A FÁBRICA

Setembro 11 2005

Há quatro anos, os Estados Unidos da América eram vítimas do maior atentado terrorista de que há memória.
Cronologia do ataque terrorista ao WTC e Pentágono:

8h45: Um Boeing 737,da Americain Airlines choca com a torre norte do World Trade Center, em Nova York deixando-a em chamas.
09h03: Um segundo avião, um Boeing 767 da Americain Airlines colide com a torre sul do World Trade Center. Agora as duas torres estão em chamas.
09h18:Todos os aeroportos dos Estados Unidos, numa acção inédita, são fechados.
09h21: Autoridades portuárias da cidade de Nova York fecham todas as pontes e túneis, que dão acesso a Nova York.
09h39: O presidente George W. Bush convoca uma reunião com membros do gabinete de segurança nacional, com a presença do vice-presidente, Dick Cheney, e do governador do Estado de NY, George Pataki.
09h43: Um avião Boeing 757-200 da Americain Airlines colide com o Pentágono, em Washington. O Governo determina evacuação imediata do prédio.
09h45: A Casa Branca é evacuada.
09h51: Administração Federal de Aviação suspende pela primeira vez na história todos os voos para os EUA.
10h00: A torre sul do World Trade Center desaba. Tinha 417 metros de altura.
10h08: Agentes da CIA armam-se e preparam-se para proteger a Casa Branca.
10h10: O voo 93 da United Airlines cai em Somerset County, Pittsburgh, Pensilvânia.
10h13: A sede da ONU é evacuada.
10h22: Em Washington, os Departamentos de Estado e de Justiça são evacuados.
10h24: Administração Federal de Aviação redirecciona todos os voos vindos do exterior para o Canadá.
10h29: A torre norte do World Trade Center desaba provocando uma grande cortina de fumo e de destroços.
10h45: Governo ordena evacuação de todos os escritórios oficiais nos EUA.
10h46: O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, suspende a sua visita ao Peru.
10h48: Polícia confirma a queda de um avião em Somerset County, Pittsburgh, Pensilvânia.
11h02: O “Mayor” de Nova York, Rudolph Giuliani, pede que a população se mantenha em casa e ordena a desocupação de áreas no sul da cidade.
11h16: O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças prepara equipas especializadas em bio-terrorismo, como medida de precaução. O centro informa, no entanto, que não há nenhuma denúncia de ataques do tipo.
11h18: A American Airlines informa a queda de dois aviões da empresa: um Boeing 767, de Boston para Los Angeles, com 81 passageiros a bordo e 11 tripulantes; e um Boeing 757, de Washington para Los Angeles, com 58 passageiros e seis tripulantes.
11h20: O editor da sucursal de Londres de um jornal árabe afirma que o terrorista Osama bin Laden havia alertado, há três semanas, que ele e seus partidários fariam um ataque sem precedentes aos Estados Unidos.
11h26: A United Airlines informa que o voo 93 da companhia, vindo de Newark rumo a São Francisco , caiu na Pensilvânia. Informações não oficiais revelam que o avião foi abatido.
11h53: Eleições primárias em Nova York são adiadas.
1h54: Israel evacua todos os escritórios diplomáticos do país nos EUA.
11h59: A United Airlines confirma a queda do vôo 175, de Boston para Los Angeles, com 56 passageiros a bordo. Há informações de que todos morreram na queda.
12h15: O Serviço de Imigração decreta alerta máximo nas fronteiras dos EUA com o Canadá e com o México.
12h15: O Aeroporto Internacional de São Francisco é evacuado e fechado. O aeroporto era o destino do voo 77 da American Airlines que chocou com o World Trade Center.
12h30: A FAA (Administração Federal de Aviação) informa que 50 voos estão sobre os EUA no momento, mas nenhum deles apresenta problemas.
13h04: O presidente George W. Bush faz discurso em local desconhecido, anunciando que o governo não poupará esforços para capturar o responsável pelos atentados.
13h27: É declarado estado de emergência na cidade de Washington.
13h44: O Pentágono informa que cinco navios e dois aviões deixarão a estação naval dos EUA, no Estado da Virgínia, para assumirem posições na costa de Nova York. Os navios e aviões aumentarão as defesas das cidades de Nova York e de Washington.
13h48: O presidente dos EUA, George W. Bush, embarca no avião presidencial, Força Aérea 1, rumo a local não divulgado.
14h21: Grupos muçulmanos negam a autoria dos atentados.
14h49: Cuba condena os atentados e abre aeroportos para aviões desviados dos EUA pousarem.
15h: O “Mayor” de Nova York, Rudolph Giuliani, afirma que primeiras informações sobre mortos só sairão após 24 horas.
15h30: O congressista americano Jim Moran diz que o número de mortos pode chegar a 10 mil, somente em Nova York. O Departamento de Polícia não confirma esses números.
15h57: O temor provocado pelos ataques terroristas fazem o preço do petróleo e do ouro fechar em alta.
16h01: As Actividades desportivas são suspensas nos EUA.
16h06: O governo da Califórnia envia equipas de socorro e de buscas para a cidade de Nova York para auxiliar as forças locais nos resgates de vítimas dos escombros do World Trade Center.
16h20: EUA confirmam o terrorista Osama Bin Laden como o principal suspeito da série de atentados. Israel fecha fronteiras com Egito e com a Jordânia.
16h21: Por causa de atentados, a cotação do dólar dispara.
16h27: Novo edifício do complexo do World Trade Center começa a arder.
16h36: O subsecretário de Estado dos EUA, Richard Armitage, afirma que inspeccionou o prédio do Departamento de Estado do país e que não houve explosão de carro-bomba.
16h52: Hospitais de Nova York estão superlotados com vítimas do atentado ao World Trade Center.
16h59: O hotel Marriot, em Nova York, que fica dentro do complexo de prédios do Word Trade Center ficou com a sua estrutura bastante danificada por causa da queda dos 110 andares das duas torres. Há riscos de desabamento.
17h09: O ex-presidente dos EUA Bill Clinton, que está na Austrália, pede apoio dos americanos às medidas que o presidente George W. Bush irá tomar.
17h16: Atentados provocam congestionamento na Internet.
17h28: Edifício número sete do complexo World Trade Center desaba. Prédio número cinco começa a arder.
17h37: A americana Barbara Olson, 46, que estava em um dos aviões sequestrados que se chocou contra o World Trade Center, teria feito duas ligações para seu marido do próprio avião para avisar do sequestro.
17h57: Colónia árabe dos EUA teme represálias por causa de atentados.
17h58: Ameaça de bomba no Parlamento canadiano. Governo determina interdição do aeroporto de Ottawa.
18h05: A Disney anuncia o fecho de todos os seus parques nos EUA.
18h07: Uma explosão é registada na cidade de Cabul (capital do Afeganistão). Há suspeitas de que possa ser uma retaliação dos EUA ao país.
18h22: O governo anuncia que todas as autoridades dos EUA deixarão Washington e ficarão em locais não revelados, por medida de segurança. Bush ficará na capital para fazer um discurso ao País.
18h24: A UE (União Europeia) convoca reunião de emergência para debater medidas de segurança.
18h28: A United Airlines identifica os passageiros dos seus voos.
18h39: A NASA suspende os seus trabalhos e também evacua seu edifício.
18h40: Governo dos EUA negam ter atacado o Afeganistão como represália aos ataques terroristas que assolaram o país hoje.
18h58: Bush afirma que responsáveis pelos ataques “vão sofrer as consequências”.
19h23: Liga do Norte assume ataques na capital do Afeganistão. O grupo é oposição ao Regime Taliban.
20h24: FBI pede ajuda à população para encontrar os responsáveis pelos ataques e cria número de telefone e página na Internet para receber denúncias.
20h45: O presidente americano George Bush faz um discurso à nação em que promete encontrar os responsáveis pelos ataques e diz que amanhã os EUA voltam ao trabalho.
22h44: Após 12 horas da queda da primeira torre do WTC, o chefe de polícia de Nova York afirma que há sobreviventes entre os escombros.
22h50: Os primeiros números informam que pelo menos 800 pessoas teriam morrido no prédio do Pentágono.
22h52: A Polícia de Nova York intercepta um camião carregado de explosivos na ponte George Washington.
publicado por armando ésse às 08:53

Setembro 11 2005

Há quatro anos, os Estados Unidos da América eram vítimas do maior atentado terrorista de que há memória.
Cronologia do ataque terrorista ao WTC e Pentágono:

8h45: Um Boeing 737,da Americain Airlines choca com a torre norte do World Trade Center, em Nova York deixando-a em chamas.
09h03: Um segundo avião, um Boeing 767 da Americain Airlines colide com a torre sul do World Trade Center. Agora as duas torres estão em chamas.
09h18:Todos os aeroportos dos Estados Unidos, numa acção inédita, são fechados.
09h21: Autoridades portuárias da cidade de Nova York fecham todas as pontes e túneis, que dão acesso a Nova York.
09h39: O presidente George W. Bush convoca uma reunião com membros do gabinete de segurança nacional, com a presença do vice-presidente, Dick Cheney, e do governador do Estado de NY, George Pataki.
09h43: Um avião Boeing 757-200 da Americain Airlines colide com o Pentágono, em Washington. O Governo determina evacuação imediata do prédio.
09h45: A Casa Branca é evacuada.
09h51: Administração Federal de Aviação suspende pela primeira vez na história todos os voos para os EUA.
10h00: A torre sul do World Trade Center desaba. Tinha 417 metros de altura.
10h08: Agentes da CIA armam-se e preparam-se para proteger a Casa Branca.
10h10: O voo 93 da United Airlines cai em Somerset County, Pittsburgh, Pensilvânia.
10h13: A sede da ONU é evacuada.
10h22: Em Washington, os Departamentos de Estado e de Justiça são evacuados.
10h24: Administração Federal de Aviação redirecciona todos os voos vindos do exterior para o Canadá.
10h29: A torre norte do World Trade Center desaba provocando uma grande cortina de fumo e de destroços.
10h45: Governo ordena evacuação de todos os escritórios oficiais nos EUA.
10h46: O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, suspende a sua visita ao Peru.
10h48: Polícia confirma a queda de um avião em Somerset County, Pittsburgh, Pensilvânia.
11h02: O “Mayor” de Nova York, Rudolph Giuliani, pede que a população se mantenha em casa e ordena a desocupação de áreas no sul da cidade.
11h16: O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças prepara equipas especializadas em bio-terrorismo, como medida de precaução. O centro informa, no entanto, que não há nenhuma denúncia de ataques do tipo.
11h18: A American Airlines informa a queda de dois aviões da empresa: um Boeing 767, de Boston para Los Angeles, com 81 passageiros a bordo e 11 tripulantes; e um Boeing 757, de Washington para Los Angeles, com 58 passageiros e seis tripulantes.
11h20: O editor da sucursal de Londres de um jornal árabe afirma que o terrorista Osama bin Laden havia alertado, há três semanas, que ele e seus partidários fariam um ataque sem precedentes aos Estados Unidos.
11h26: A United Airlines informa que o voo 93 da companhia, vindo de Newark rumo a São Francisco , caiu na Pensilvânia. Informações não oficiais revelam que o avião foi abatido.
11h53: Eleições primárias em Nova York são adiadas.
1h54: Israel evacua todos os escritórios diplomáticos do país nos EUA.
11h59: A United Airlines confirma a queda do vôo 175, de Boston para Los Angeles, com 56 passageiros a bordo. Há informações de que todos morreram na queda.
12h15: O Serviço de Imigração decreta alerta máximo nas fronteiras dos EUA com o Canadá e com o México.
12h15: O Aeroporto Internacional de São Francisco é evacuado e fechado. O aeroporto era o destino do voo 77 da American Airlines que chocou com o World Trade Center.
12h30: A FAA (Administração Federal de Aviação) informa que 50 voos estão sobre os EUA no momento, mas nenhum deles apresenta problemas.
13h04: O presidente George W. Bush faz discurso em local desconhecido, anunciando que o governo não poupará esforços para capturar o responsável pelos atentados.
13h27: É declarado estado de emergência na cidade de Washington.
13h44: O Pentágono informa que cinco navios e dois aviões deixarão a estação naval dos EUA, no Estado da Virgínia, para assumirem posições na costa de Nova York. Os navios e aviões aumentarão as defesas das cidades de Nova York e de Washington.
13h48: O presidente dos EUA, George W. Bush, embarca no avião presidencial, Força Aérea 1, rumo a local não divulgado.
14h21: Grupos muçulmanos negam a autoria dos atentados.
14h49: Cuba condena os atentados e abre aeroportos para aviões desviados dos EUA pousarem.
15h: O “Mayor” de Nova York, Rudolph Giuliani, afirma que primeiras informações sobre mortos só sairão após 24 horas.
15h30: O congressista americano Jim Moran diz que o número de mortos pode chegar a 10 mil, somente em Nova York. O Departamento de Polícia não confirma esses números.
15h57: O temor provocado pelos ataques terroristas fazem o preço do petróleo e do ouro fechar em alta.
16h01: As Actividades desportivas são suspensas nos EUA.
16h06: O governo da Califórnia envia equipas de socorro e de buscas para a cidade de Nova York para auxiliar as forças locais nos resgates de vítimas dos escombros do World Trade Center.
16h20: EUA confirmam o terrorista Osama Bin Laden como o principal suspeito da série de atentados. Israel fecha fronteiras com Egito e com a Jordânia.
16h21: Por causa de atentados, a cotação do dólar dispara.
16h27: Novo edifício do complexo do World Trade Center começa a arder.
16h36: O subsecretário de Estado dos EUA, Richard Armitage, afirma que inspeccionou o prédio do Departamento de Estado do país e que não houve explosão de carro-bomba.
16h52: Hospitais de Nova York estão superlotados com vítimas do atentado ao World Trade Center.
16h59: O hotel Marriot, em Nova York, que fica dentro do complexo de prédios do Word Trade Center ficou com a sua estrutura bastante danificada por causa da queda dos 110 andares das duas torres. Há riscos de desabamento.
17h09: O ex-presidente dos EUA Bill Clinton, que está na Austrália, pede apoio dos americanos às medidas que o presidente George W. Bush irá tomar.
17h16: Atentados provocam congestionamento na Internet.
17h28: Edifício número sete do complexo World Trade Center desaba. Prédio número cinco começa a arder.
17h37: A americana Barbara Olson, 46, que estava em um dos aviões sequestrados que se chocou contra o World Trade Center, teria feito duas ligações para seu marido do próprio avião para avisar do sequestro.
17h57: Colónia árabe dos EUA teme represálias por causa de atentados.
17h58: Ameaça de bomba no Parlamento canadiano. Governo determina interdição do aeroporto de Ottawa.
18h05: A Disney anuncia o fecho de todos os seus parques nos EUA.
18h07: Uma explosão é registada na cidade de Cabul (capital do Afeganistão). Há suspeitas de que possa ser uma retaliação dos EUA ao país.
18h22: O governo anuncia que todas as autoridades dos EUA deixarão Washington e ficarão em locais não revelados, por medida de segurança. Bush ficará na capital para fazer um discurso ao País.
18h24: A UE (União Europeia) convoca reunião de emergência para debater medidas de segurança.
18h28: A United Airlines identifica os passageiros dos seus voos.
18h39: A NASA suspende os seus trabalhos e também evacua seu edifício.
18h40: Governo dos EUA negam ter atacado o Afeganistão como represália aos ataques terroristas que assolaram o país hoje.
18h58: Bush afirma que responsáveis pelos ataques “vão sofrer as consequências”.
19h23: Liga do Norte assume ataques na capital do Afeganistão. O grupo é oposição ao Regime Taliban.
20h24: FBI pede ajuda à população para encontrar os responsáveis pelos ataques e cria número de telefone e página na Internet para receber denúncias.
20h45: O presidente americano George Bush faz um discurso à nação em que promete encontrar os responsáveis pelos ataques e diz que amanhã os EUA voltam ao trabalho.
22h44: Após 12 horas da queda da primeira torre do WTC, o chefe de polícia de Nova York afirma que há sobreviventes entre os escombros.
22h50: Os primeiros números informam que pelo menos 800 pessoas teriam morrido no prédio do Pentágono.
22h52: A Polícia de Nova York intercepta um camião carregado de explosivos na ponte George Washington.
publicado por armando ésse às 08:53

Setembro 09 2005

Neftalí Ricardo Reys Basoalto, nasceu a 12 de Julho de 1904 em Parral, no Chile. De família humilde, viveu no sul do Chile, em Temuco. A sua mãe morreu alguns meses após o seu nascimento. Estudou no liceu desta cidade, entrando aos 15 anos no Instituto Pedagógico da Universidade de Santiago. Começou aos 10 anos de idade a escrever.
Quando tinha apenas 12 anos conheceu Gabriela Mistral, uma famosa poetisa chilena, que lhe deu a conhecer os escritores clássicos que iriam influenciar a sua carreira e as suas decisões políticas.
A partir de 1920 passou a usar o nome de Pablo Neruda que adoptou legalmente em 1946. Em 1921 deixou Temuco e mudou-se para a capital Santiago. Neste ano ganhou o prémio da federação chilena de estudantes de poesia com “La canción de la fiesta” e a partir daí começou a publicar poemas na revista da federação, “Clarida”.
Em 1923 escreve o seu primeiro livro, “Crepusculário”. Para cobrir as despesas desta publicação viu-se obrigado a vender o relógio que o pai lhe tinha oferecido. Em 1924 encontrou quem lhe publicasse “Viente poemas de amor y una canción desesperada”. Este trabalho foi muito bem recebido pelo público e conservou a sua popularidade ao longo dos anos. Em 1927 foi nomeado cônsul em Rangoon, Birmânia, e durante 5 anos representou o seu país na Ásia. Seguidamente viajou para Ceilão e Indonésia onde casou com a sua primeira mulher de origem holandesa. Durante estes anos na Ásia escreveu “Residencia en la tierra”.
Em 1933 foi nomeado cônsul em Buenos Aires e daí data a sua amizade com o poeta espanhol Federico García Lorca. Em 1934 foi transferido para Barcelona para e depois para Madrid onde voltou a casar, desta vez com Delia del Carril. Em 1943 volta para o Chile, recebendo grande ovação dos seus conterrâneos.
Em 1945 foi eleito senador e nos 3 anos seguintes consagrou a maior parte do seu tempo aos interesses do país. A actividade política de Neruda foi interrompida quando foi eleito um governo de direita. Pablo Neruda comunista foi obrigado a ocultar a sua ideologia. Em Fevereiro de 1948, deixa o Chile.
Mas em 1952 depois da ordem para prisão dos escritores de esquerda e figuras políticas terem sido retirados, Pablo regressa ao Chile, e casa pela terceira vez com a chilena Matilde Urrutia. Entre 1960 e 1966 tem o reconhecimento internacional e a sua poesia é traduzida em quase todas as línguas. Indicado à Presidência da República do Chile, em 1969, renuncia à honra em favor de Salvador Allende.
Participante activo na campanha vitoriosa de Salvador Allende é nomeado, após a eleição de Allende, embaixador do Chile na França. Em 1971 recebe o Prémio Nobel da Literatura.
Entre as suas obras destacam-se «A canção da festa» (1921), «Crepusculário» (1923), «Vinte poemas de amor e uma canção desesperada» (1924), «Tentativa do homem infinito» (1925), «Residência na terra» (em três volumes publicados em 1931; 1935 e 1939) «Ode a Stalingrado» (1942), «Terceira residência» (1947), «Canto geral» (1950), «Odes elementares» (1954), «Navegações e retornos» (1959), «Canção de gesta» (1960).
Morreu a 23 de Setembro de 1973 em Santiago do Chile, doze dias após, o golpe militar fascista, que ditou a queda do Governo da Unidade Popular e a morte de Salvador Allende .
publicado por armando ésse às 10:23
Tags:

Setembro 09 2005

Neftalí Ricardo Reys Basoalto, nasceu a 12 de Julho de 1904 em Parral, no Chile. De família humilde, viveu no sul do Chile, em Temuco. A sua mãe morreu alguns meses após o seu nascimento. Estudou no liceu desta cidade, entrando aos 15 anos no Instituto Pedagógico da Universidade de Santiago. Começou aos 10 anos de idade a escrever.
Quando tinha apenas 12 anos conheceu Gabriela Mistral, uma famosa poetisa chilena, que lhe deu a conhecer os escritores clássicos que iriam influenciar a sua carreira e as suas decisões políticas.
A partir de 1920 passou a usar o nome de Pablo Neruda que adoptou legalmente em 1946. Em 1921 deixou Temuco e mudou-se para a capital Santiago. Neste ano ganhou o prémio da federação chilena de estudantes de poesia com “La canción de la fiesta” e a partir daí começou a publicar poemas na revista da federação, “Clarida”.
Em 1923 escreve o seu primeiro livro, “Crepusculário”. Para cobrir as despesas desta publicação viu-se obrigado a vender o relógio que o pai lhe tinha oferecido. Em 1924 encontrou quem lhe publicasse “Viente poemas de amor y una canción desesperada”. Este trabalho foi muito bem recebido pelo público e conservou a sua popularidade ao longo dos anos. Em 1927 foi nomeado cônsul em Rangoon, Birmânia, e durante 5 anos representou o seu país na Ásia. Seguidamente viajou para Ceilão e Indonésia onde casou com a sua primeira mulher de origem holandesa. Durante estes anos na Ásia escreveu “Residencia en la tierra”.
Em 1933 foi nomeado cônsul em Buenos Aires e daí data a sua amizade com o poeta espanhol Federico García Lorca. Em 1934 foi transferido para Barcelona para e depois para Madrid onde voltou a casar, desta vez com Delia del Carril. Em 1943 volta para o Chile, recebendo grande ovação dos seus conterrâneos.
Em 1945 foi eleito senador e nos 3 anos seguintes consagrou a maior parte do seu tempo aos interesses do país. A actividade política de Neruda foi interrompida quando foi eleito um governo de direita. Pablo Neruda comunista foi obrigado a ocultar a sua ideologia. Em Fevereiro de 1948, deixa o Chile.
Mas em 1952 depois da ordem para prisão dos escritores de esquerda e figuras políticas terem sido retirados, Pablo regressa ao Chile, e casa pela terceira vez com a chilena Matilde Urrutia. Entre 1960 e 1966 tem o reconhecimento internacional e a sua poesia é traduzida em quase todas as línguas. Indicado à Presidência da República do Chile, em 1969, renuncia à honra em favor de Salvador Allende.
Participante activo na campanha vitoriosa de Salvador Allende é nomeado, após a eleição de Allende, embaixador do Chile na França. Em 1971 recebe o Prémio Nobel da Literatura.
Entre as suas obras destacam-se «A canção da festa» (1921), «Crepusculário» (1923), «Vinte poemas de amor e uma canção desesperada» (1924), «Tentativa do homem infinito» (1925), «Residência na terra» (em três volumes publicados em 1931; 1935 e 1939) «Ode a Stalingrado» (1942), «Terceira residência» (1947), «Canto geral» (1950), «Odes elementares» (1954), «Navegações e retornos» (1959), «Canção de gesta» (1960).
Morreu a 23 de Setembro de 1973 em Santiago do Chile, doze dias após, o golpe militar fascista, que ditou a queda do Governo da Unidade Popular e a morte de Salvador Allende .
publicado por armando ésse às 10:23
Tags:

Setembro 09 2005
US Secretary of State Colin Powell addresses the United Nations Security Council 05 February, 2003 at the UN in New York. Powell was unveiling evidence that Iraq is harboring weapons of mass destruction in violation of UN resolutions. AFP PHOTO/Timothy A. CLARY.
O antigo secretário de Estado norte-americano Colin Powell admitiu quinta-feira que a sua apresentação em 2003 perante a ONU sobre as armas de destruição maciça (ADM) que o Iraque alegadamente tinha foi uma "mancha" na sua reputação.
"É uma mancha porque fui eu que fiz esta apresentação em nome dos Estados Unidos perante o mundo e isso fará sempre parte da minha ficha", disse Powell numa entrevista a Barbara Walters na ABCNews.
O antigo general, que foi o Secretário de Estado do presidente George W. Bush de 2001 a início de 2005, afirmou que a recordação deste episódio lhe era agora "dolorosa".
O militar-diplomata tinha feito a 05 de Fevereiro de 2003, perante o Conselho de Segurança da ONU, uma longa apresentação do dossier que os Estados Unidos elaboraram sobre as supostas ADM do regime de Saddam Hussein.
Estes argumentos serviram para justificar a invasão do país algumas semanas depois, mas nenhuma destas armas foi encontrada.
No discurso na ONU, Powell disse que se tinha baseado em informações recebidas em breafings na CIA (central de espionagem norte- americana).
O antigo secretário do Estado norte-americano desculpou quinta- feira o então director da Agência George Tenet defendendo que ele acreditava que os elementos que fornecia a eram "exactos".
Powell declarou-se também "consternado" com o facto de alguns responsáveis dos serviços secretos norte-americanos terem, segundo ele, sabido que algumas fontes não eram credíveis.
"Mas havia algumas pessoas no seio dos serviços secretos norte- americanos que sabiam na época que essas fontes não eram boas e nada disseram. Isso deixa-me consternado", disse.
Powell disse também "não ter visto" uma ligação entre os atentados anti-americanos de 11 de Setembro de 2001 e o regime de Bagdad.
"Nunca vi prova" de que houvesse uma ligação, declarou.
publicado por armando ésse às 07:50

Setembro 09 2005
US Secretary of State Colin Powell addresses the United Nations Security Council 05 February, 2003 at the UN in New York. Powell was unveiling evidence that Iraq is harboring weapons of mass destruction in violation of UN resolutions. AFP PHOTO/Timothy A. CLARY.
O antigo secretário de Estado norte-americano Colin Powell admitiu quinta-feira que a sua apresentação em 2003 perante a ONU sobre as armas de destruição maciça (ADM) que o Iraque alegadamente tinha foi uma "mancha" na sua reputação.
"É uma mancha porque fui eu que fiz esta apresentação em nome dos Estados Unidos perante o mundo e isso fará sempre parte da minha ficha", disse Powell numa entrevista a Barbara Walters na ABCNews.
O antigo general, que foi o Secretário de Estado do presidente George W. Bush de 2001 a início de 2005, afirmou que a recordação deste episódio lhe era agora "dolorosa".
O militar-diplomata tinha feito a 05 de Fevereiro de 2003, perante o Conselho de Segurança da ONU, uma longa apresentação do dossier que os Estados Unidos elaboraram sobre as supostas ADM do regime de Saddam Hussein.
Estes argumentos serviram para justificar a invasão do país algumas semanas depois, mas nenhuma destas armas foi encontrada.
No discurso na ONU, Powell disse que se tinha baseado em informações recebidas em breafings na CIA (central de espionagem norte- americana).
O antigo secretário do Estado norte-americano desculpou quinta- feira o então director da Agência George Tenet defendendo que ele acreditava que os elementos que fornecia a eram "exactos".
Powell declarou-se também "consternado" com o facto de alguns responsáveis dos serviços secretos norte-americanos terem, segundo ele, sabido que algumas fontes não eram credíveis.
"Mas havia algumas pessoas no seio dos serviços secretos norte- americanos que sabiam na época que essas fontes não eram boas e nada disseram. Isso deixa-me consternado", disse.
Powell disse também "não ter visto" uma ligação entre os atentados anti-americanos de 11 de Setembro de 2001 e o regime de Bagdad.
"Nunca vi prova" de que houvesse uma ligação, declarou.
publicado por armando ésse às 07:50

Setembro 08 2005

Guerra, Paula Rego.
Mais de 109, 5 milhões de pessoas morreram devido a conflitos violentos no século XX, número três vezes superior a “ todos os séculos precedentes juntos”, segundo cálculos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).
Percentualmente, no século XVI morreu 0,32% da população mundial, de 493,3 milhões de pessoas, e no XVII, 1,05% dos cerca de 579 milhões de habitantes que havia no planeta.
No século XVIII a percentagem caiu para 0,92% das 757,4 milhões de pessoas que habitavam a Terra então, e no XIX voltou a subir para 1,65% do cerca de 1,1729 mil milhões de pessoas.
No entanto, no século XX a percentagem de mortos em conflitos bélicos disparou para 4,35% da população mundial, de aproximadamente 2,519 mil milhões.
Um aspecto positivo assinalado pelo relatório é que, enquanto em 1991 houve 51 conflitos violentos no mundo, em 2003 esse número foi de 29, embora as guerras sejam cada vez mais longas e sangrentas.
Por exemplo, o genocídio de Ruanda de 1994 matou cerca de um milhão de pessoas; a guerra civil da República Democrática do Congo dizimou 7% da população, e o conflito entre o Norte e o Sul do Sudão deixou sem vida aproximadamente dois milhões de habitantes e deslocou quase seis milhões.
Outra característica da evolução das guerras ao longo do tempo é que os conflitos ocorrem actualmente nos países mais pobres. Assim, uma nação com um rendimento per capita médio de 600 dólares tem a metade de risco de atravessar uma guerra civil que outra com uma média de 250 dólares.
Assim, nove dos dez países com menor Índice de Desenvolvimento Humano viveram algum conflito bélico desde 1990, e só dois deles eram democracias.
No mesmo período, tiveram conflitos violentos cinco dos dez países com a esperança de vida mais baixa, nove dos dez com maior mortalidade infantil e oito dos dez com taxa de escolaridade mais baixa.
Entre 1946 e 1989, os países em desenvolvimento com baixo rendimento per capita respondiam por cerca de um terço dos conflitos violentos. Mas entre 1990 e 2003 esse nível subiu para mais de metade.
Vivemos num mundo cada vez mais violento, não só do ponto de vista histórico. A guerra é a eliminação mais brutal do desenvolvimento humano.
publicado por armando ésse às 08:57

Setembro 08 2005

Guerra, Paula Rego.
Mais de 109, 5 milhões de pessoas morreram devido a conflitos violentos no século XX, número três vezes superior a “ todos os séculos precedentes juntos”, segundo cálculos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).
Percentualmente, no século XVI morreu 0,32% da população mundial, de 493,3 milhões de pessoas, e no XVII, 1,05% dos cerca de 579 milhões de habitantes que havia no planeta.
No século XVIII a percentagem caiu para 0,92% das 757,4 milhões de pessoas que habitavam a Terra então, e no XIX voltou a subir para 1,65% do cerca de 1,1729 mil milhões de pessoas.
No entanto, no século XX a percentagem de mortos em conflitos bélicos disparou para 4,35% da população mundial, de aproximadamente 2,519 mil milhões.
Um aspecto positivo assinalado pelo relatório é que, enquanto em 1991 houve 51 conflitos violentos no mundo, em 2003 esse número foi de 29, embora as guerras sejam cada vez mais longas e sangrentas.
Por exemplo, o genocídio de Ruanda de 1994 matou cerca de um milhão de pessoas; a guerra civil da República Democrática do Congo dizimou 7% da população, e o conflito entre o Norte e o Sul do Sudão deixou sem vida aproximadamente dois milhões de habitantes e deslocou quase seis milhões.
Outra característica da evolução das guerras ao longo do tempo é que os conflitos ocorrem actualmente nos países mais pobres. Assim, uma nação com um rendimento per capita médio de 600 dólares tem a metade de risco de atravessar uma guerra civil que outra com uma média de 250 dólares.
Assim, nove dos dez países com menor Índice de Desenvolvimento Humano viveram algum conflito bélico desde 1990, e só dois deles eram democracias.
No mesmo período, tiveram conflitos violentos cinco dos dez países com a esperança de vida mais baixa, nove dos dez com maior mortalidade infantil e oito dos dez com taxa de escolaridade mais baixa.
Entre 1946 e 1989, os países em desenvolvimento com baixo rendimento per capita respondiam por cerca de um terço dos conflitos violentos. Mas entre 1990 e 2003 esse nível subiu para mais de metade.
Vivemos num mundo cada vez mais violento, não só do ponto de vista histórico. A guerra é a eliminação mais brutal do desenvolvimento humano.
publicado por armando ésse às 08:57

Setembro 08 2005
As doenças cardíacas são a principal causa de morte entre as mulheres europeias, segundo um estudo apresentado numa conferência na Irlanda.
As doenças cardíacas são dez vezes mais frequentes que o cancro da mama, disse o professor Ian Graham, do hospital Adelaide and Meath, de Dublin, na conferência anual da Sociedade Europeia de Cardiologia.
Segundo a professora Caroline Daley, do Royal Brompton Hospital, de Londres, o estudo realizado em 32 países europeus indica que as doenças cardiovasculares contribuem para 55% da mortalidade feminina e para 43% da masculina.
O problema, afirmam especialistas, é que as mulheres têm menos probabilidades de receber um diagnóstico correcto e uma medicação adequada quando sofrem com esse tipo de doença.
Segundo Graham, as mulheres estão, além disso, muito pouco representadas nos testes de novos tratamentos contra essas doenças.
“O risco de uma mulher morrer no prazo de um ano após sofrer um primeiro ataque cardíaco é duas vezes maior do que o do homem”, explicou o professor Graham. Segundo o médico, as doenças cardíacas desenvolvem - se nas mulheres dez anos depois do que nos homens.
Em ambos os sexos, o tabaco, um alto nível de colesterol e a hipertensão aumentam o risco de sofrer de algum ataque cardiovascular.
Depois da menopausa, as mulheres que apresentam esses factores de risco têm mais riscos de desenvolver uma doença cardiovascular que os homens de mesma idade. Os riscos de morrerem também são maiores.
As probabilidades de uma mulher ser submetida a uma cirurgia cardiovascular, por outro lado, são menores. Além disso, o sexo feminino responde pior ao tratamento para desbloquear as artérias, porque geralmente a doença entre as mulheres é detectada numa idade mais avançada.
publicado por armando ésse às 06:49

Setembro 08 2005
As doenças cardíacas são a principal causa de morte entre as mulheres europeias, segundo um estudo apresentado numa conferência na Irlanda.
As doenças cardíacas são dez vezes mais frequentes que o cancro da mama, disse o professor Ian Graham, do hospital Adelaide and Meath, de Dublin, na conferência anual da Sociedade Europeia de Cardiologia.
Segundo a professora Caroline Daley, do Royal Brompton Hospital, de Londres, o estudo realizado em 32 países europeus indica que as doenças cardiovasculares contribuem para 55% da mortalidade feminina e para 43% da masculina.
O problema, afirmam especialistas, é que as mulheres têm menos probabilidades de receber um diagnóstico correcto e uma medicação adequada quando sofrem com esse tipo de doença.
Segundo Graham, as mulheres estão, além disso, muito pouco representadas nos testes de novos tratamentos contra essas doenças.
“O risco de uma mulher morrer no prazo de um ano após sofrer um primeiro ataque cardíaco é duas vezes maior do que o do homem”, explicou o professor Graham. Segundo o médico, as doenças cardíacas desenvolvem - se nas mulheres dez anos depois do que nos homens.
Em ambos os sexos, o tabaco, um alto nível de colesterol e a hipertensão aumentam o risco de sofrer de algum ataque cardiovascular.
Depois da menopausa, as mulheres que apresentam esses factores de risco têm mais riscos de desenvolver uma doença cardiovascular que os homens de mesma idade. Os riscos de morrerem também são maiores.
As probabilidades de uma mulher ser submetida a uma cirurgia cardiovascular, por outro lado, são menores. Além disso, o sexo feminino responde pior ao tratamento para desbloquear as artérias, porque geralmente a doença entre as mulheres é detectada numa idade mais avançada.
publicado por armando ésse às 06:49

mais sobre mim
Setembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
17

18
19
24

25
28
29
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO