A FÁBRICA

Setembro 06 2005

A União Europeia e a China, alcançaram ontem em Pequim, um acordo que poderá desbloquear os 80 milhões de artigos têxteis chineses retidos nas fronteiras comunitárias.
O acordo, obtido a escassas horas do início de uma cimeira UE-China, prevê a partilha entre as duas partes dos custos da comercialização, no mercado europeu, de cerca de 80 milhões de peças de vestuário e tecidos importados da China, a que havia sido negada a entrada na UE devido ao esgotamento das quotas relativas a sete de dez categorias de têxteis “made in China”, negociadas, em Junho, pelo Acordo de Xangai, em vigor até 2007.
O documento ontem assinado determina que a China transferirá cerca de metade dos produtos (40 milhões) para as quotas do próximo ano, o que implica a redução das taxas de crescimento das suas exportações de “soutiens”, calças e camisolas para a Europa, em 2005 e 2006, de 10 para 7,5%.
Em contrapartida, a UE aceita que as quotas recentemente restabelecidas pelo Acordo de Xangai, sejam excedidas em 40 milhões de artigos, sendo que uma parte dos produtos pertencentes a categorias cuja quota já foi ultrapassada será transferida para outras, cujo limite ainda não foi atingido.
As duas partes vão, assim, partilhar a responsabilidade pelas consequências económicas e comerciais do desalfandegamento, a partir da próxima semana, dos artigos bloqueados às portas da União.
Por outro lado, a empresa aérea chinesa China Southern Airlines encomendou nesta terça-feira dez aviões Airbus A330 no total de 1,2 mil milhões de Euros. Os aviões, com capacidade para mais de 300 passageiros cada, devem ser entregues até 2008. A assinatura do contrato foi testemunhada pelo primeiro-ministro britânico, Tony Blair, que foi à China numa missão de negócios da União Europeia (UE).
Parece que a União Europeia, liderada por José Manuel Barroso, está mais interessada em vender tecnologia de ponta e aviões do que defender os produtores de têxteis e calçado europeus. O grave problema é que o sector têxtil e calçado emprega duzentos mil portugueses. Sou contra políticas proteccionistas, no entanto, o Governo português terá que salvaguardar os interesses dos produtores portugueses de têxteis e calçado, e não se deixar levar pelos interesses expansionistas de alguns exportadores europeus, de tecnologia de ponta e outros produtos, na sua ânsia de conquistar o mercado chinês, à custa dos produtores de têxteis e calçado.
publicado por armando ésse às 12:27

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Setembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
17

18
19
24

25
28
29
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO