A FÁBRICA

Fevereiro 10 2006

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Freitas do Amaral, garantiu que Portugal apoiará uma eventual candidatura de José Ramos Horta, a secretário-geral da ONU se houver um consenso entre os membros das Nações Unidas. Em entrevista à SIC Notícias, Freitas do Amaral afirmou que Portugal estará «na primeira linha» para apoiar uma candidatura de Ramos Horta e que já deu essa orientação ao embaixador português na ONU, João Salgueiro. O ministro afirmou que a ONU pediu à diplomacia portuguesa uma opinião sobre a possibilidade de Ramos Horta suceder ao ganês Kofi Annan e que o nome do ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste está numa lista de possíveis candidatos, na posse dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança: Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China. O nome de José Ramos Horta já foi citado pelo antigo embaixador norte-americano na ONU Richard Holbrooke como um dos diplomatas com possibilidade de ser o próximo secretário-geral da organização, ressalvando que o facto de Timor-Leste ser um país «muito pequeno» pode prejudicar as suas hipóteses.O próprio Ramos Horta já admitiu, em entrevista a um diário de Macau, que «em política nunca se deve dizer nunca», mas frisou que, por enquanto, não é um concorrente formal ao lugar.
José Luís Ramos-Horta, nasceu em Díli, a 26 de Dezembro de 1949, filho de mãe timorense e pai português, e foi educado numa missão católica em Soibada, fazendo depois estudos superiores nos EUA, onde concluiu o mestrado em relações internacionais, especializando-se em estratégia política em Haia e Oxford. Exerceu várias funções na área da imprensa, rádio e TV em Timor Leste, participando activamente na tomada de consciência política no território, o que lhe valeu o exílio em 1970-71, em Moçambique. A sua actividade política activa remonta a 1974, ano em que fundou a Associação Social-Democrata Timorense (ASDT), de que foi secretário para as relações externas e informações. Viria a desempenhar funções idênticas na Fretilin. Aquando da invasão de Timor pela Indonésia, encontrava-se fora do país, pelo que passou a dirigir, do exterior, a luta do povo timorense, movendo-se nos meios diplomáticos internacionais, procurando a sensibilização para a sua causa e, nomeadamente, o enfraquecimento da posição indonésia junto ao governo dos EUA, país onde residiu até 1989. Passou a chefiar a delegação da Fretilin junto à ONU, tornando-se o representante pessoal de Xanana Gusmão após a prisão deste. Simultaneamente, prosseguiu os seus estudos, concluindo, em 1984, um mestrado em estudo da paz. Dirige, desde 1990, o centro de estudos diplomáticos da Universidade de Nova Gales (Sidney) onde é também professor. O seu trabalho em prol da defesa da causa timorense valeu-lhe, em 1995, o prémio «Activista Internacional do Ano - 94» (da fundação norte-americana Gleitsman) e, em 1996, o Prémio Nobel da Paz, que compartilhou com D. Ximenes Belo, bispo de Timor, prémio este que muito contribuiu para o reavivar das esperanças quanto ao reconhecimento da questão dos direitos humanos e da autodeterminação do povo de Timor-Leste. Em Dezembro de 1999, Ramos-Horta conseguiu finalmente pisar o solo timorense, depois de 24 anos de exílio. Depois da independência de Timor Leste, Ramos-Horta tornou-se ministro dos Negócios Estrangeiros, cargo que ocupa actualmente.
publicado por armando ésse às 09:01
Tags:

mais sobre mim
Fevereiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

16
17
18

19
22
23

26
28


pesquisar
 
blogs SAPO