A FÁBRICA

Junho 24 2006

...e dê uma ajuda à música portuguesa.
"Sempre que sacas uma música estás a contribuir para que os nossos concertos acabem".
D'zrt.
publicado por armando ésse às 15:32

Junho 24 2006

...e dê uma ajuda à música portuguesa.
"Sempre que sacas uma música estás a contribuir para que os nossos concertos acabem".
D'zrt.
publicado por armando ésse às 15:32

Junho 23 2006

O atacante Ronaldo igualou ontem o alemão Gerd Müller como o melhor marcador da história dos Campeonatos do Mundo, ao fazer dois golos na vitória do Brasil, por 4 a 1 contra o Japão, em Dortmund, na última jornada do Grupo F na competição.
O jogador do Real Madrid marcou o primeiro e o quarto golo da selecção na goleada sobre os japoneses. Com isso, o atacante Ronaldo chegou à marca de 14 golos e igualou o alemão Müller, que havia marcado por dez vezes no Mundial do México em 1970 e quatro no Mundial da Alemanha em 1974.
Além dos dois golos marcados ontem na partida diante do Japão, Ronaldo foi o goleador do Mundial Coreia-Japão em 2002 com oito golos, e fez mais quatro na edição de 1998, em França.
Na partida em Dortmund, o avançado do Brasil deixou para trás na tabela dos melhores goleadores em Mundiais o francês Just Fontaine, que soma 13 golos, todos no Mundial da Suécia em 1958 e Pelé, que totaliza 12, em quatro edições do torneio.
Lista dos melhores marcadores da história dos Mundiais:
.1. Gerd Müller (ALE) 14 + Ronaldo (BRA) 14 .
2. Just Fontaine (FRA) 13 .
3. Pelé (BRA) 12 .
4. Sandor Kocsis (HUN) 11 .+. Juergen Klinsmann (ALE) 11 .
5. Helmut Rahn (ALE) 10 .+. Teófilo Cubillas (PER) 10 .+. Grzegorz Lato (POL) 10 .+. Gary Lineker (ING) 10 .+. Gabriel Batistuta (ARG) 10.
6. Eusébio (POR) 9.
publicado por armando ésse às 07:41

Junho 23 2006

O atacante Ronaldo igualou ontem o alemão Gerd Müller como o melhor marcador da história dos Campeonatos do Mundo, ao fazer dois golos na vitória do Brasil, por 4 a 1 contra o Japão, em Dortmund, na última jornada do Grupo F na competição.
O jogador do Real Madrid marcou o primeiro e o quarto golo da selecção na goleada sobre os japoneses. Com isso, o atacante Ronaldo chegou à marca de 14 golos e igualou o alemão Müller, que havia marcado por dez vezes no Mundial do México em 1970 e quatro no Mundial da Alemanha em 1974.
Além dos dois golos marcados ontem na partida diante do Japão, Ronaldo foi o goleador do Mundial Coreia-Japão em 2002 com oito golos, e fez mais quatro na edição de 1998, em França.
Na partida em Dortmund, o avançado do Brasil deixou para trás na tabela dos melhores goleadores em Mundiais o francês Just Fontaine, que soma 13 golos, todos no Mundial da Suécia em 1958 e Pelé, que totaliza 12, em quatro edições do torneio.
Lista dos melhores marcadores da história dos Mundiais:
.1. Gerd Müller (ALE) 14 + Ronaldo (BRA) 14 .
2. Just Fontaine (FRA) 13 .
3. Pelé (BRA) 12 .
4. Sandor Kocsis (HUN) 11 .+. Juergen Klinsmann (ALE) 11 .
5. Helmut Rahn (ALE) 10 .+. Teófilo Cubillas (PER) 10 .+. Grzegorz Lato (POL) 10 .+. Gary Lineker (ING) 10 .+. Gabriel Batistuta (ARG) 10.
6. Eusébio (POR) 9.
publicado por armando ésse às 07:41

Junho 22 2006

De acordo com um inquérito aos fãs de futebol levado a cabo pelo Yahoo!, o controverso golo de Diego Maradona marcado com a “Mão de Deus” contra a Inglaterra, em 1986, é o momento mais recordado da história do Mundial de Futebol.
O inquérito, patrocinado pela Philips, questionou 4.500 adeptos de futebol na Argentina, Brasil, México, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, França, Espanha e Holanda, sobre vários temas relativos ao Mundial de Futebol, antecipando o próximo Campeonato que se disputa na Alemanha e do qual a Philips é Patrocinador Oficial.
45% dos inquiridos consideraram o golo do jogador argentino contra a selecção da Inglaterra em 1986 como o momento mais memorável dos Campeonatos do Mundo. Este exemplo recolheu maioria de votos em países como a Argentina, Brasil, México e Itália.

Passam hoje vinte anos.
Certamente este foi um dos golos mais famosos da carreira do polémico génio argentino. A partida, válida para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo de 1986, no México, estava cercada de expectativas. Poucos anos antes, Inglaterra e Argentina tinham- se envolvido num conflito armado pela posse das Ilhas Malvinas.
Liderando uma selecção visivelmente limitada, Maradona era a maior fonte de preocupações da Selecção Inglesa. Com marcação especial, a selecção britânica vinha conseguindo segurar o jogador argentino até o sexto minuto do segundo tempo.
Porém após uma tabela entre Maradona e o atacante Valdano, um recuo errado do defesa central Peter Reid propiciou ao craque argentino ter condições de disputar uma bola aérea com o guarda-redes inglês Peter Shilton.
Contudo, Peter Shilton estava melhor colocado e a bola estava dentro da área, onde ele poderia se antecipar usando o braço. Surpreendendo Shilton, Maradona aproveitou-se do posicionamento que encobria a visão do árbitro tunisino Ben Naceur e esticou a mão, fazendo um “chapéu” ao guarda-redes e marcando o golo que abriria o caminho para a vitória.
Os jogadores ingleses correram para o árbitro certos de que ele anularia o golo. Só a diferença de estatura entre Shilton e Maradona já era o suficiente para concluir que Maradona não podia alcançar a bola sem usar o braço. Mas Naceur olhou para o seu auxiliar, que validou o golo.
O episódio destabilizou a equipa inglesa, que ainda veria Maradona marcar mais um, desta vez um golo legal, considerado o mais bonito golo de toda a história dos Mundiais.A uma pergunta sobre o lance após o jogo, Maradona limitou-se a responder: “Este golo foi feito pela cabeça de Maradona e a mão de Deus”.

Data: 22 de Junho de 1986

Assistência:114580 espectadores.

Argentina 2 – 1 Inglaterra

Local: Estádio Azteca, na Cidade do México.

Argentina: Pumpido; Cuciuffo, Brown, Ruggeri, Olarticoechea; Batista, Giusti, Burruchaga (Tapia) e Enrique; Valdano e Maradona.

Inglaterra: Shilton ; G.M.Stevens, Butcher, Fenwick e Sansom; Hoddle, Steven (Barnes), Reid (Waddle) e Hodge; Lineker e Beardsley.

Golos: Maradona aos 51 e aos 54 minutos; Lineker aos 80 minutos.
publicado por armando ésse às 07:51

Junho 22 2006

De acordo com um inquérito aos fãs de futebol levado a cabo pelo Yahoo!, o controverso golo de Diego Maradona marcado com a “Mão de Deus” contra a Inglaterra, em 1986, é o momento mais recordado da história do Mundial de Futebol.
O inquérito, patrocinado pela Philips, questionou 4.500 adeptos de futebol na Argentina, Brasil, México, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, França, Espanha e Holanda, sobre vários temas relativos ao Mundial de Futebol, antecipando o próximo Campeonato que se disputa na Alemanha e do qual a Philips é Patrocinador Oficial.
45% dos inquiridos consideraram o golo do jogador argentino contra a selecção da Inglaterra em 1986 como o momento mais memorável dos Campeonatos do Mundo. Este exemplo recolheu maioria de votos em países como a Argentina, Brasil, México e Itália.

Passam hoje vinte anos.
Certamente este foi um dos golos mais famosos da carreira do polémico génio argentino. A partida, válida para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo de 1986, no México, estava cercada de expectativas. Poucos anos antes, Inglaterra e Argentina tinham- se envolvido num conflito armado pela posse das Ilhas Malvinas.
Liderando uma selecção visivelmente limitada, Maradona era a maior fonte de preocupações da Selecção Inglesa. Com marcação especial, a selecção britânica vinha conseguindo segurar o jogador argentino até o sexto minuto do segundo tempo.
Porém após uma tabela entre Maradona e o atacante Valdano, um recuo errado do defesa central Peter Reid propiciou ao craque argentino ter condições de disputar uma bola aérea com o guarda-redes inglês Peter Shilton.
Contudo, Peter Shilton estava melhor colocado e a bola estava dentro da área, onde ele poderia se antecipar usando o braço. Surpreendendo Shilton, Maradona aproveitou-se do posicionamento que encobria a visão do árbitro tunisino Ben Naceur e esticou a mão, fazendo um “chapéu” ao guarda-redes e marcando o golo que abriria o caminho para a vitória.
Os jogadores ingleses correram para o árbitro certos de que ele anularia o golo. Só a diferença de estatura entre Shilton e Maradona já era o suficiente para concluir que Maradona não podia alcançar a bola sem usar o braço. Mas Naceur olhou para o seu auxiliar, que validou o golo.
O episódio destabilizou a equipa inglesa, que ainda veria Maradona marcar mais um, desta vez um golo legal, considerado o mais bonito golo de toda a história dos Mundiais.A uma pergunta sobre o lance após o jogo, Maradona limitou-se a responder: “Este golo foi feito pela cabeça de Maradona e a mão de Deus”.

Data: 22 de Junho de 1986

Assistência:114580 espectadores.

Argentina 2 – 1 Inglaterra

Local: Estádio Azteca, na Cidade do México.

Argentina: Pumpido; Cuciuffo, Brown, Ruggeri, Olarticoechea; Batista, Giusti, Burruchaga (Tapia) e Enrique; Valdano e Maradona.

Inglaterra: Shilton ; G.M.Stevens, Butcher, Fenwick e Sansom; Hoddle, Steven (Barnes), Reid (Waddle) e Hodge; Lineker e Beardsley.

Golos: Maradona aos 51 e aos 54 minutos; Lineker aos 80 minutos.
publicado por armando ésse às 07:51

Junho 21 2006

Portugal é um dos seis países da União Europeia onde mais de metade da população não tem quaisquer competências informáticas básicas. A nível global, os números são igualmente significativos mais de um terço da população europeia (37%) tem conhecimentos nulos de informática. Estes resultados obtidos pelo Eurostat, o instituto de estatística da UE, são uma má notícia para os responsáveis europeus, que perspectivam uma economia competitiva baseada na inovação.
De acordo com o estudo realizado pelo Eurostat relativo ao ano 2005, a Itália, a Grécia, a Hungria, Portugal e Chipre são os países com os maiores índices de desconhecimento informático na Europa. Pelo contrário, são essencialmente os países nórdicos que apresentam os melhores indicadores, surgindo em primeiro lugar a Dinamarca, a Suécia e o Luxemburgo. Em Portugal, este “analfabetismo informático” atinge 54% da população, que é considerada incompetente de acordo com os seis critérios utilizados pelo Eurostat para medir tais capacidades.
O estudo avaliou a capacidade de usar um “rato” para lançar programas como os que permitem aceder à Internet ou utilizar o processamento de texto “Word”; copiar ou mover um ficheiro; copiar, duplicar ou transferir informação; efectuar operações básicas de aritmética (subtracção, adição, divisão e multiplicação); comprimir ficheiros; ou ainda escrever um programa de computador usando linguagem especializada. Mas a idade tem uma importância fundamental nestes resultados. Do total de portugueses totalmente incompetentes na matéria, apenas 13% pertencem ao grupo etário dos 16-24 anos, enquanto 49% integram o grupo dos 25-54 anos.
Em Portugal, como noutros estados-membros, a educação também é factor determinante das competências informáticas. Só 1% dos estudantes e 5% dos cidadãos com um grau de educação superior e se revelam incompetentes. Em contrapartida, os desempregados portugueses registam um índice elevado, 57%, de iliteracia informática.Piores que os portugueses, estão os gregos (dos quais 65% não sabem usar um computador), italianos (59%) e húngaros (57%). Chipre e Lituânia apresentam taxas de iliteracia informática de 54 e 53%, respectivamente.
No extremo oposto, aparecem Dinamarca, Suécia, Luxemburgo, Alemanha e Reino Unido onde só menos de um quarto da população se encontra nessa situação.No conjunto da UE-25, mais de um terço da população não tem quaisquer competências na matéria, com diferenças assinaláveis entre gerações e entre grupos sociais. Em média, 65% dos idosos (entre 55 e 74 anos) não sabem usar o computador, embora a percentagem de iliteratos varie entre 93% na Grécia e 27% na Dinamarca e Suécia. Não foram disponibilizados dados relativos aos idosos portugueses.
O Eurostat também quantifica a percentagem de população com um elevado nível de conhecimentos informáticos. Aqui a média europeia é de apenas 22%, contra 42% no Luxemburgo e 39% na Dinamarca e 32% na Suécia.
Em Portugal, a distribuição da população com maiores conhecimentos informáticos é notória em particular na escalão dos 16-24 anos (42%) e entre os estudantes (65%) e os detentores de graus superiores (63%). Em termos gerais, 21%da população portuguesa revela bons conhecimentos nesta área. O estudo do Eurostat foi realizado sem os dados de oito países da UE (França, Espanha, Bélgica, Irlanda, República Checa, Malta, Holanda e Finlândia), tidos como fortes em conhecimentos informáticos, mas representa 60% da população europeia. JN.
publicado por armando ésse às 07:45

Junho 21 2006

Portugal é um dos seis países da União Europeia onde mais de metade da população não tem quaisquer competências informáticas básicas. A nível global, os números são igualmente significativos mais de um terço da população europeia (37%) tem conhecimentos nulos de informática. Estes resultados obtidos pelo Eurostat, o instituto de estatística da UE, são uma má notícia para os responsáveis europeus, que perspectivam uma economia competitiva baseada na inovação.
De acordo com o estudo realizado pelo Eurostat relativo ao ano 2005, a Itália, a Grécia, a Hungria, Portugal e Chipre são os países com os maiores índices de desconhecimento informático na Europa. Pelo contrário, são essencialmente os países nórdicos que apresentam os melhores indicadores, surgindo em primeiro lugar a Dinamarca, a Suécia e o Luxemburgo. Em Portugal, este “analfabetismo informático” atinge 54% da população, que é considerada incompetente de acordo com os seis critérios utilizados pelo Eurostat para medir tais capacidades.
O estudo avaliou a capacidade de usar um “rato” para lançar programas como os que permitem aceder à Internet ou utilizar o processamento de texto “Word”; copiar ou mover um ficheiro; copiar, duplicar ou transferir informação; efectuar operações básicas de aritmética (subtracção, adição, divisão e multiplicação); comprimir ficheiros; ou ainda escrever um programa de computador usando linguagem especializada. Mas a idade tem uma importância fundamental nestes resultados. Do total de portugueses totalmente incompetentes na matéria, apenas 13% pertencem ao grupo etário dos 16-24 anos, enquanto 49% integram o grupo dos 25-54 anos.
Em Portugal, como noutros estados-membros, a educação também é factor determinante das competências informáticas. Só 1% dos estudantes e 5% dos cidadãos com um grau de educação superior e se revelam incompetentes. Em contrapartida, os desempregados portugueses registam um índice elevado, 57%, de iliteracia informática.Piores que os portugueses, estão os gregos (dos quais 65% não sabem usar um computador), italianos (59%) e húngaros (57%). Chipre e Lituânia apresentam taxas de iliteracia informática de 54 e 53%, respectivamente.
No extremo oposto, aparecem Dinamarca, Suécia, Luxemburgo, Alemanha e Reino Unido onde só menos de um quarto da população se encontra nessa situação.No conjunto da UE-25, mais de um terço da população não tem quaisquer competências na matéria, com diferenças assinaláveis entre gerações e entre grupos sociais. Em média, 65% dos idosos (entre 55 e 74 anos) não sabem usar o computador, embora a percentagem de iliteratos varie entre 93% na Grécia e 27% na Dinamarca e Suécia. Não foram disponibilizados dados relativos aos idosos portugueses.
O Eurostat também quantifica a percentagem de população com um elevado nível de conhecimentos informáticos. Aqui a média europeia é de apenas 22%, contra 42% no Luxemburgo e 39% na Dinamarca e 32% na Suécia.
Em Portugal, a distribuição da população com maiores conhecimentos informáticos é notória em particular na escalão dos 16-24 anos (42%) e entre os estudantes (65%) e os detentores de graus superiores (63%). Em termos gerais, 21%da população portuguesa revela bons conhecimentos nesta área. O estudo do Eurostat foi realizado sem os dados de oito países da UE (França, Espanha, Bélgica, Irlanda, República Checa, Malta, Holanda e Finlândia), tidos como fortes em conhecimentos informáticos, mas representa 60% da população europeia. JN.
publicado por armando ésse às 07:45

Junho 19 2006

Roald Engelbregt Grauning Amundsen, nasceu em 16 de Julho de 1872, perto de Oslo, Noruega e deixou a sua marca na era heróica das expedições antárcticas como um dos mais bem sucedidos exploradores polares. A sua carreira de aventuras começou aos 15 anos, quando abandonou os estudos medicina, para se juntar à expedição belga à Antártida em 1899,comandada por Adrien de Gerlache, esta expedição foi a primeira a passar um Inverno na Antártida. Mais tarde, Amundsen tornou-se o primeiro a atravessar a famosa Passagem do Noroeste, no seu navio “Gjoa”, entre 1903 / 1906. Após esta expedição, Amundsen estabeleceu os planos para alcançar o Pólo Norte, a bordo do famoso navio de Nansen, o “Fram”. Porém, a notícia do sucesso de Peary da chegada ao Pólo Norte fez com que ele mudasse o seu objectivo.
“O Pólo Norte foi alcançado”, era a notícia que se espalhou por todo o mundo como um relâmpago. Robert E. Peary tinha alcançado o Pólo Norte em 6 de Abril de 1909 mas só em Setembro de 1909 a noticia chegou a Amundsen. O plano original para a terceira viagem do “Fram” – a exploração da calote polar norte – foi rapidamente deixado de lado. Para salvar a expedição, Amundsen imediatamente voltou a sua atenção para o Sul, enquanto enfatizava aos seus financiadores que a viagem do “Fram” ao Árctico seria, de todo modo, uma expedição científica, e não teria nenhum propósito de quebrar recordes. Daí por diante, tanto quanto os patrocinadores estavam cientes, a viagem de Amundsen ao Árctico não seria influenciada de nenhuma maneira pelo sucesso de Peary. Como ele estava tão endividado, sentiu que deveria manter os seus planos de dirigir-se ao Pólo Sul em segredo.
Amundsen escreveu: “Eu sei que tenho sido reprovado por não ter esclarecido os meus planos publicamente ao menos uma vez, de maneira que, não apenas os meus patrocinadores, mas também os exploradores que se preparavam para seguir para as mesmas regiões tivessem conhecimento deles. Eu estava bem ciente de que essas críticas viriam e, daí por diante, sempre pesei cuidadosamente este lado da questão”.Também achou importante manter as suas intenções secretas para os colegas exploradores: “... Nem senti grandes escrúpulos em relação às outras expedições antárcticas que estavam a ser planeadas naquela época. Eu sabia que poderia informar o Capitão Scott da extensão de meus preparativos antes que ele deixasse a civilização, e então, alguns meses a mais ou a menos não poderiam ser de grande importância. Os planos e equipamentos de Scott eram tão diferentes dos meus próprios, que eu considerei o telegrama que lhe mandei mais tarde, com a informação de que estávamos de partida para a região antárctica, mais como um acto de cortesia do que como uma comunicação que pudesse fazê-lo alterar os seus planos no mais ínfimo grau. A expedição britânica foi planeada exclusivamente para fins de pesquisa científica. O Pólo Sul era apenas um objectivo secundário, enquanto no meu plano era o objectivo principal”.
A intenção de Scott de tentar alcançar o Pólo Sul era amplamente conhecida, e certamente não era um objectivo secundário. Amundsen admitia que estava endividado, e sabia que a melhor maneira de conseguir dinheiro, para pagar as dívidas, seria alcançar um triunfo espectacular. Escreveu; “Se, àquela altura, eu tivesse tornado os meus planos públicos, somente teria dado ocasião para uma grande polémica pelos jornais, e possivelmente teria matado o meu projecto à nascença. Tudo tinha que ser aprontado rápida e calmamente. O meu irmão, em cuja absoluta discrição eu podia confiar cegamente, foi a única pessoa a quem eu confiei o segredo da minha mudança de planos, e ele fez muitos serviços importantes durante o tempo em que somente nós, dividimos este conhecimento. O outro homem a saber da mudança de planos foi o comandante do navio, Tenente Thorvald Nielsen. Amundsen manteve seus planos tão secretos, que apenas estes dois homens, juntamente com os Tenentes Prestrud e Gjertsen, sabiam deles antes que o “Fram” alcançasse a Ilha da Madeira, ostensivamente em rota para Buenos Aires, de onde partiria rumo ao Norte, para o Árctico. A viagem até a Ilha da Madeira tinha, supostamente, o propósito de pesquisa oceanográfica.
Os noruegueses deixaram Oslo, na Noruega, a 9 de Agosto de 1910, oito semanas depois que a expedição de Scott havia deixado Cardiff. A bordo, estavam 97 cães da Groenlândia, a chave para o sucesso de Amundsen, junto com uma cabana e provisões para dois anos na Antártida. Um mês depois, o “Fram” chegou à Ilha da Madeira, e abasteceu-se de água e outras provisões. Pequenos reparos foram feitos no navio, enquanto a tripulação aproveitava algum tempo livre em terra.
Na noite de 9 de Setembro, cerca de três horas antes de partir para a Antártida, Amundsen pediu a atenção da tripulação. Muitos dos homens ficaram intrigados e irritados, pois estavam a escrever as últimas cartas para casa. Quando chegaram ao “deck”, Amundsen estava em pé, próximo a um mapa da Antártida pregado ao mastro principal. Então disse: “É minha intenção rumar ao Sul, desembarcar um grupo no continente, e tentar alcançar o Pólo Sul”.Gjertsen escreveu: “A maioria ficou, boquiaberta, olhos pregados no Chefe, como outros tantos pontos de interrogação”.Amundsen perguntou pessoalmente, a cada homem, se, se juntariam a ele nesta jornada épica. O último homem a ir à terra foi o irmão de Amundsen, Leon. A sua tarefa seria enviar as cartas da tripulação, e enviar uma mensagem a Scott... mas nunca antes do início de Outubro, quando Amundsen sabia que estaria além do ponto de retorno possível.
Depois de deixar a Ilha da Madeira, Amundsen desapareceu, rumando para destino desconhecido. Scott nunca sonharia que este era o Mar de Ross, na Antártida. Scott, a bordo do “Terra Nova”, chegou a Melbourne na noite de 12 de Outubro de 1910.
Junto com o correio que o esperava, estava o telegrama de Amundsen, mandado da Ilha da Madeira, o qual trazia uma completa surpresa:“Estou partindo. Informo-o. Destino Antárctida. Amundsen”.
Levou quatro meses para que o “Fram” chegasse à Baía do Mar de Ross, em 14 de Janeiro de 1911. Amundsen escolheu a Baía das Baleias como quartel-general de Inverno, por várias razões. Primeiro, eles desembarcariam um grau mais perto do Pólo Sul do que Scott, que o colocaria 60 milhas mais perto do Pólo. Segundo, Amundsen poderia instalar o seu quartel-general bem junto ao campo de trabalho. Terceiro, a vida animal na Baía das Baleias era extraordinariamente rica, e oferecia toda a carne fresca que a tripulação precisava, na forma de focas, pinguins, etc. Além disso, ela oferecia um local favorável para investigação das condições meteorológicas em todas as direcções, e era muito fácil de ser atingida por navio. O descarregamento começou a 15 de Janeiro, com o acampamento estabelecido 2 milhas (3,2 km) terra adentro.
O primeiro trenó foi carregado com mantimentos, atado a oito cães, e conduzido para lá por Amundsen.Durante as três semanas seguintes, cinco trenós, 46 cães e cerca de 10 toneladas de mantimentos foram descarregados no campo base. Enquanto isso, o carpinteiro, Jorgen Stubberud, supervisionava a montagem da cabana pré-fabricada. Depois de uma visita do “Terra Nova” de Scott, o campo base foi baptizado de “Framheim – A casa de Fram”, e as viagens para estabelecer os depósitos de mantimentos de apoio começaram. Dentro de um período de três semanas, depósitos foram estabelecidos a 80ºS, 81ºS, 82ºS... Mais de uma tonelada e meia de mantimentos foram armazenadas dentro de um raio de 480 milhas (770 km) do Pólo. Em 21 de Abril, o Sol finalmente pôs-se, e o longo Inverno começou.
Uma grande quantidade de trabalho tinha que ser feita durante os quatro meses seguintes, preparando a expedição ao Pólo. Amundsen estava plenamente consciente dos problemas potenciais que poderiam advir de ter nove homens confinados em quartos pequenos durante as longas noites de Inverno, e assim introduziu rapidamente uma rotina estrita. Durante seis dias da semana, os homens levantavam às 7:30 da manhã, tomavam o café da manhã, começavam a trabalhar às 9:00 e almoçavam às 12:00. Voltavam para o trabalho às 2:00 da tarde até às 5:15, com o resto dia para fazer o que quisessem.
Em 24 de Agosto o Sol reapareceu, e os trenós carregados foram tirados dos seus abrigos subterrâneos. Porém, outros dois longos e frustrantes meses se passaram, até que o tempo aquecesse o suficiente para permitir a partida. A tensão aumentava a cada dia que passava. Amundsen, várias vezes, preparou os homens e os cães para partirem, apenas para cancelar tudo à última hora. No dia 8 de Setembro, partiram através do gelo: oito homens com trenós, puxados por 86 cães. A princípio, o tempo estava esplêndido, e eles cobriram 31 milhas em três dias.
Mas, as condições mudaram abruptamente, com a temperatura caindo vertiginosamente, tiveram que desistir, e voltar ao acampamento. Finalmente, a 20 de Outubro de 1911, Amundsen, Bjaaland, Wisting, Hassel and Hanssen partiram na sua jornada definitiva para o Pólo Sul. Quatro trenós foram usados, cada um puxado por 13 cães. O progresso foi bastante bom, apesar de alguns problemas com fendas no gelo, chegaram ao depósito situado a 80ºS a 24 de Outubro.
Alimentaram os cães com carne de foca, armazenada ali, e repuseram as provisões que gastaram no caminho. No dia seguinte, partiram cedo, com os cinco homens em esquis. Percorriam em média 20 milhas (32 km) por dia, e alcançaram 82ºS a 4 de Novembro.Em 11 de Novembro, avistaram alguns picos de montanhas ao longe, as quais Amundsen chamou de “Serra da Rainha Maud”, em homenagem à então Rainha da Noruega.
Chegando ao sopé da serra, acamparam e discutiram a estratégia a ser empregada na arrancada final para o Pólo, distante ainda, cerca de 340 milhas (544 km).O plano final consistiu em separarem provisões para 30 dias, juntamente com os restantes 42 cães, e subir a serra. Depois de alcançar o topo, 24 dos cães seriam mortos, e a carne utilizada para alimentar os outros, pois não seriam mais necessários, usando os outros 18 cães para chegar ao Pólo. Lá chegando, mais 6 cães seriam mortos, para alimentar os 12 restantes na viagem de volta à base. A 17 de Novembro, eles começaram a escalada do glaciar Axel Heiberg.O tempo estava agradável, e a escalada foi muito tranquila, pois cobriram 12 milhas (19,2 km) antes de montar acampamento, a 650 m de altitude.
Quatro dias depois, a 21 de Novembro, encontravam-se no topo, tendo conseguido carregar 1 tonelada de provisões a 3.000 m. 24 Cães foram mortos, e a equipa permaneceu ali por mais 4 dias, antes de partir. Como já haviam esperado dois dias a mais do que haviam planeado, não tinham escolha, que a de sair dali o mais rápido possível.Durante os 10 dias seguintes lutaram, 5 homens e 18 cães, contra a neve, rajadas de vento de até 35 milhas (56 km) por hora, e espessa neblina. Finalmente alcançaram o planalto, só para se defrontarem com o “Salão de Dança do Diabo”, um glaciar com uma fina camada de neve cobrindo perigosas e profundas fendas no gelo. Esta provou ser a parte mais difícil da jornada.A 8 de Dezembro, com o sol brilhando, cruzaram o ponto mais ao sul alcançado por Shackleton, 88º23’S. Estavam a apenas 95 milhas (152 km) do Pólo.
Os cães estavam famintos e exaustos, e os homens tinham muitos ferimentos, e queimaduras faciais, mas ainda assim, seguiram em frente. Quanto mais se aproximavam do Pólo, mais Amundsen temia ser derrotado por Scott.A tentação de correrem para o Pólo, a toda velocidade, era compartilhada por todos eles. Às 15.00 horas do dia 14 de Dezembro de 1911, houve um grito geral de “Alto”, pois os instrumentos dos trenós marcavam a chegada ao Pólo Sul. Haviam alcançado o seu objectivo. Num acto simbólico do seu esforço e união, todos os homens empunharam uma bandeira da Noruega nas suas mãos queimadas pelo gelo, e fincaram-na no chão duro do Pólo Geográfico Sul. Amundsen nomeou o planalto de “Planalto do Rei Haakon VII”.Houve uma pequena festa na tenda, naquela noite, com cada homem recebendo uma pequena porção de carne de foca.
À meia-noite, observações astronómicas situaram-nos a 89º56’S. Prontamente, eles circularam em redor da tenda, num raio de cerca de 2,5 milhas (4 km), para se certificarem de passar sobre o Pólo. Ao meio-dia de 17 de Dezembro, as medições finais foram feitas, e ficou claro que eles haviam feito tudo que podiam, e era hora de partir. Uma tenda foi erguida, e recebeu o nome de “Poleheim – Casa do Pólo”, onde Amundsen deixou uma mensagem para Scott, juntamente com uma carta para o rei Haakon.Entretanto, Robert Falcon Scott (nasceu 1868, morreu em 1912) tinha partido do seu acampamento – base no dia 1 de Novembro de 1911 com 16 homens, 233 cães, 10 póneis siberianos e 13 trenós, com um pesado equipamento para pesquisa científica. Em determinados intervalos, alguns homens propositadamente abandonavam a equipa e retornavam ao acampamento base, deixando mantimentos ao longo do caminho para assegurar o retorno de Scott e a sua equipa. Alguns trenós quebraram, os póneis tiveram de ser abatidos e os cães não tinham condições para carregar tanto peso.
No dia 4 de Janeiro de 1912, enquanto Amundsen já fazia a viagem de regresso do Pólo Sul, o último auxiliar deixou a equipa. Scott, ficou com 4 homens, Bowers,Evans, Oates e Wilson. Com enormes dificuldades alcançaram o Pólo Sul no dia 17 de Janeiro de 1912 e descobriram que Amundsen já tinha alcançado o feito histórico.Os britânicos, exaustos e desiludidos começaram a viagem de regresso ao acampamento base. Entretanto condições de tempo muito adversas e problemas de falta de mantimentos iria impedi-los de chegarem ao acampamento. O primeiro a morrer foi Evans. Alguns dias depois Oates abandonou a barraca improvisada e nunca mais voltou.As fortes ventanias obrigaram os 3 homens restantes a permanecer no interior da barraca a cerca de 18 quilómetros do próximo depósito de mantimentos. Scott continuou a escrever no seu diário, sabendo que “o fim está próximo... pela Graça de Deus, tomem conta das nossas famílias”.
Os corpos congelados de Scott, Wilson e Bowers foram encontrados juntos aos seus pertences oito meses depois.Amundsen entretanto retornava ao acampamento base, como planeado, com todos os cinco homens e 11 cães pura “pele e osso”, era o dia 25 de Janeiro de 1912 após uma caminhada ininterrupta de três meses ao longo de 3000 quilómetros.A viagem de 30 dias até a Tasmânia foi extremamente frustrante para Amundsen, que queria ser o primeiro a anunciar sua conquista.
A 7 de Março de 1912, Amundsen finalmente pode enviar uma mensagem ao seu irmão Leon a noticiar o feito histórico.Apesar do drama vivido por Scott, a comunidade internacional celebrou o feito de Amundsen que foi possível graças à excelente organização e à escolha do melhor equipamento.Durante a Primeira Guerra Mundial, Amundsen conseguiu uma quantia significativa de dinheiro, comerciando com os países beligerantes. Assim, conseguiu construir um navio, o “Maud”, com o qual continuou as suas aventuras árcticas.
Completou a passagem noroeste, em redor da Sibéria mas falhou a sua tentativa de ir ainda mais ao Norte.A seguir, Amundsen passou a dedicar-se ao voo. Juntamente com seu patrocinador, Lincoln Ellsworth, fez história quando foi de Spitzbergen ao Alasca, sobrevoando o Pólo Norte, no aeroplano “Norge”.Este foi o primeiro voo Trans – Árctico directamente feito sobre o Pólo. Depois disso, Amundsen, com sua reputação solidamente estabelecida, retirou-se das explorações.
Quando fazia uma expedição de resgate e salvamento do explorador italiano Umberto Nobile, o seu avião despenhou-se, e Amundsen desapareceu sem deixar rasto, era o dia 18 de Junho de 1928.
publicado por armando ésse às 13:10
Tags:

Junho 19 2006

Roald Engelbregt Grauning Amundsen, nasceu em 16 de Julho de 1872, perto de Oslo, Noruega e deixou a sua marca na era heróica das expedições antárcticas como um dos mais bem sucedidos exploradores polares. A sua carreira de aventuras começou aos 15 anos, quando abandonou os estudos medicina, para se juntar à expedição belga à Antártida em 1899,comandada por Adrien de Gerlache, esta expedição foi a primeira a passar um Inverno na Antártida. Mais tarde, Amundsen tornou-se o primeiro a atravessar a famosa Passagem do Noroeste, no seu navio “Gjoa”, entre 1903 / 1906. Após esta expedição, Amundsen estabeleceu os planos para alcançar o Pólo Norte, a bordo do famoso navio de Nansen, o “Fram”. Porém, a notícia do sucesso de Peary da chegada ao Pólo Norte fez com que ele mudasse o seu objectivo.
“O Pólo Norte foi alcançado”, era a notícia que se espalhou por todo o mundo como um relâmpago. Robert E. Peary tinha alcançado o Pólo Norte em 6 de Abril de 1909 mas só em Setembro de 1909 a noticia chegou a Amundsen. O plano original para a terceira viagem do “Fram” – a exploração da calote polar norte – foi rapidamente deixado de lado. Para salvar a expedição, Amundsen imediatamente voltou a sua atenção para o Sul, enquanto enfatizava aos seus financiadores que a viagem do “Fram” ao Árctico seria, de todo modo, uma expedição científica, e não teria nenhum propósito de quebrar recordes. Daí por diante, tanto quanto os patrocinadores estavam cientes, a viagem de Amundsen ao Árctico não seria influenciada de nenhuma maneira pelo sucesso de Peary. Como ele estava tão endividado, sentiu que deveria manter os seus planos de dirigir-se ao Pólo Sul em segredo.
Amundsen escreveu: “Eu sei que tenho sido reprovado por não ter esclarecido os meus planos publicamente ao menos uma vez, de maneira que, não apenas os meus patrocinadores, mas também os exploradores que se preparavam para seguir para as mesmas regiões tivessem conhecimento deles. Eu estava bem ciente de que essas críticas viriam e, daí por diante, sempre pesei cuidadosamente este lado da questão”.Também achou importante manter as suas intenções secretas para os colegas exploradores: “... Nem senti grandes escrúpulos em relação às outras expedições antárcticas que estavam a ser planeadas naquela época. Eu sabia que poderia informar o Capitão Scott da extensão de meus preparativos antes que ele deixasse a civilização, e então, alguns meses a mais ou a menos não poderiam ser de grande importância. Os planos e equipamentos de Scott eram tão diferentes dos meus próprios, que eu considerei o telegrama que lhe mandei mais tarde, com a informação de que estávamos de partida para a região antárctica, mais como um acto de cortesia do que como uma comunicação que pudesse fazê-lo alterar os seus planos no mais ínfimo grau. A expedição britânica foi planeada exclusivamente para fins de pesquisa científica. O Pólo Sul era apenas um objectivo secundário, enquanto no meu plano era o objectivo principal”.
A intenção de Scott de tentar alcançar o Pólo Sul era amplamente conhecida, e certamente não era um objectivo secundário. Amundsen admitia que estava endividado, e sabia que a melhor maneira de conseguir dinheiro, para pagar as dívidas, seria alcançar um triunfo espectacular. Escreveu; “Se, àquela altura, eu tivesse tornado os meus planos públicos, somente teria dado ocasião para uma grande polémica pelos jornais, e possivelmente teria matado o meu projecto à nascença. Tudo tinha que ser aprontado rápida e calmamente. O meu irmão, em cuja absoluta discrição eu podia confiar cegamente, foi a única pessoa a quem eu confiei o segredo da minha mudança de planos, e ele fez muitos serviços importantes durante o tempo em que somente nós, dividimos este conhecimento. O outro homem a saber da mudança de planos foi o comandante do navio, Tenente Thorvald Nielsen. Amundsen manteve seus planos tão secretos, que apenas estes dois homens, juntamente com os Tenentes Prestrud e Gjertsen, sabiam deles antes que o “Fram” alcançasse a Ilha da Madeira, ostensivamente em rota para Buenos Aires, de onde partiria rumo ao Norte, para o Árctico. A viagem até a Ilha da Madeira tinha, supostamente, o propósito de pesquisa oceanográfica.
Os noruegueses deixaram Oslo, na Noruega, a 9 de Agosto de 1910, oito semanas depois que a expedição de Scott havia deixado Cardiff. A bordo, estavam 97 cães da Groenlândia, a chave para o sucesso de Amundsen, junto com uma cabana e provisões para dois anos na Antártida. Um mês depois, o “Fram” chegou à Ilha da Madeira, e abasteceu-se de água e outras provisões. Pequenos reparos foram feitos no navio, enquanto a tripulação aproveitava algum tempo livre em terra.
Na noite de 9 de Setembro, cerca de três horas antes de partir para a Antártida, Amundsen pediu a atenção da tripulação. Muitos dos homens ficaram intrigados e irritados, pois estavam a escrever as últimas cartas para casa. Quando chegaram ao “deck”, Amundsen estava em pé, próximo a um mapa da Antártida pregado ao mastro principal. Então disse: “É minha intenção rumar ao Sul, desembarcar um grupo no continente, e tentar alcançar o Pólo Sul”.Gjertsen escreveu: “A maioria ficou, boquiaberta, olhos pregados no Chefe, como outros tantos pontos de interrogação”.Amundsen perguntou pessoalmente, a cada homem, se, se juntariam a ele nesta jornada épica. O último homem a ir à terra foi o irmão de Amundsen, Leon. A sua tarefa seria enviar as cartas da tripulação, e enviar uma mensagem a Scott... mas nunca antes do início de Outubro, quando Amundsen sabia que estaria além do ponto de retorno possível.
Depois de deixar a Ilha da Madeira, Amundsen desapareceu, rumando para destino desconhecido. Scott nunca sonharia que este era o Mar de Ross, na Antártida. Scott, a bordo do “Terra Nova”, chegou a Melbourne na noite de 12 de Outubro de 1910.
Junto com o correio que o esperava, estava o telegrama de Amundsen, mandado da Ilha da Madeira, o qual trazia uma completa surpresa:“Estou partindo. Informo-o. Destino Antárctida. Amundsen”.
Levou quatro meses para que o “Fram” chegasse à Baía do Mar de Ross, em 14 de Janeiro de 1911. Amundsen escolheu a Baía das Baleias como quartel-general de Inverno, por várias razões. Primeiro, eles desembarcariam um grau mais perto do Pólo Sul do que Scott, que o colocaria 60 milhas mais perto do Pólo. Segundo, Amundsen poderia instalar o seu quartel-general bem junto ao campo de trabalho. Terceiro, a vida animal na Baía das Baleias era extraordinariamente rica, e oferecia toda a carne fresca que a tripulação precisava, na forma de focas, pinguins, etc. Além disso, ela oferecia um local favorável para investigação das condições meteorológicas em todas as direcções, e era muito fácil de ser atingida por navio. O descarregamento começou a 15 de Janeiro, com o acampamento estabelecido 2 milhas (3,2 km) terra adentro.
O primeiro trenó foi carregado com mantimentos, atado a oito cães, e conduzido para lá por Amundsen.Durante as três semanas seguintes, cinco trenós, 46 cães e cerca de 10 toneladas de mantimentos foram descarregados no campo base. Enquanto isso, o carpinteiro, Jorgen Stubberud, supervisionava a montagem da cabana pré-fabricada. Depois de uma visita do “Terra Nova” de Scott, o campo base foi baptizado de “Framheim – A casa de Fram”, e as viagens para estabelecer os depósitos de mantimentos de apoio começaram. Dentro de um período de três semanas, depósitos foram estabelecidos a 80ºS, 81ºS, 82ºS... Mais de uma tonelada e meia de mantimentos foram armazenadas dentro de um raio de 480 milhas (770 km) do Pólo. Em 21 de Abril, o Sol finalmente pôs-se, e o longo Inverno começou.
Uma grande quantidade de trabalho tinha que ser feita durante os quatro meses seguintes, preparando a expedição ao Pólo. Amundsen estava plenamente consciente dos problemas potenciais que poderiam advir de ter nove homens confinados em quartos pequenos durante as longas noites de Inverno, e assim introduziu rapidamente uma rotina estrita. Durante seis dias da semana, os homens levantavam às 7:30 da manhã, tomavam o café da manhã, começavam a trabalhar às 9:00 e almoçavam às 12:00. Voltavam para o trabalho às 2:00 da tarde até às 5:15, com o resto dia para fazer o que quisessem.
Em 24 de Agosto o Sol reapareceu, e os trenós carregados foram tirados dos seus abrigos subterrâneos. Porém, outros dois longos e frustrantes meses se passaram, até que o tempo aquecesse o suficiente para permitir a partida. A tensão aumentava a cada dia que passava. Amundsen, várias vezes, preparou os homens e os cães para partirem, apenas para cancelar tudo à última hora. No dia 8 de Setembro, partiram através do gelo: oito homens com trenós, puxados por 86 cães. A princípio, o tempo estava esplêndido, e eles cobriram 31 milhas em três dias.
Mas, as condições mudaram abruptamente, com a temperatura caindo vertiginosamente, tiveram que desistir, e voltar ao acampamento. Finalmente, a 20 de Outubro de 1911, Amundsen, Bjaaland, Wisting, Hassel and Hanssen partiram na sua jornada definitiva para o Pólo Sul. Quatro trenós foram usados, cada um puxado por 13 cães. O progresso foi bastante bom, apesar de alguns problemas com fendas no gelo, chegaram ao depósito situado a 80ºS a 24 de Outubro.
Alimentaram os cães com carne de foca, armazenada ali, e repuseram as provisões que gastaram no caminho. No dia seguinte, partiram cedo, com os cinco homens em esquis. Percorriam em média 20 milhas (32 km) por dia, e alcançaram 82ºS a 4 de Novembro.Em 11 de Novembro, avistaram alguns picos de montanhas ao longe, as quais Amundsen chamou de “Serra da Rainha Maud”, em homenagem à então Rainha da Noruega.
Chegando ao sopé da serra, acamparam e discutiram a estratégia a ser empregada na arrancada final para o Pólo, distante ainda, cerca de 340 milhas (544 km).O plano final consistiu em separarem provisões para 30 dias, juntamente com os restantes 42 cães, e subir a serra. Depois de alcançar o topo, 24 dos cães seriam mortos, e a carne utilizada para alimentar os outros, pois não seriam mais necessários, usando os outros 18 cães para chegar ao Pólo. Lá chegando, mais 6 cães seriam mortos, para alimentar os 12 restantes na viagem de volta à base. A 17 de Novembro, eles começaram a escalada do glaciar Axel Heiberg.O tempo estava agradável, e a escalada foi muito tranquila, pois cobriram 12 milhas (19,2 km) antes de montar acampamento, a 650 m de altitude.
Quatro dias depois, a 21 de Novembro, encontravam-se no topo, tendo conseguido carregar 1 tonelada de provisões a 3.000 m. 24 Cães foram mortos, e a equipa permaneceu ali por mais 4 dias, antes de partir. Como já haviam esperado dois dias a mais do que haviam planeado, não tinham escolha, que a de sair dali o mais rápido possível.Durante os 10 dias seguintes lutaram, 5 homens e 18 cães, contra a neve, rajadas de vento de até 35 milhas (56 km) por hora, e espessa neblina. Finalmente alcançaram o planalto, só para se defrontarem com o “Salão de Dança do Diabo”, um glaciar com uma fina camada de neve cobrindo perigosas e profundas fendas no gelo. Esta provou ser a parte mais difícil da jornada.A 8 de Dezembro, com o sol brilhando, cruzaram o ponto mais ao sul alcançado por Shackleton, 88º23’S. Estavam a apenas 95 milhas (152 km) do Pólo.
Os cães estavam famintos e exaustos, e os homens tinham muitos ferimentos, e queimaduras faciais, mas ainda assim, seguiram em frente. Quanto mais se aproximavam do Pólo, mais Amundsen temia ser derrotado por Scott.A tentação de correrem para o Pólo, a toda velocidade, era compartilhada por todos eles. Às 15.00 horas do dia 14 de Dezembro de 1911, houve um grito geral de “Alto”, pois os instrumentos dos trenós marcavam a chegada ao Pólo Sul. Haviam alcançado o seu objectivo. Num acto simbólico do seu esforço e união, todos os homens empunharam uma bandeira da Noruega nas suas mãos queimadas pelo gelo, e fincaram-na no chão duro do Pólo Geográfico Sul. Amundsen nomeou o planalto de “Planalto do Rei Haakon VII”.Houve uma pequena festa na tenda, naquela noite, com cada homem recebendo uma pequena porção de carne de foca.
À meia-noite, observações astronómicas situaram-nos a 89º56’S. Prontamente, eles circularam em redor da tenda, num raio de cerca de 2,5 milhas (4 km), para se certificarem de passar sobre o Pólo. Ao meio-dia de 17 de Dezembro, as medições finais foram feitas, e ficou claro que eles haviam feito tudo que podiam, e era hora de partir. Uma tenda foi erguida, e recebeu o nome de “Poleheim – Casa do Pólo”, onde Amundsen deixou uma mensagem para Scott, juntamente com uma carta para o rei Haakon.Entretanto, Robert Falcon Scott (nasceu 1868, morreu em 1912) tinha partido do seu acampamento – base no dia 1 de Novembro de 1911 com 16 homens, 233 cães, 10 póneis siberianos e 13 trenós, com um pesado equipamento para pesquisa científica. Em determinados intervalos, alguns homens propositadamente abandonavam a equipa e retornavam ao acampamento base, deixando mantimentos ao longo do caminho para assegurar o retorno de Scott e a sua equipa. Alguns trenós quebraram, os póneis tiveram de ser abatidos e os cães não tinham condições para carregar tanto peso.
No dia 4 de Janeiro de 1912, enquanto Amundsen já fazia a viagem de regresso do Pólo Sul, o último auxiliar deixou a equipa. Scott, ficou com 4 homens, Bowers,Evans, Oates e Wilson. Com enormes dificuldades alcançaram o Pólo Sul no dia 17 de Janeiro de 1912 e descobriram que Amundsen já tinha alcançado o feito histórico.Os britânicos, exaustos e desiludidos começaram a viagem de regresso ao acampamento base. Entretanto condições de tempo muito adversas e problemas de falta de mantimentos iria impedi-los de chegarem ao acampamento. O primeiro a morrer foi Evans. Alguns dias depois Oates abandonou a barraca improvisada e nunca mais voltou.As fortes ventanias obrigaram os 3 homens restantes a permanecer no interior da barraca a cerca de 18 quilómetros do próximo depósito de mantimentos. Scott continuou a escrever no seu diário, sabendo que “o fim está próximo... pela Graça de Deus, tomem conta das nossas famílias”.
Os corpos congelados de Scott, Wilson e Bowers foram encontrados juntos aos seus pertences oito meses depois.Amundsen entretanto retornava ao acampamento base, como planeado, com todos os cinco homens e 11 cães pura “pele e osso”, era o dia 25 de Janeiro de 1912 após uma caminhada ininterrupta de três meses ao longo de 3000 quilómetros.A viagem de 30 dias até a Tasmânia foi extremamente frustrante para Amundsen, que queria ser o primeiro a anunciar sua conquista.
A 7 de Março de 1912, Amundsen finalmente pode enviar uma mensagem ao seu irmão Leon a noticiar o feito histórico.Apesar do drama vivido por Scott, a comunidade internacional celebrou o feito de Amundsen que foi possível graças à excelente organização e à escolha do melhor equipamento.Durante a Primeira Guerra Mundial, Amundsen conseguiu uma quantia significativa de dinheiro, comerciando com os países beligerantes. Assim, conseguiu construir um navio, o “Maud”, com o qual continuou as suas aventuras árcticas.
Completou a passagem noroeste, em redor da Sibéria mas falhou a sua tentativa de ir ainda mais ao Norte.A seguir, Amundsen passou a dedicar-se ao voo. Juntamente com seu patrocinador, Lincoln Ellsworth, fez história quando foi de Spitzbergen ao Alasca, sobrevoando o Pólo Norte, no aeroplano “Norge”.Este foi o primeiro voo Trans – Árctico directamente feito sobre o Pólo. Depois disso, Amundsen, com sua reputação solidamente estabelecida, retirou-se das explorações.
Quando fazia uma expedição de resgate e salvamento do explorador italiano Umberto Nobile, o seu avião despenhou-se, e Amundsen desapareceu sem deixar rasto, era o dia 18 de Junho de 1928.
publicado por armando ésse às 13:10
Tags:

mais sobre mim
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

20

28
29


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO