A FÁBRICA

Novembro 25 2006

Revejo em muitas notícias publicadas hoje na imprensa o ar de comadre alcoviteira da vizinha do lado, sempre pronta a trazer-nos em primeira mão as graças e as desgraças que assolam o mundo, entre meias palavras, piscadelas de olho e gestos exacerbados que nos acossam a alma e, quando se afasta para levar a boa nova a outras paragens, ficamos sem saber, afinal, o que nos quis dizer.
Uma dessas notícias aparece na primeira página do Correio da Manhã de segunda-feira sob o título “Portugal Campeão da Função Pública”.
No seu interior surgem números avançados pelo Eurostat, dispostos em pequenos rectângulos, onde se destaca a posição de Portugal no ranking europeu a partir da percentagem de Funcionários Públicos por população activa.
Tendo em conta o tratamento que foi dado à notícia, esta era merecedora de uma nota de rodapé, mas por estranhas razões editoriais foi de tal modo relevada que preenche completamente 2 páginas inteiras do jornal e destacada com letras garrafais, na primeira página.
Este tipo de notícias transporta-me ao passado e faz-me recordar longas tardes de verão passadas em Poiares da Régua, na casa da minha avó materna, e da casinha de madeira pintada de amarelo no meio da quinta, onde me libertava dos excessos da gulodice, dos gases e dos frutos depenicados, em total abandono do corpo e do espírito. Os Irmãos Metralha, o Professor Pardal, o Gastão, a Margarida, o Pato Donald, e muitas outras criaturas povoavam a casinha e faziam parte do meu imaginário.
Na casinha estavam folhas de jornal recortadas em pequenos rectângulos e pregados na parede, e não raras vezes, na ausência dos meus heróis, passeava os olhos por aquelas folhas antes de lhe dar o destino final e de calças no fundo das pernas, tomava contacto com o mundo fora da casinha, da quinta e da aldeia. Coisas estranhas que se passavam em lugares distantes e que eram trazidas por uma espécie de detectives, para serem recortadas e pregadas em alguma parede de uma qualquer casinha amarela.
Naquele tempo todas as noticias tinham verdadeira utilidade, mas como os hábitos e costumes já não são o que eram, convém que as noticias cumpram o seu papel que é informar, não como fazia a comadre alcoviteira mas antes com isenção, rigor, sentido cívico, para formar públicos, incentivar o espírito crítico e munir os leitores com instrumentos de análise que lhes permitam discutir com propriedade os assuntos que lhes interessam.
O Jornal poderia, por exemplo, recorrendo-se da mesma fonte (Eurostat), informar que a despesa total do Estado em 2005 foi equivalente à média europeia e foi suplantado mesmo por países como a Bélgica e a Dinamarca e, não consta que aqueles países tenham problemas de défice ou de equilíbrio das contas publicas.
Também poderia ter dito que a maioria dos países recorre a outsourcing e à privatização dos serviços públicos e deste modo a despesa com privados não aparece na rubrica “despesas com pessoal”, pelo que fazer comparações sem qualquer tipo de tratamento é falacioso.
Também poderia fazer comparações com o nível das remunerações dos outros países e poderiam ter dito que o estudo comparativo que o governo encomendou sobre a remuneração entre o privado e o público, demonstrou que este último ganha substancialmente menos e por isso não se sabe onde pára o dito estudo.
Poderia ter dito muito mais, mas o que está a dar é “bater” na Função Pública e o êxito de um jornal mede-se pelo número de jornais vendidos e nesta matéria o Correio da Manhã é o verdadeiro campeão (o diário mais vendido em Portugal).
Contudo, é sempre agradável fazermos uma viagem à nossa infância e trocar umas impressões com Donald Fauntleroy Duck, sobre a Função Pública em Portugal, enquanto a Margarida nos prepara um delicioso hambúrguer com batatas fritas.
Jorge Gaspar.

publicado por armando ésse às 08:35

Novembro 25 2006

Revejo em muitas notícias publicadas hoje na imprensa o ar de comadre alcoviteira da vizinha do lado, sempre pronta a trazer-nos em primeira mão as graças e as desgraças que assolam o mundo, entre meias palavras, piscadelas de olho e gestos exacerbados que nos acossam a alma e, quando se afasta para levar a boa nova a outras paragens, ficamos sem saber, afinal, o que nos quis dizer.
Uma dessas notícias aparece na primeira página do Correio da Manhã de segunda-feira sob o título “Portugal Campeão da Função Pública”.
No seu interior surgem números avançados pelo Eurostat, dispostos em pequenos rectângulos, onde se destaca a posição de Portugal no ranking europeu a partir da percentagem de Funcionários Públicos por população activa.
Tendo em conta o tratamento que foi dado à notícia, esta era merecedora de uma nota de rodapé, mas por estranhas razões editoriais foi de tal modo relevada que preenche completamente 2 páginas inteiras do jornal e destacada com letras garrafais, na primeira página.
Este tipo de notícias transporta-me ao passado e faz-me recordar longas tardes de verão passadas em Poiares da Régua, na casa da minha avó materna, e da casinha de madeira pintada de amarelo no meio da quinta, onde me libertava dos excessos da gulodice, dos gases e dos frutos depenicados, em total abandono do corpo e do espírito. Os Irmãos Metralha, o Professor Pardal, o Gastão, a Margarida, o Pato Donald, e muitas outras criaturas povoavam a casinha e faziam parte do meu imaginário.
Na casinha estavam folhas de jornal recortadas em pequenos rectângulos e pregados na parede, e não raras vezes, na ausência dos meus heróis, passeava os olhos por aquelas folhas antes de lhe dar o destino final e de calças no fundo das pernas, tomava contacto com o mundo fora da casinha, da quinta e da aldeia. Coisas estranhas que se passavam em lugares distantes e que eram trazidas por uma espécie de detectives, para serem recortadas e pregadas em alguma parede de uma qualquer casinha amarela.
Naquele tempo todas as noticias tinham verdadeira utilidade, mas como os hábitos e costumes já não são o que eram, convém que as noticias cumpram o seu papel que é informar, não como fazia a comadre alcoviteira mas antes com isenção, rigor, sentido cívico, para formar públicos, incentivar o espírito crítico e munir os leitores com instrumentos de análise que lhes permitam discutir com propriedade os assuntos que lhes interessam.
O Jornal poderia, por exemplo, recorrendo-se da mesma fonte (Eurostat), informar que a despesa total do Estado em 2005 foi equivalente à média europeia e foi suplantado mesmo por países como a Bélgica e a Dinamarca e, não consta que aqueles países tenham problemas de défice ou de equilíbrio das contas publicas.
Também poderia ter dito que a maioria dos países recorre a outsourcing e à privatização dos serviços públicos e deste modo a despesa com privados não aparece na rubrica “despesas com pessoal”, pelo que fazer comparações sem qualquer tipo de tratamento é falacioso.
Também poderia fazer comparações com o nível das remunerações dos outros países e poderiam ter dito que o estudo comparativo que o governo encomendou sobre a remuneração entre o privado e o público, demonstrou que este último ganha substancialmente menos e por isso não se sabe onde pára o dito estudo.
Poderia ter dito muito mais, mas o que está a dar é “bater” na Função Pública e o êxito de um jornal mede-se pelo número de jornais vendidos e nesta matéria o Correio da Manhã é o verdadeiro campeão (o diário mais vendido em Portugal).
Contudo, é sempre agradável fazermos uma viagem à nossa infância e trocar umas impressões com Donald Fauntleroy Duck, sobre a Função Pública em Portugal, enquanto a Margarida nos prepara um delicioso hambúrguer com batatas fritas.
Jorge Gaspar.

publicado por armando ésse às 08:35

mais sobre mim
Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
18

19
21

30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO