A FÁBRICA

Outubro 16 2007

Adriano Correia de Oliveira morreu faz hoje 25 anos. Tinha apenas 40 anos, deixava para trás uma luta infindável pela liberdade, e cerca de 90 canções que testemunharam esse empenho no combate político e pela cultura portuguesa.
Herói da música de intervenção e da resistência antifascista foi segundo Manuel Alegre, "o mais corajoso de todos, o primeiro a cantar os versos proibidos, a canção que punha em causa o regime e a guerra colonial". Apesar, da generalidade os seus contemporâneos lhe reconhecerem o génio, o legado artístico de Adriano Correia de Oliveira foi de longe, o mais esquecido de toda uma geração de cantores de intervenção, (José Afonso, José Mário Branco, Sérgio Godinho, Manuel Freire ou Fausto), que através da viola e da voz, tentavam abrir brechas na longa noite fascista, que cobriu Portugal durante 48 anos.
Adriano Maria Correia Gomes de Oliveira nasceu na Rua Formosa, nº 370, na cidade do Porto, em 9 de Abril de 1942 e com alguns meses de vida a sua família muda-se para Avintes, para a Quinta das Porcas.
Criado, no seio de uma família católica e tradicionalista, foi em Avintes que fez a instrução primária. Em Avintes também se iniciou no teatro amador e foi co-fundador da União Académica de Avintes. Depois de feita a instrução primária, Adriano foi estudar para o Porto, no Colégio Almeida Garrett e no Liceu Alexandre Herculano, onde acabaria o curso do liceu, em 1959.
Nesse mesmo ano, Adriano Correia de Oliveira chegou a Coimbra, com apenas 17 anos, para tirar o curso de Direito, que nunca viria a concluir. Adriano Correia de Oliveira ingressou em vários organismos culturais e desportivos da Associação Académica de Coimbra: foi solista no Orfeão de Coimbra, fazia parte de um grupo de teatro e jogava voleibol. No início da década de 60, Adriano torna-se militante do Partido Comunista Português.
Em 1962, participou nas greves académicas e concorreu às eleições da Associação Académica, através da lista do Movimento de Unidade Democrática (MUD).
O primeiro disco sai em 1963, intitulado "Fados de Coimbra", que incluía já o tema emblemático "Trova do Vento que passa", um poema de Manuel Alegre, e que se tornará um hino da resistência antifascista. Quando faltava apenas uma cadeira para terminar o curso de Direito em Coimbra, Adriano ruma a Lisboa. Casa-se em Outubro de 1966 e passa a trabalhar no Gabinete de Imprensa da FIL, tendo sido ainda produtor da revista Orfeu.
Em 1967 gravou o disco "Adriano Correia de Oliveira" que entre outras canções tem Canção com lágrimas. Em 1969 é lançado um dos seus discos mais marcantes: "O Canto e as Armas", um álbum em que a figura central é a obra do poeta Manuel Alegre. Nesse mesmo ano ganhou o Prémio Pozal Domingues.
Seguiram-se os álbuns "Cantaremos" (1970) e "Gente De Aqui e de Agora" (1971), este último com José Niza como principal compositor. Só quatro anos depois Adriano decide lançar um novo disco, pois, recusava-se a enviar os seus textos à comissão da censura.
Em 1975 lança "Que nunca mais", um disco com direcção musical de Fausto e textos de Manuel da Fonseca, e com o qual Adriano foi eleito Artista do Ano pela revista britânica Music Week.
O último disco sai em 1980, intitulado "Cantigas Portuguesas".
Dois anos depois, a 16 de Outubro de 1982, Adriano Correia de Oliveira falecia, nos braços da mãe, vitimado por uma hemorragia no esófago, contava 40 anos de vida, cumprindo os versos de António Gedeão que cantara:
"Tenho pressa de viver,que a vida é água a correr".
publicado por armando ésse às 18:29
Tags:

Outubro 16 2007

Adriano Correia de Oliveira morreu faz hoje 25 anos. Tinha apenas 40 anos, deixava para trás uma luta infindável pela liberdade, e cerca de 90 canções que testemunharam esse empenho no combate político e pela cultura portuguesa.
Herói da música de intervenção e da resistência antifascista foi segundo Manuel Alegre, "o mais corajoso de todos, o primeiro a cantar os versos proibidos, a canção que punha em causa o regime e a guerra colonial". Apesar, da generalidade os seus contemporâneos lhe reconhecerem o génio, o legado artístico de Adriano Correia de Oliveira foi de longe, o mais esquecido de toda uma geração de cantores de intervenção, (José Afonso, José Mário Branco, Sérgio Godinho, Manuel Freire ou Fausto), que através da viola e da voz, tentavam abrir brechas na longa noite fascista, que cobriu Portugal durante 48 anos.
Adriano Maria Correia Gomes de Oliveira nasceu na Rua Formosa, nº 370, na cidade do Porto, em 9 de Abril de 1942 e com alguns meses de vida a sua família muda-se para Avintes, para a Quinta das Porcas.
Criado, no seio de uma família católica e tradicionalista, foi em Avintes que fez a instrução primária. Em Avintes também se iniciou no teatro amador e foi co-fundador da União Académica de Avintes. Depois de feita a instrução primária, Adriano foi estudar para o Porto, no Colégio Almeida Garrett e no Liceu Alexandre Herculano, onde acabaria o curso do liceu, em 1959.
Nesse mesmo ano, Adriano Correia de Oliveira chegou a Coimbra, com apenas 17 anos, para tirar o curso de Direito, que nunca viria a concluir. Adriano Correia de Oliveira ingressou em vários organismos culturais e desportivos da Associação Académica de Coimbra: foi solista no Orfeão de Coimbra, fazia parte de um grupo de teatro e jogava voleibol. No início da década de 60, Adriano torna-se militante do Partido Comunista Português.
Em 1962, participou nas greves académicas e concorreu às eleições da Associação Académica, através da lista do Movimento de Unidade Democrática (MUD).
O primeiro disco sai em 1963, intitulado "Fados de Coimbra", que incluía já o tema emblemático "Trova do Vento que passa", um poema de Manuel Alegre, e que se tornará um hino da resistência antifascista. Quando faltava apenas uma cadeira para terminar o curso de Direito em Coimbra, Adriano ruma a Lisboa. Casa-se em Outubro de 1966 e passa a trabalhar no Gabinete de Imprensa da FIL, tendo sido ainda produtor da revista Orfeu.
Em 1967 gravou o disco "Adriano Correia de Oliveira" que entre outras canções tem Canção com lágrimas. Em 1969 é lançado um dos seus discos mais marcantes: "O Canto e as Armas", um álbum em que a figura central é a obra do poeta Manuel Alegre. Nesse mesmo ano ganhou o Prémio Pozal Domingues.
Seguiram-se os álbuns "Cantaremos" (1970) e "Gente De Aqui e de Agora" (1971), este último com José Niza como principal compositor. Só quatro anos depois Adriano decide lançar um novo disco, pois, recusava-se a enviar os seus textos à comissão da censura.
Em 1975 lança "Que nunca mais", um disco com direcção musical de Fausto e textos de Manuel da Fonseca, e com o qual Adriano foi eleito Artista do Ano pela revista britânica Music Week.
O último disco sai em 1980, intitulado "Cantigas Portuguesas".
Dois anos depois, a 16 de Outubro de 1982, Adriano Correia de Oliveira falecia, nos braços da mãe, vitimado por uma hemorragia no esófago, contava 40 anos de vida, cumprindo os versos de António Gedeão que cantara:
"Tenho pressa de viver,que a vida é água a correr".
publicado por armando ésse às 18:29
Tags:

mais sobre mim
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO