A FÁBRICA

Dezembro 28 2007

Odiado pela esmagadora maioria dos benfiquistas e dos sportinguistas, é o líder incontestado e idolatrado dos sócios e simpatizantes do FC Porto: Jorge Nuno Pinto da Costa, o "Presidente", o "Grande Líder" ou o "Papa", como é apelidado. Provocador, zombeteiro, frontal, corrupto, génio, sarcástico, malabarista, cáustico, arguto, perspicaz, reservado, intriguista, repentista, irónico, brilhante, os adjectivos para caracterizar Pinto da Costa, esgotaram-se desde de há muito tempo. Já foi acusado de tudo e já acusou toda a gente de tudo. Já foi gozado e já foi elogiado na televisão, tanto pelos adeptos portistas como pelos rivais. Já inspirou caricaturas de todos os tipos, mas também tem fama de caricaturar todas as pessoas com quem se cruza. Mas acima de tudo, tirou um clube pequeno do anonimato, e levou-o à alta-roda do futebol mundial. Quase 26 anos depois de ser eleito presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa acumula títulos, paixões e ódios, como ninguém antes dele. Com Pinto da Costa, o FC Porto ganhou todas as competições em que entrou, pelo menos uma vez, excepto a Taça das Taças e ganhou muito: 1 vez a Taça dos Campeões Europeus e uma outra vez a Liga dos Campeões. Uma Supertaça europeia e uma Taça UEFA. Duas vezes a Taça Intercontinental. A nível nacional, em 25 anos ganhou, por 15 vezes o Campeonato Nacional, 9 taças de Portugal e 14 Supertaças Cândido de Oliveira. Nos anos de presidência de Pinto da Costa, o FC Porto ganhou, ainda, centenas de títulos em outras modalidades mas a lista é demasiado extensa para caber neste artigo.
Os títulos falam por si, mas em verdade se diga, Pinto da Costa, é o melhor presidente de sempre num clube de futebol, em Portugal. Faz hoje setenta anos, desejo-lhe muitos anos de vida, se possível longe do dirigismo desportivo e do “seu” FC Porto.
Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa nasceu na cidade do Porto a 28 de Dezembro de 1937, no seio de uma tradicional família da burguesia nortenha. Filho de José Alexandrino Teixeira da Costa e Maria Elisa Bessa Lima de Amorim Pinto, tem mais quatro irmãos. Marcado por uma severa educação matriarcal, o menino Jorge Nuno fez a escola primária no colégio Almeida Garrett, tendo simultaneamente aulas particulares de Inglês e Francês. Aos 10 anos vai estudar para o Colégio Jesuíta das Caldinhas, em Santo Tirso.
É por influência do tio Armando Pinto, entusiasta de futebol que fora presidente do Famalicão, que Jorge Nuno Pinto da Costa começa a interessar-se por futebol. Tinha 14 anos quando, no dia 28 de Maio de 1952, pela mão do tio, assistiu à pomposa cerimónia de inauguração do Estádio das Antas.
Desde então não mais se desligou do clube, nem mesmo quando se encontrava longe do Porto, procurando sempre que possível ouvir o relato das partidas. Quando completa 16 anos, em Dezembro de 1953, a avó materna inscreve-o como sócio do FC Porto.
Após terminar os estudos secundários, Pinto da Costa começou a trabalhar como bancário, no Banco Português do Atlântico. Com cerca de 20 anos, é convidado pelo responsável pela secção de hóquei em patins para ocupar o lugar de vogal, e aceita. Em 1962 passaria a chefe de secção, cargo que viria a acumular com o de chefe da secção de hóquei em campo. Em 1967 passa a ser também chefe da secção de boxe, onde conhece Reinaldo Teles, na altura atleta da modalidade.
Entretanto abandona o Banco onde trabalhava e nos anos seguintes passou por várias empresas, como vendedor, chefe de vendas e empresário, e pelo ramo imobiliário.
Em 1969, é convidado por Afonso Pinto de Magalhães a integrar a sua lista para as eleições desse ano como director das modalidades amadoras. Assim, Pinto da Costa assume pela primeira vez um cargo eleito no FC Porto, de 1969 a 1971. No final desse período, apesar de ter sido convidado por Américo de Sá a candidatar-se com ele, recusou o convite por considerar que o novo candidato deveria apresentar-se às urnas com uma lista totalmente renovada.
Em Maio de 1976, é eleito dirigente na lista de Américo de Sá, tornando-se chefe do departamento de futebol. Pinto da Costa iniciou a sua carreira como director desportivo de forma polémica, trazendo para o FCP o treinador José Maria Pedroto, que fora afastado do clube e proibido de entrar nas suas instalações. Assumiu, desde o início, a postura que o tornou célebre, com as declarações polémicas que ainda hoje mantém. Alterou a organização do clube e a forma de relacionamento com os jogadores.
É com Américo de Sá como presidente, Pinto da Costa como director do futebol e Pedroto como treinador que o FC Porto consegue, ser campeão nacional na época de 1977-78, quebrando um jejum de 19 anos sem vencer um campeonato nacional. Na época seguinte, o FC Porto tornar-se-ia bi-campeão de Portugal. Apesar disso, Pinto da Costa e Pedroto acabam por abandonar o FC Porto em 1980, no chamado "Verão quente" portista.

Em Dezembro de 1981 as coisas corriam mal ao FC Porto, parecia estar de volta o tempo antes de Pinto da Costa ter sido chefe do departamento do futebol e é então que um grupo de sócios se une com o objectivo de convencer Pinto da Costa a candidatar-se à presidência do clube. Relutante em assumir a liderança, o antigo chefe do departamento de futebol na série de dois títulos consecutivos, aceita finalmente ser candidato. Com o slogan, “se quer um FC Porto forte em Portugal e na Europa vota na Lista B – Jorge Nuno Pinto da Costa” e com uma agressiva campanha eleitoral com sessões de esclarecimento de sala cheia na cidade do Porto e nos arredores, que levou o outro concorrente, Afonso Pinto de Magalhães, a desistir a poucos dias das eleições, Jorge Nuno Pinto da Costa vence as eleições de 17 de Abril de 1982, tornando-se o 33º presidente do FC Porto.
A 23 de Abril de 1982, as ruas do Porto enchem-se para festejar a tomada de posse do novo presidente do Futebol Clube do Porto. Do FC Porto de então dizia-se que sofria do «complexo da Ponte da Arrábida», que começava a perder logo que atravessava a ponte. No discurso de tomada de posse, Pinto da Costa deu o mote, para a sua longa presidência: «Lisboa não pode continuar a colonizar o resto do País. O desejo deles é que o FC Porto desça de divisão». A talvez sua frase mais famosa, traduz claramente a profunda rivalidade, quase insana, entre por um lado Benfica e Sporting, e do outro lado, o FC Porto.
No prosseguimento da sua “descolonização”, para que não fosse apenas Lisboa a ter o prestígio desportivo, Pinto da Costa trava em 1983, uma batalha para que a final da Taça de Portugal fosse, nesse ano, no Estádio das Antas. “Ou a final é no Estadia das Antas ou não há Final”. Foi e o Benfica ganhou a final à equipa da casa, por 1-0, com uma "bomba" de Carlos Manuel.
Aquando da sua eleição, Pinto da Costa prometera uma final europeia: cumpriu a promessa em Basileia a 16 de Maio de 1984. No entanto, o FC Porto, perderia essa final das Taças das Taças, para a Juventus. Devido à doença de Pedroto, que já não tinha orientado a equipa nos últimos meses da época 1983/84, incluindo a final da Taça das Taças, Pinto da Costa vê-se na obrigação de contratar outro treinador. Desta vez, contrata Artur Jorge, que conquistaria os primeiros campeonatos do reinado Pinto da Costa em 1985 e 1986 e partiria à conquista da Europa.
Em 1987, Pinto da Costa assistiu finalmente à primeira vitória do seu clube na Taça dos Campeões Europeus. Em 27 de Maio de 1987, no estádio Prater de Viena, o FC Porto vence Taça dos Campeões Europeus em futebol, batendo na final o poderoso Bayern Munique por 2-1. A 13 de Dezembro desse mesmo ano, em Tóquio, o FC Porto, ganha a Taça Intercontinental, ao derrotar o campeão Sul-americano, o Peñarol por 2-1. Um mês depois, a 13 de Janeiro de 1988 o FC Porto conquista a Supertaça Europeia vencendo no Estádio das Antas, o Ajax por 1-0, depois de já ter vencido na primeira-mão, em Amesterdão, por 1-0.
“ Pinto da Costa foi a pessoa que conseguiu acabar com aquele medo de passar a ponte para Sul, ele viu longe e não se limitou a querer ser campeão de Portugal, mas a ser um clube europeu e mundial e conseguiu-o”.
A 9 de Março de 1994 o então Ministro das Finanças, Eduardo Catroga, com o argumento que FC Porto tinha dívidas à Segurança Social e ao Fisco, manda penhorar diversos bens, entre os quais, a retrete da cabine do árbitro do Estádio das Antas. A 25 de Março, no decorrer de uma Assembleia-geral do FC Porto, Pinto da Costa, disparou “Acabem-se as eleições com partidos e votemos em chefes de finanças”. O resultado desta aventura de Eduardo Catroga, nunca chegou a ser conhecido pelo grande público.
A 22 de Maio 1999, O FC Porto, conquista o penta-campeonato, sob orientação de Fernando Santos, que concluiu o trabalho iniciado por Bobby Robson, 94/95 e 95/96, e António Oliveira, 96/97 e 97/98. Na sucessão de títulos, O FC Porto conseguiu com Pinto da Costa à frente dos destinos do clube, dois feitos inéditos no clube: o “tri” e o “penta”. Os cinco títulos consecutivos são uma façanha exclusiva do FC Porto, na história da Primeira Divisão do futebol português.
Como presidente, confirmou a sua perspicácia para nomear treinadores, ao chamar em Janeiro de 2001, José Mourinho, um treinador sem currículo nenhum, para treinar a equipa do FC Porto. Com Mourinho à frente da equipa, Pinto da Costa teria mais algumas alegrias: Em 21 de Maio de 2003, o FC Porto conquista a Taça UEFA, em Sevilha, batendo o Celtic de Glasgow no prolongamento por 3-2. No ano seguinte, a 26 de Maio de 2004, o FC Porto conquista a Liga dos Campeões batendo na final, em Gelsenkirchen, o Mónaco por 3-0. Os resultados ficaram na história. Os elogios ao treinador também ficaram registados. “Mourinho é o grande obreiro desta equipa”, disse Pinto da Costa em declarações à TSF.
No dia em que comemorou 21 anos à frente do FC Porto, Pinto da Costa realizou o sonho de uma vida: ser recebido pelo Papa. A 23 de Abril de 2003, João Paulo II, no discurso feito no Vaticano, falou em português e referiu-se especificamente ao FCPorto.
"Foi um momento inesquecível. Senti um grande orgulho e felicidade quando tive oportunidade de lhe beijar o anel. Foi um grande orgulho ouvi-lo falar em português e referir-se ao nosso clube", disse, na altura, Pinto da Costa.
A 12 Dezembro de 2004, já com o espanhol Victor Fernandez como treinador, o F.C. Porto vence a Taça Intercontinental, batendo os colombianos do Once Caldas na marcação de grandes penalidades, depois de um empate a zero.
Entretanto, tinha sido inaugurado, em 5 de Agosto 2002, o Centro de Treinos do Olival, um projecto financiado pela Fundação Porto/Gaia, que inclui o F.C. Porto e a Câmara Municipal de Gaia e a 16 de Novembro de 2003, o novo e moderno recinto desportivo do clube: O Estádio do Dragão.
A 20 de Abril de 2004, a Polícia Judiciária, através da Directoria do Porto, desencadeou, uma vasta acção policial, destinadas a verificar a existência de comportamentos ilícitos, susceptíveis de alterarem a verdade e lealdade na competição desportiva e os seus resultados. A esta operação foi dada o nome de “Apito Dourado”.
No decurso da complexa operação, a Polícia Judiciária procedeu à detenção de 16 pessoas, dirigentes desportivos e árbitros, incluindo o presidente da Liga de clubes e da Câmara Municipal de Gondomar, Valentim Loureiro, o líder da arbitragem da FPF, Pinto de Sousa, e o presidente do Gondomar SC e vice-presidente da Câmara de Gondomar, José Luís Oliveira.
A 2 de Dezembro de 2004, a Polícia Judiciária desloca-se a casa de Pinto da Costa, com mandados de busca e detenção, mas não encontra o Presidente do FC Porto. O árbitro Jacinto Paixão é detido no âmbito da investigação de um alegado esquema com prostitutas após o jogo FC Porto – E. Amadora, bem como Augusto Duarte, José Chilrito e Manuel Quadrado e o empresário António Araújo. No dia seguinte, Pinto da Costa comparece no Tribunal de Gondomar. Os interrogatórios são adiados quatro dias e a 7 de Dezembro o presidente portista é interrogado, saindo em liberdade mediante uma caução de 200 mil euros. Em 31 de Janeiro de 2006, o Ministério Público acusa 27 arguidos no processo de Gondomar, incluindo Valentim Loureiro, José Oliveira e Pinto de Sousa, extraindo 81 certidões que são remetidas a diversas comarcas.
A 1 de Dezembro de 2006, é publicado o livro "Eu, Carolina", da autoria da ex-companheira de Pinto da Costa, Carolina Salgado, que volta a trazer para as primeiras páginas dos jornais o processo «Apito Dourado», ao revelar várias acusações.
Logo de seguida, a 14 de Dezembro, o Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro, nomeia Maria José Morgado como coordenadora do caso «Apito Dourado», com poderes para reabrir processos. A 16 de Janeiro de 2007, Maria José Morgado assina despacho onde reabre oficialmente os processos conexos ao de Gondomar, justificando a decisão com as declarações de Carolina Salgado.
A 22 de Junho de 2007, Pinto da Costa é acusado de corrupção desportiva activa, no Nacional -Benfica da época 2003/04, depois de ter sido constituído arguido nos casos dos jogos FC Porto - E. Amadora e Beira Mar-FC Porto.
Em 2005 publicou a sua autobiografia, “Largos Dias Têm Cem Anos”, com prefácio de Lennart Johansson, presidente da UEFA entre 1990 e 2007, onde este afirma que “O mapa do futebol português foi virado de pernas para o ar. O domínio dos clubes lisboetas foi apagado”.
Disse um dia Francisco Lucas Pires, um grande benfiquista, que o único dirigente desportivo com direito a biografia seria Jorge Nuno Pinto da Costa. Apesar de não ser a biografia oficial, já tem desde de Maio de 2007, “PINTO DA COSTA - Luzes e Sombras de um Dragão”, escrita a quatro mãos, por Felícia Cabrita e Ana Sofia Fonseca.
publicado por armando ésse às 01:45
Tags:

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
22

23
24
25
26
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO