a chegada ao fim da Segunda Guerra Mundial, o Nepal abriu as suas fronteiras aos estrangeiros ao mesmo tempo que os chineses invadiram e ocuparam o Tibete, fechando a rota Norte. Outros países interessaram-se por ser os primeiros a por os seus homens no cume do Monte Evereste, o monopólio das Expedições Britânicas nas tentativas de conquistar o Evereste estavam a chegar ao fim. Em 1952 Tenzing Norgay foi convidado a juntar-se à expedição Suiça, não como carregador Sherpa mas como companheiro de escalada, nas duas tentativas protagonizadas para alcançar o cume. Foi na primeira destas duas tentativas que Tenzing Norgay chegou a mais de 8600 metros – um recorde até então – com o companheiro de escalada Raymond Lambert. A segunda tentativa, no Inverno, falhou devido ás más condições atmosféricas. Durante um período aproximado de vinte anos, Tenzing Norgay fez parte de todas as expedições que tentavam por um homem no topo do Monte Evereste. Nesta época, apesar dos companheiros Sherpas, fazerem as escaladas por dinheiro, era uma questão de sobrevivência, Tenzing Norgay queria desesperadamente chegar ao cume do Monte Evereste. Tinha devotado uma boa parte da sua vida a este objectivo. “ Pelo meu coração” disse uma vez “ tinha que ir... o pulsar do Evereste era mais forte do que qualquer outra força da Terra”
Se houvesse alguém que merecia ser o primeiro a pisar o cume do Monte Evereste, esse alguém era indiscutivelmente Tenzing Norgay. Os britânicos sentiam que a expedição de 1953, seria a última chance de serem os primeiros a chegarem ao topo do Evereste e planearam a expedição como tal. Em 1953, Tenzing, realizava a sua sétima tentativa de conquistar o “tecto do mundo”. “Ninguém fez mais tentativas de escalar o Evereste do que eu” comentava. “Pequeno e concentrado”, como costumava-se definir, Norgay demonstrava força, resistência e uma agilidade que lhe valeram o apelido de “Tigre das neves”.
Ao chegar ao topo do Evereste no dia 29 de Maio de 1953, Tenzing Norgay, budista fervoroso, ergueu um pequeno altar, a Sagarmatha, (nome em nepalês do Monte Evereste, e que quer dizer, a deusa mãe da Terra) onde deixou chocolate, uma lapiseira, que tinha recebido de presente da sua filha, além de outras oferendas. “Nunca estive ante semelhante vista e nunca voltarei a estar: selvagem, maravilhosa e terrível. Mas não senti nenhum medo: tinha muito carinho pelo Evereste. Havia esperado por este momento durante toda minha vida. Minha montanha não me pareceu uma coisa morta de rocha e gelo, mas quente, amiga e viva”, contou Norgay. Tenzing Norgay converteu-se rapidamente numa celebridade, distinguido pela coroa britânica e recebido pelo Papa. Recebeu a mais alta condecoração do Nepal a “Nepal Tara”. O governo indiano colocou-o à frente de uma escola de sherpas, Hymalayan Mountaineering Institute, posto que ocupou durante 22 anos e a sua popularidade serviu-lhe para defender a causa do seu povo, identificado desde então com as expedições nos Himalaias. Depois do Evereste, Norgay lançou-se noutras aventuras. Em 1963, escalou o monte Elbruz (5.642 metros) no Cáucaso, junto com sete montanhistas soviéticos. Também organizou expedições no Nepal para clientes endinheirados, mesmo sem deixar de lamentar a mercantilização dos Himalaias. Passou os seus últimos anos junto da sua terceira esposa, Daku de seu nome, a sua segunda mulher Ang Lahamu tinha morrido em 1964, numa aldeia indiana, Darjeeling, entre Nepal e Butão. Morreu no dia 9 de Maio de 1986, aos 72 anos. A procissão formada para seguir o funeral tinha mais de um quilómetro de comprimento. Edmund Hillary, seu companheiro na conquista do Evereste, disse “sentir-se profundamente traumatizado” com o desaparecimento do mais extraordinário montanhistas de todos os tempos.
Um dos seus três filhos, Jamling, seguiu as pisadas do pai e chegou ao cume do Monte Evereste em 1996.
publicado por armando ésse às 14:09

Maio 28 2005

O nascimento de Tenzing Norgay talvez tenha sido humilde mas estava imbuído de bons presságios. Os pais viviam numa aldeia de alta montanha, Thame de seu nome, no Nepal, mas à data do seu nascimento, corria o ano de 1914, os seus pais estavam em peregrinação a um lugar sagrado, chamado Ghang Lha no leste Nepal.O pequeno Namgyal, foi este o nome que os pais lhe deram, Namgyal Wangdi, acabou por nascer neste lugar sagrado para os budistas. Mais tarde um Lama mudou-lhe o nome para Tenzing Norgay (Norgay quer dizer afortunado) e o jovem Tenzing sempre pensou que tinha sido bafejado pela sorte e tinha uma Graça especial. O seu destino estava traçado desde de muito novo, ser guardador de iaques na alta montanha, no sopé do Monte Evereste. Tenzing Norgay, acreditava quando era criança que nessa montanha viviam os deuses e observava-a fascinado, enquanto cuidava dos iaques de seu pai. “Não sei por quê, mas desde criança sentia que precisava de chegar ao cume dessa montanha”, comentou em 1953, poucas semanas depois de sua façanha. Por volta dos treze anos, fez uma viagem secreta, sem autorização dos pais, a Kathmandu, a capital do Nepal, no regresso decidiu que teria fazer tudo para poder chegar ao cimo do monte Evereste. Assim, cinco anos mais tarde, outra vez sem a permissão dos pais, mudou-se para Darjeeling na Índia, com a esperança de se juntar a uma Expedição Britânica ao Monte Evereste que se estava a organizar aí. Por um golpe de sorte, Tenzing entra na equipa de Eric Shipton´s, na Expedição Britânica ao Evereste de 1935. Tinha 19 anos e era recém-casado, com Dawa Phuti, uma rapariga Sherpa que vivia em Darjeeling. A sua performance foi tão boa que firmou uma reputação lendária de tenacidade, que fez com que não tivesse mais dificuldades em ser contratado nas expedições seguintes, nomeadamente as expedições de 1936 e 1938.Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, as grandes expedições ao Evereste ficaram paradas, mas Tenzing não deixou de escalar. Apesar do seu nome estar ligado ao Evereste, também participou em expedições ao, Nanda Devi, na Índia, Tirich Mir e Nanga Parbat no Paquistão, Chomo-Langma no Nepal, e Garwhal, na Índia, sendo estes dois últimos escalados pela primeira vez, por Tenzing Norgay e companheiros de escalada. Entretanto a sua primeira mulher, Dawa Phuti morreu em 1944, e Tenzing volta a casar um ano mais tarde, com Ang Lhamu, outra Sherpa. Em 1947 acompanhou Earl Denman, quando este tentou a subida solitária ao topo do Evereste. No ano seguinte, acompanhou o famoso tibetologista Giuseppe Tucci, numas escavações arqueológicas no Tibete, e contra tudo o que se podia pensar, foi uma das poucas pessoas que teve a possibilidade de privar com o excêntrico e irascível Professor. Mas o seu objectivo de sempre era o cume do Monte Evereste. Num mundo em mudança com a chegada ao fim da Segunda Guerra Mundial, o Nepal abriu as suas fronteiras aos estrangeiros ao mesmo tempo que os chineses invadiram e ocuparam o Tibete, fechando a rota Norte. Outros países interessaram-se por ser os primeiros a por os seus homens no cume do Monte Evereste, o monopólio das Expedições Britânicas nas tentativas de conquistar o Evereste estavam a chegar ao fim. Em 1952 Tenzing Norgay foi convidado a juntar-se à expedição Suiça, não como carregador Sherpa mas como companheiro de escalada, nas duas tentativas protagonizadas para alcançar o cume. Foi na primeira destas duas tentativas que Tenzing Norgay chegou a mais de 8600 metros – um recorde até então – com o companheiro de escalada Raymond Lambert. A segunda tentativa, no Inverno, falhou devido ás más condições atmosféricas. Durante um período aproximado de vinte anos, Tenzing Norgay fez parte de todas as expedições que tentavam por um homem no topo do Monte Evereste. Nesta época, apesar dos companheiros Sherpas, fazerem as escaladas por dinheiro, era uma questão de sobrevivência, Tenzing Norgay queria desesperadamente chegar ao cume do Monte Evereste. Tinha devotado uma boa parte da sua vida a este objectivo. “ Pelo meu coração” disse uma vez “ tinha que ir... o pulsar do Evereste era mais forte do que qualquer outra força da Terra”
Se houvesse alguém que merecia ser o primeiro a pisar o cume do Monte Evereste, esse alguém era indiscutivelmente Tenzing Norgay. Os britânicos sentiam que a expedição de 1953, seria a última chance de serem os primeiros a chegarem ao topo do Evereste e planearam a expedição como tal. Em 1953, Tenzing, realizava a sua sétima tentativa de conquistar o “tecto do mundo”. “Ninguém fez mais tentativas de escalar o Evereste do que eu” comentava. “Pequeno e concentrado”, como costumava-se definir, Norgay demonstrava força, resistência e uma agilidade que lhe valeram o apelido de “Tigre das neves”.
Ao chegar ao topo do Evereste no dia 29 de Maio de 1953, Tenzing Norgay, budista fervoroso, ergueu um pequeno altar, a Sagarmatha, (nome em nepalês do Monte Evereste, e que quer dizer, a deusa mãe da Terra) onde deixou chocolate, uma lapiseira, que tinha recebido de presente da sua filha, além de outras oferendas. “Nunca estive ante semelhante vista e nunca voltarei a estar: selvagem, maravilhosa e terrível. Mas não senti nenhum medo: tinha muito carinho pelo Evereste. Havia esperado por este momento durante toda minha vida. Minha montanha não me pareceu uma coisa morta de rocha e gelo, mas quente, amiga e viva”, contou Norgay. Tenzing Norgay converteu-se rapidamente numa celebridade, distinguido pela coroa britânica e recebido pelo Papa. Recebeu a mais alta condecoração do Nepal a “Nepal Tara”. O governo indiano colocou-o à frente de uma escola de sherpas, Hymalayan Mountaineering Institute, posto que ocupou durante 22 anos e a sua popularidade serviu-lhe para defender a causa do seu povo, identificado desde então com as expedições nos Himalaias. Depois do Evereste, Norgay lançou-se noutras aventuras. Em 1963, escalou o monte Elbruz (5.642 metros) no Cáucaso, junto com sete montanhistas soviéticos. Também organizou expedições no Nepal para clientes endinheirados, mesmo sem deixar de lamentar a mercantilização dos Himalaias. Passou os seus últimos anos junto da sua terceira esposa, Daku de seu nome, a sua segunda mulher Ang Lahamu tinha morrido em 1964, numa aldeia indiana, Darjeeling, entre Nepal e Butão. Morreu no dia 9 de Maio de 1986, aos 72 anos. A procissão formada para seguir o funeral tinha mais de um quilómetro de comprimento. Edmund Hillary, seu companheiro na conquista do Evereste, disse “sentir-se profundamente traumatizado” com o desaparecimento do mais extraordinário montanhistas de todos os tempos.
Um dos seus três filhos, Jamling, seguiu as pisadas do pai e chegou ao cume do Monte Evereste em 1996.
publicado por armando ésse às 14:09

mais sobre mim
Maio 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
26



pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO