A FÁBRICA

Novembro 25 2005

O talentoso futebolista George Best, que na década de 60 encantou os adeptos em todo o mundo com a camisola do Manchester United FC e da Irlanda do Norte, faleceu esta sexta-feira, aos 59 anos de idade, num hospital londrino.
George Best nasceu a 22 de Maio de 1946, em Belfast, Irlanda do Norte, era considerado um dos melhores jogadores de futebol da história da modalidade, e por muitos considerado o melhor jogador de sempre do Reino Unido.
Notabilizou-se enquanto jogador do Manchester United, embora o seu nome tenha ficado igualmente marcado por alguns escândalos pessoais. Best foi jogador do Manchester entre 1963 e 1974, período em que a equipa venceu dois campeonatos nacionais – 1965 e 1967 –, bem como uma taça dos Campeões Europeus, derrotando na final o Benfica, em 1968, altura em que foi premiado com o galardão de Melhor Jogador do Ano.
Nas décadas de 60 e 70, foi considerado um dos melhores jogadores do mundo, juntamente com Pelé e Eusébio.
Em onze anos no Manchester, onde se estreou a 14 de Setembro de 1963, com apenas 17 anos, George Best realizou 361 jogos e marcou 137 golos apesar de jogar a extremo direito.

Pela selecção da Irlanda do Norte, onde teve o baptismo internacional em 15 de Abril de 1964, numa vitória sobre o País de Gales por 3-2, realizou 37 partidas e apontou nove golos.
Para Sir Bobby Charlton, houve um jogo em particular que resumiu a carreira do extremo da Irlanda do Norte. Depois de ter ganho em Old Trafford ao Benfica, por 3-2, na primeira mão dos quartos-de-final da Taça dos Campeões Europeus de 1965/66, o Manchester United viajou para Portugal sabendo que podia tornar-se na primeira equipa a ganhar ao Benfica no seu estádio. “O ambiente era realmente hostil, mas, aos 15 minutos, ele já tinha acabado com o Benfica”, contou Sir Bobby. “O United tinha sofrido cinco golos naquele estádio numa visita anterior, mas Best marcou dois e regressou a casa com um ‘sombrero’ na cabeça”. O Manchester United venceu por 5-1 e qualificou-se para as meias-finais.

Best abandonou o Manchester com apenas 28 anos de idade, no auge da sua carreira, recusando-se a abdicar de um estilo de vida incompatível com o futebol profissional.Ainda jogou em Inglaterra (Fulham, Stockport e Bournemouth), Escócia (Hibernian) e Estados Unidos (última equipa foi o Tampa Bay, em 1983).
A par com os triunfos desportivos, Best acumulou uma boa dose de escândalos, muitos dos quais devido à sua dependência alcoólica. Em 1984, foi condenado a três meses de prisão por condução em estado de embriaguez e ataque a um agente da autoridade, passando o Natal atrás das grades.
No ano de 2000, o seu médico pediu publicamente para que não servissem bebidas a George Best. O jornal sensacionalista The Sun fez inclusive um póster com a sua fotografia, escrevendo uma única frase: «Não sirvam bebida a este homem».
Os problemas com o álcool continuaram até ao presente, tendo sido novamente detido em 2004 por conduzir bêbedo. George Best fora, no início do mês passado, internado na unidade de cuidados intensivos do Hospital Cromwell, na zona ocidental da capital britânica, com sintomas de gripe que derivaram para uma infecção nos rins. O seu estado de saúde melhorou no princípio de Novembro, mas a apreensão dos médicos voltou na passada semana, quando Best contraiu uma infecção nos pulmões. Faleceu hoje, aos 59 anos de idade.
Fica para a história do futebol alguém que um dia disse: “Essa coisa de eu ser um ídolo, o quinto Beatle... acho isso tão esquisito. Eu era apenas um miúdo de Cregagh Estate, em Belfast, a tentar que a minha vida como jogador e como pessoa fizesse sentido”.

publicado por armando ésse às 22:54
Tags:

Novembro 25 2005

O talentoso futebolista George Best, que na década de 60 encantou os adeptos em todo o mundo com a camisola do Manchester United FC e da Irlanda do Norte, faleceu esta sexta-feira, aos 59 anos de idade, num hospital londrino.
George Best nasceu a 22 de Maio de 1946, em Belfast, Irlanda do Norte, era considerado um dos melhores jogadores de futebol da história da modalidade, e por muitos considerado o melhor jogador de sempre do Reino Unido.
Notabilizou-se enquanto jogador do Manchester United, embora o seu nome tenha ficado igualmente marcado por alguns escândalos pessoais. Best foi jogador do Manchester entre 1963 e 1974, período em que a equipa venceu dois campeonatos nacionais – 1965 e 1967 –, bem como uma taça dos Campeões Europeus, derrotando na final o Benfica, em 1968, altura em que foi premiado com o galardão de Melhor Jogador do Ano.
Nas décadas de 60 e 70, foi considerado um dos melhores jogadores do mundo, juntamente com Pelé e Eusébio.
Em onze anos no Manchester, onde se estreou a 14 de Setembro de 1963, com apenas 17 anos, George Best realizou 361 jogos e marcou 137 golos apesar de jogar a extremo direito.

Pela selecção da Irlanda do Norte, onde teve o baptismo internacional em 15 de Abril de 1964, numa vitória sobre o País de Gales por 3-2, realizou 37 partidas e apontou nove golos.
Para Sir Bobby Charlton, houve um jogo em particular que resumiu a carreira do extremo da Irlanda do Norte. Depois de ter ganho em Old Trafford ao Benfica, por 3-2, na primeira mão dos quartos-de-final da Taça dos Campeões Europeus de 1965/66, o Manchester United viajou para Portugal sabendo que podia tornar-se na primeira equipa a ganhar ao Benfica no seu estádio. “O ambiente era realmente hostil, mas, aos 15 minutos, ele já tinha acabado com o Benfica”, contou Sir Bobby. “O United tinha sofrido cinco golos naquele estádio numa visita anterior, mas Best marcou dois e regressou a casa com um ‘sombrero’ na cabeça”. O Manchester United venceu por 5-1 e qualificou-se para as meias-finais.

Best abandonou o Manchester com apenas 28 anos de idade, no auge da sua carreira, recusando-se a abdicar de um estilo de vida incompatível com o futebol profissional.Ainda jogou em Inglaterra (Fulham, Stockport e Bournemouth), Escócia (Hibernian) e Estados Unidos (última equipa foi o Tampa Bay, em 1983).
A par com os triunfos desportivos, Best acumulou uma boa dose de escândalos, muitos dos quais devido à sua dependência alcoólica. Em 1984, foi condenado a três meses de prisão por condução em estado de embriaguez e ataque a um agente da autoridade, passando o Natal atrás das grades.
No ano de 2000, o seu médico pediu publicamente para que não servissem bebidas a George Best. O jornal sensacionalista The Sun fez inclusive um póster com a sua fotografia, escrevendo uma única frase: «Não sirvam bebida a este homem».
Os problemas com o álcool continuaram até ao presente, tendo sido novamente detido em 2004 por conduzir bêbedo. George Best fora, no início do mês passado, internado na unidade de cuidados intensivos do Hospital Cromwell, na zona ocidental da capital britânica, com sintomas de gripe que derivaram para uma infecção nos rins. O seu estado de saúde melhorou no princípio de Novembro, mas a apreensão dos médicos voltou na passada semana, quando Best contraiu uma infecção nos pulmões. Faleceu hoje, aos 59 anos de idade.
Fica para a história do futebol alguém que um dia disse: “Essa coisa de eu ser um ídolo, o quinto Beatle... acho isso tão esquisito. Eu era apenas um miúdo de Cregagh Estate, em Belfast, a tentar que a minha vida como jogador e como pessoa fizesse sentido”.

publicado por armando ésse às 22:54
Tags:

Novembro 25 2005
O jet lag é horrível mas o jet set é pior.
publicado por armando ésse às 20:38

Novembro 25 2005
O jet lag é horrível mas o jet set é pior.
publicado por armando ésse às 20:38

Novembro 25 2005

Ao longo de todo o Verão e começo do Outono de 1975, confrontaram-se duas concepções de modelo de sociedade para Portugal. Uma, de matriz europeia, sustentada numa democracia representativa; e uma segunda, importada da União Soviética, para a “sovietização” do país.
Os militares, no poder desde o 25 de Abril de 1974, dividiram-se entre os dois apelos e tornaram-se nos principais protagonistas de uma disputa que terminou com a vitória das forças moderadas, precisamente no dia 25 de Novembro de 1975, quando uma revolta iniciada por tropas pára-quedistas, que contariam, numa segunda fase, com o apoio de unidades do Exército e da Armada, foi sustida e derrotada.

O detonador involuntário do 25 de Novembro foi Vasco Lourenço. No dia 20 de Novembro tinha sido nomeado pelo Conselho da Revolução para comandante da Região Militar de Lisboa. A sua nomeação foi prontamente contestada pelos sectores político-militares influenciados quer pelo PCP quer pela extrema-esquerda. Posto em causa, o então capitão, exigiu ser reconfirmado, o que sucedeu na reunião de 24 de Novembro do Conselho da Revolução. Sem demora e sem formalidades, Vasco Lourenço tomou posse do cargo na manhã de 25 e instalou-se no Palácio de Belém.
Nesta altura, durante a madrugada, já os pára-quedistas da Base Escola de Tancos, tinham ocupado o Comando da Região Aérea de Monsanto e seis bases aéreas, na sequência de uma decisão do General Morais da Silva, CEMFA, que dias antes tinha mandado passar à disponibilidade cerca de 1000 pára-quedistas de Tancos. Detêm o general Pinho Freire e exigem a demissão de Morais da Silva.
O golpe estava na rua, logo de seguida o contra-golpe estaria em marcha.
Este acto é considerado pelos militares ligados ao Grupo dos Nove, (grupo militar liderado por Ramalho Eanes e composto por Garcia dos Santos, Gabriel Teixeira, Rocha Vieira, Loureiro dos Santos, Aurélio Trindade, Tomé Pinto, José Pimentel e José Manuel Barroco), como o indício de um golpe de estado vindo de sectores mais radicais, da esquerda.

Esses militares apoiados pelos partidos políticos moderados PS e PPD, depois do Presidente da República, General Francisco da Costa Gomes ter obtido por parte do PCP a confirmação de que não convocaria os seus militantes e apoiantes para qualquer acção de rua, decidem então intervir militarmente para controlar inequivocamente o destino político do país, recorrendo às poucas forças verdadeiramente operacionais de que o país dispunha, ou seja, o Regimento de Comandos da Amadora, comandado pelo então coronel Jaime Neves; a Força Aérea, que deslocou para a Base de Cortegaça os principais meios, a Região Militar do Norte, comandada pelo então brigadeiro Pires Veloso, que enviou para Lisboa três companhias.
Os focos de resistência foram sendo neutralizados ao longo do dia sem grande oposição dos revoltosos, verificando-se um confronto armado apenas na calçada de acesso ao Regimento de Polícia Militar, em Lisboa, em que morreram dois militares do Regimento de Comandos - o tenente José Coimbra e o aspirante José Ascenso. Testemunhos da época garantem que foram baleados pelas costas por civis armados. Na troca de tiros, foi também atingido mortalmente o furriel Joaquim Pires.
Numa mensagem ao país, feita pelo telefone e transmitida através dos estúdios do Porto da Emissora Nacional, cerca das 22 horas, o presidente da República decretou estado de sítio parcial na região de Lisboa, uma medida que restringia o direito de liberdade de reunião. Os bancos encerraram e os jornais de Lisboa não se publicaram.

No resto do país, a situação foi sempre menos tensa.A emissão da RTP passou igualmente a ser assegurada do Porto, depois de uma tentativa de um dos revoltosos em falar ao país, a pedir apoio para os revoltosos.
O clima de radicalização inerente ao PREC , chegou ao fim com o 25 de Novembro de 1975, o dia em que o país esteve a um pequeno passo da guerra civil. A consolidação da democracia chegaria a seguir, culminada com a assinatura em 1985, do tratado de adesão à CEE, onde a opção europeísta, finalmente se impôs.
publicado por armando ésse às 11:02

Novembro 25 2005

Ao longo de todo o Verão e começo do Outono de 1975, confrontaram-se duas concepções de modelo de sociedade para Portugal. Uma, de matriz europeia, sustentada numa democracia representativa; e uma segunda, importada da União Soviética, para a “sovietização” do país.
Os militares, no poder desde o 25 de Abril de 1974, dividiram-se entre os dois apelos e tornaram-se nos principais protagonistas de uma disputa que terminou com a vitória das forças moderadas, precisamente no dia 25 de Novembro de 1975, quando uma revolta iniciada por tropas pára-quedistas, que contariam, numa segunda fase, com o apoio de unidades do Exército e da Armada, foi sustida e derrotada.

O detonador involuntário do 25 de Novembro foi Vasco Lourenço. No dia 20 de Novembro tinha sido nomeado pelo Conselho da Revolução para comandante da Região Militar de Lisboa. A sua nomeação foi prontamente contestada pelos sectores político-militares influenciados quer pelo PCP quer pela extrema-esquerda. Posto em causa, o então capitão, exigiu ser reconfirmado, o que sucedeu na reunião de 24 de Novembro do Conselho da Revolução. Sem demora e sem formalidades, Vasco Lourenço tomou posse do cargo na manhã de 25 e instalou-se no Palácio de Belém.
Nesta altura, durante a madrugada, já os pára-quedistas da Base Escola de Tancos, tinham ocupado o Comando da Região Aérea de Monsanto e seis bases aéreas, na sequência de uma decisão do General Morais da Silva, CEMFA, que dias antes tinha mandado passar à disponibilidade cerca de 1000 pára-quedistas de Tancos. Detêm o general Pinho Freire e exigem a demissão de Morais da Silva.
O golpe estava na rua, logo de seguida o contra-golpe estaria em marcha.
Este acto é considerado pelos militares ligados ao Grupo dos Nove, (grupo militar liderado por Ramalho Eanes e composto por Garcia dos Santos, Gabriel Teixeira, Rocha Vieira, Loureiro dos Santos, Aurélio Trindade, Tomé Pinto, José Pimentel e José Manuel Barroco), como o indício de um golpe de estado vindo de sectores mais radicais, da esquerda.

Esses militares apoiados pelos partidos políticos moderados PS e PPD, depois do Presidente da República, General Francisco da Costa Gomes ter obtido por parte do PCP a confirmação de que não convocaria os seus militantes e apoiantes para qualquer acção de rua, decidem então intervir militarmente para controlar inequivocamente o destino político do país, recorrendo às poucas forças verdadeiramente operacionais de que o país dispunha, ou seja, o Regimento de Comandos da Amadora, comandado pelo então coronel Jaime Neves; a Força Aérea, que deslocou para a Base de Cortegaça os principais meios, a Região Militar do Norte, comandada pelo então brigadeiro Pires Veloso, que enviou para Lisboa três companhias.
Os focos de resistência foram sendo neutralizados ao longo do dia sem grande oposição dos revoltosos, verificando-se um confronto armado apenas na calçada de acesso ao Regimento de Polícia Militar, em Lisboa, em que morreram dois militares do Regimento de Comandos - o tenente José Coimbra e o aspirante José Ascenso. Testemunhos da época garantem que foram baleados pelas costas por civis armados. Na troca de tiros, foi também atingido mortalmente o furriel Joaquim Pires.
Numa mensagem ao país, feita pelo telefone e transmitida através dos estúdios do Porto da Emissora Nacional, cerca das 22 horas, o presidente da República decretou estado de sítio parcial na região de Lisboa, uma medida que restringia o direito de liberdade de reunião. Os bancos encerraram e os jornais de Lisboa não se publicaram.

No resto do país, a situação foi sempre menos tensa.A emissão da RTP passou igualmente a ser assegurada do Porto, depois de uma tentativa de um dos revoltosos em falar ao país, a pedir apoio para os revoltosos.
O clima de radicalização inerente ao PREC , chegou ao fim com o 25 de Novembro de 1975, o dia em que o país esteve a um pequeno passo da guerra civil. A consolidação da democracia chegaria a seguir, culminada com a assinatura em 1985, do tratado de adesão à CEE, onde a opção europeísta, finalmente se impôs.
publicado por armando ésse às 11:02

Novembro 24 2005

O dia 24 de Novembro foi escolhido para Dia Nacional da Cultura Cientifica, porque é o dia do nascimento de um personagem singular do século 20 português: Rómulo de Carvalho / António Gedeão.
Rómulo Vasco da Gama de Carvalho nasceu em 24 de Novembro de 1906. Teve um papel importante na divulgação de temas científicos, colaborando em revistas da especialidade e organizando obras no campo da história das ciências e das instituições, como A Actividade Pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos Séculos XVIII e XIX. Publicou ainda outros estudos, como História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1959), O Sentido Científico em Bocage (1965) e Relações entre Portugal e a Rússia no Século XVIII (1979).
Revelou-se como poeta apenas em 1956, com a obra Movimento Perpétuo. A esta viriam juntar-se outras obras, como Teatro do Mundo (1958), Máquina de Fogo (1961), Poema para Galileu (1964), Linhas de Força (1967) e ainda Poemas Póstumos (1983) e Novos Poemas Póstumos (1990). Na sua poesia, reunida também em Poesias Completas (1964), as fontes de inspiração são heterogéneas e equilibradas de modo original pelo homem que, com um rigor científico, nos comunica o sofrimento alheio, ou a constatação da solidão humana, muitas vezes com surpreendente ironia. Alguns dos seus textos poéticos foram aproveitados para músicas de intervenção.
Em 1963 publicou a peça de teatro RTX 78/24 (1963) e dez anos depois a sua primeira obra de ficção, A Poltrona e Outras Novelas (1973). Na data do seu nonagésimo aniversário, António Gedeão foi alvo de uma homenagem nacional, tendo sido condecorado, a 17 de Dezembro de 1996, com a Grã Cruz da Ordem de Mérito de Santiago da Espada. A 18 de Dezembro de 1996, foi-lhe atribuída, pelo Ministro da Cultura, a Medalha de Mérito Cultural, na Fundação Calouste Gulbenkian.
Faleceu em Lisboa, a 19 de Fevereiro de 1997.
publicado por armando ésse às 14:12
Tags:

Novembro 24 2005

O dia 24 de Novembro foi escolhido para Dia Nacional da Cultura Cientifica, porque é o dia do nascimento de um personagem singular do século 20 português: Rómulo de Carvalho / António Gedeão.
Rómulo Vasco da Gama de Carvalho nasceu em 24 de Novembro de 1906. Teve um papel importante na divulgação de temas científicos, colaborando em revistas da especialidade e organizando obras no campo da história das ciências e das instituições, como A Actividade Pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos Séculos XVIII e XIX. Publicou ainda outros estudos, como História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1959), O Sentido Científico em Bocage (1965) e Relações entre Portugal e a Rússia no Século XVIII (1979).
Revelou-se como poeta apenas em 1956, com a obra Movimento Perpétuo. A esta viriam juntar-se outras obras, como Teatro do Mundo (1958), Máquina de Fogo (1961), Poema para Galileu (1964), Linhas de Força (1967) e ainda Poemas Póstumos (1983) e Novos Poemas Póstumos (1990). Na sua poesia, reunida também em Poesias Completas (1964), as fontes de inspiração são heterogéneas e equilibradas de modo original pelo homem que, com um rigor científico, nos comunica o sofrimento alheio, ou a constatação da solidão humana, muitas vezes com surpreendente ironia. Alguns dos seus textos poéticos foram aproveitados para músicas de intervenção.
Em 1963 publicou a peça de teatro RTX 78/24 (1963) e dez anos depois a sua primeira obra de ficção, A Poltrona e Outras Novelas (1973). Na data do seu nonagésimo aniversário, António Gedeão foi alvo de uma homenagem nacional, tendo sido condecorado, a 17 de Dezembro de 1996, com a Grã Cruz da Ordem de Mérito de Santiago da Espada. A 18 de Dezembro de 1996, foi-lhe atribuída, pelo Ministro da Cultura, a Medalha de Mérito Cultural, na Fundação Calouste Gulbenkian.
Faleceu em Lisboa, a 19 de Fevereiro de 1997.
publicado por armando ésse às 14:12
Tags:

Novembro 24 2005

Muralha defensiva contínua que se estende desde Gansu ocidental até ao golfo de Liaodong (2250 km). A muralha foi em tempos ainda mais longa.
Construída pela dinastia Qin, segundo as ordens Qin Shihuang, o Imperador que uniu a China a partir de 214 a.C. para evitar incursões dos turcos e dos mongóis, o seu período inicial de edificação durou dez anos. Nas dinastias Ming (1368-1644) e Qing (1644-1911) foram-lhe acrescentadas novas secções.
Esta muralha de terra e pedras com uma série de torres de vigia tem vindo a ser sujeita a uma cuidadosa manutenção. A sua altura varia entre um, três e oito metros e a sua largura varia entre os quatro e os seis metros.

Esta construção é a maior fortificação do planeta e está classificada como «Património Mundial», pela UNESCO.
Em finais de 2000, descobertas arqueológicas levaram a concluir que a Grande Muralha tem mais 500 quilómetros do que inicialmente se pensava. As últimas descobertas mostram que a Grande Muralha se estende até à Região Autónoma de Xinjiang, não acabando em Jiayu, na província de Gansu, como era aceite até agora.
Assim, em vez dos 6700 quilómetros de comprimento, o monumento chinês tem cerca de 7200 quilómetros, serpenteando por montes e vales desde o Mar Amarelo, na costa Norte da China, até à região desértica de Lop Nur, no coração da Ásia Central.
A secção agora descoberta foi construído com areia e ramos de árvores, e não em tijolo, como noutras regiões, mas a arquitectura e função eram idênticas às secções da Grande Muralha já conhecidas.
Segundo os arqueólogos, estes 500 quilómetros terão sido construídos por cerca de 600 mil trabalhadores durante a dinastia Han, que governou a China desde 206 AC até 220 DC, e tinham como objectivo proteger as caravanas de mercadores que circulavam pela «Rota da Seda», um trajecto histórico que ligava a China ao Império Romano através da Ásia Central. Muitos dos trabalhadores acabaram por ficar sepultados entre os muros de lascas de rocha, terra e paliçadas de madeira, que erguiam de mãos nuas ou apenas com a ajuda de ferramentas arcaicas. Apenas a parte oriental da muralha, que se estende do Pacífico até aos confins da Ásia Central, foi construída em tijolos.
publicado por armando ésse às 12:43

Novembro 24 2005

Muralha defensiva contínua que se estende desde Gansu ocidental até ao golfo de Liaodong (2250 km). A muralha foi em tempos ainda mais longa.
Construída pela dinastia Qin, segundo as ordens Qin Shihuang, o Imperador que uniu a China a partir de 214 a.C. para evitar incursões dos turcos e dos mongóis, o seu período inicial de edificação durou dez anos. Nas dinastias Ming (1368-1644) e Qing (1644-1911) foram-lhe acrescentadas novas secções.
Esta muralha de terra e pedras com uma série de torres de vigia tem vindo a ser sujeita a uma cuidadosa manutenção. A sua altura varia entre um, três e oito metros e a sua largura varia entre os quatro e os seis metros.

Esta construção é a maior fortificação do planeta e está classificada como «Património Mundial», pela UNESCO.
Em finais de 2000, descobertas arqueológicas levaram a concluir que a Grande Muralha tem mais 500 quilómetros do que inicialmente se pensava. As últimas descobertas mostram que a Grande Muralha se estende até à Região Autónoma de Xinjiang, não acabando em Jiayu, na província de Gansu, como era aceite até agora.
Assim, em vez dos 6700 quilómetros de comprimento, o monumento chinês tem cerca de 7200 quilómetros, serpenteando por montes e vales desde o Mar Amarelo, na costa Norte da China, até à região desértica de Lop Nur, no coração da Ásia Central.
A secção agora descoberta foi construído com areia e ramos de árvores, e não em tijolo, como noutras regiões, mas a arquitectura e função eram idênticas às secções da Grande Muralha já conhecidas.
Segundo os arqueólogos, estes 500 quilómetros terão sido construídos por cerca de 600 mil trabalhadores durante a dinastia Han, que governou a China desde 206 AC até 220 DC, e tinham como objectivo proteger as caravanas de mercadores que circulavam pela «Rota da Seda», um trajecto histórico que ligava a China ao Império Romano através da Ásia Central. Muitos dos trabalhadores acabaram por ficar sepultados entre os muros de lascas de rocha, terra e paliçadas de madeira, que erguiam de mãos nuas ou apenas com a ajuda de ferramentas arcaicas. Apenas a parte oriental da muralha, que se estende do Pacífico até aos confins da Ásia Central, foi construída em tijolos.
publicado por armando ésse às 12:43

mais sobre mim
Novembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16
17
18
19

20
21
22
23
26

27


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO