A FÁBRICA

Outubro 17 2008




Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:20

Outubro 17 2008




Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:20

Outubro 17 2008




Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:19

Outubro 17 2008




Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:19

Outubro 17 2008



Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:18

Outubro 17 2008



Se não conseguir ler, clique nas imagens para ter uma maior resolução.
publicado por armando ésse às 17:18

Outubro 17 2008
Líderes europeus empenhados na procura da solução para a crise financeira.
publicado por armando ésse às 16:29

Outubro 17 2008
Líderes europeus empenhados na procura da solução para a crise financeira.
publicado por armando ésse às 16:29

Outubro 09 2008

O Prémio Nobel da Literatura deste ano foi atribuído ao escritor francês Jean-Marie Gustave Le Clézio, anunciou esta manhã o Comité da Academia Sueca.
O Comité Nobel considerou o escritor merecedor do prémio pela sua narrativa de «aventura poética» e de «êxtase sensual», «explorador de uma humanidade para além (...) da civilização reinante».
Jean-Marie Gustave Le Clézio, escreveu o seu primeiro livro aos sete anos durante uma travessia marítima rumo à Nigéria.
A sua literatura confunde-se com as viagens, que não cessou de empreender. Ganhou a admiração de filósofos como Michel Foucault e Gilles Deleuze, que apreciaram a sua escrita inovadora e revoltada.
Filho de um cirurgião britânico e de uma francesa da Bretanha, nasceu em Nice, sul da França, em 13 de Abril de 1940.
Formado em Letras, trabalhou na Universidade de Bristol e de Londres, em Inglaterra, dedicando uma tese ao poeta Henri Michaux, também ele um viajante. Com 23 anos ganha o Prémio Renaudot, um importante galardão francês, por um ensaio que ainda hoje é considerado magistral, "Le procès-verbal".
Depois de ensinar nos Estados Unidos, em 1967 cumpre o serviço militar na Tailândia, como cooperante, donde é expulso por denunciar a prostituição infantil. Termina o seu serviço militar no México.
Durante quatro anos, de 1970 a 1974, partilha a vida com índios do Panamá, uma experiência que terá grande influência na sua escrita. Depois, ensina em Albuquerque, nos Estados Unidos.
A sua obra, que compreende contos, romances, ensaios, novelas, traduções de mitologia ameríndia, numerosos prefácios e artigos, é considerada como crítica do Ocidente materialista e uma atenção constante aos mais fracos e aos excluídos.
Numa sondagem, realizada em 1994 pela revista francesa Lire, foi considerado como o "maior escritor vivo da língua francesa".
Casado e pai de duas filhas, Le Clézio vive em Albuquerque, mas desloca-se frequentemente entre Nice e uma casa que possui na Bretanha.
"O Processo de Adão Pollo", "O caçador de tesouros", "Deserto" (considerado a sua obra-prima), "Estrela errante", "Diego e Frida", "Índio branco", são os livros de Le Clézio traduzidos em Portugal, cuja obra ultrapassa os 50 títulos.
Em reacção à atribuição do Prémio Nobel o escritor francês, declarou estar "muito emocionado e muito sensibilizado", numa entrevista à rádio sueca.
"É uma grande honra para mim", disse ainda o laureado, precisando que agradecia "com toda a sinceridade à Academia Nobel".
Le Clézio afirmou ainda que estará em Estocolmo no dia 25 de Outubro para receber o prémio Stig Dagerman, um prémio literário sueco que lhe foi atribuído em Junho. (com Lusa).
publicado por armando ésse às 11:29

Outubro 09 2008

O Prémio Nobel da Literatura deste ano foi atribuído ao escritor francês Jean-Marie Gustave Le Clézio, anunciou esta manhã o Comité da Academia Sueca.
O Comité Nobel considerou o escritor merecedor do prémio pela sua narrativa de «aventura poética» e de «êxtase sensual», «explorador de uma humanidade para além (...) da civilização reinante».
Jean-Marie Gustave Le Clézio, escreveu o seu primeiro livro aos sete anos durante uma travessia marítima rumo à Nigéria.
A sua literatura confunde-se com as viagens, que não cessou de empreender. Ganhou a admiração de filósofos como Michel Foucault e Gilles Deleuze, que apreciaram a sua escrita inovadora e revoltada.
Filho de um cirurgião britânico e de uma francesa da Bretanha, nasceu em Nice, sul da França, em 13 de Abril de 1940.
Formado em Letras, trabalhou na Universidade de Bristol e de Londres, em Inglaterra, dedicando uma tese ao poeta Henri Michaux, também ele um viajante. Com 23 anos ganha o Prémio Renaudot, um importante galardão francês, por um ensaio que ainda hoje é considerado magistral, "Le procès-verbal".
Depois de ensinar nos Estados Unidos, em 1967 cumpre o serviço militar na Tailândia, como cooperante, donde é expulso por denunciar a prostituição infantil. Termina o seu serviço militar no México.
Durante quatro anos, de 1970 a 1974, partilha a vida com índios do Panamá, uma experiência que terá grande influência na sua escrita. Depois, ensina em Albuquerque, nos Estados Unidos.
A sua obra, que compreende contos, romances, ensaios, novelas, traduções de mitologia ameríndia, numerosos prefácios e artigos, é considerada como crítica do Ocidente materialista e uma atenção constante aos mais fracos e aos excluídos.
Numa sondagem, realizada em 1994 pela revista francesa Lire, foi considerado como o "maior escritor vivo da língua francesa".
Casado e pai de duas filhas, Le Clézio vive em Albuquerque, mas desloca-se frequentemente entre Nice e uma casa que possui na Bretanha.
"O Processo de Adão Pollo", "O caçador de tesouros", "Deserto" (considerado a sua obra-prima), "Estrela errante", "Diego e Frida", "Índio branco", são os livros de Le Clézio traduzidos em Portugal, cuja obra ultrapassa os 50 títulos.
Em reacção à atribuição do Prémio Nobel o escritor francês, declarou estar "muito emocionado e muito sensibilizado", numa entrevista à rádio sueca.
"É uma grande honra para mim", disse ainda o laureado, precisando que agradecia "com toda a sinceridade à Academia Nobel".
Le Clézio afirmou ainda que estará em Estocolmo no dia 25 de Outubro para receber o prémio Stig Dagerman, um prémio literário sueco que lhe foi atribuído em Junho. (com Lusa).
publicado por armando ésse às 11:29

mais sobre mim
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
22
24
25

26
27
28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO