A FÁBRICA

Setembro 21 2005

“Como um pássaro no fio, como um bêbado numa cantoria nocturna, eu vou buscando a minha maneira de ser livre”, definiu-se na sua mais emblemática canção, “Bird on the wire”.
Faz hoje setenta e um anos, um dos melhores poetas e músicos do nosso tempo.
Nascido numa família tradicional judaica, em 21 de Setembro de 1934, Leonard Cohen escreveu os primeiros poemas aos 15 anos, dando início a uma busca pessoal que o levou também à boémia, à música, às drogas e a insolúveis conflitos em todos os caminhos que tem percorrido, incluindo o religioso. Enquanto frequentava a universidade, Cohen começou a escrever poesia e passou a fazer parte de uma cena literária local tão underground que era apelidada de «subversiva». A sua primeira colectânea de poesia, Let Us Compare Mythologies, foi editada em 1956, quando Cohen ainda estava a estudar. Mas foi o segundo livro de poemas, The Spice Box of Earth, de 1961, que lhe deu o reconhecimento internacional. As suas origens, além do hábito de se vestir bem, afastaram dele os poetas da geração beat. Allen Ginsberg, Jack Kerouac, William Burroughs consideravam-no “muito classe média para nós”.
Depois da licenciatura, Leonard Cohen partiu para uma viagem pela Europa e acabou por se fixar na ilha grega de Hidra, onde viveu durante sete anos. Na Grécia, escreveu mais dois livros de poesia, Flowers For Hitler (1964) e Parasites of Heaven (1966) e dois romances, O Jogo Preferido (1963) e Belos Vencidos (1966).
Depois da passagem pela Grécia, Cohen decidiu regressar ao continente americano e iniciar uma carreira musical. Em 1967, apareceu no Festival Folk de Newport, onde chamou a atenção de John Hammond, o responsável pela edição de nomes como Billie Holiday, Bob Dylan. Finalmente, em 1967, aos 33 anos, lançou Songs of Leonard Cohen, que já trazia alguns temas muito conhecidos, como Sisters of Mercy e So long Marianne, além de Suzanne. Este disco apresentava as principais características da sua obra musical, feita de melodias suaves, aparentemente monótonas, quase declamativas, porém dotadas de uma beleza que dispensa teorizações. Em 1968, Cohen editou mais um livro de poesia, Selected Poems: 1956-1968, e, no ano seguinte, o seu segundo álbum de originais, Songs From a Room.
Os anos que se seguiram foram prolíferos, tanto em termos de poesia como de música. Songs of Love and Hate (1971), Live Songs (1972), New Skin For the Old Ceremony (1973), Best of Leonard Cohen (1975), Death of a Lady´s Man (1977), Recent Songs (1979), Various Positions (1985), I´m Your Man (1988), The Future (1992), Cohen Live (1994), Field Commander Cohen - Tour of 1979 (2001), Ten New Songs (2001) e The Essential Leonard Cohen (2002) foram os álbuns editados por Cohen e The Energy of Slaves (1972), Death of a Lady´s Man (1978), The Book of Mercy (1984), Stranger Music (1993), os livros de poemas.
Pouco tempo depois da digressão do álbum The Future, Cohen começou a passar cada vez mais tempo num retiro zen no topo do monte Baldy, no sul da Califórnia. Passava a maior parte do tempo a meditar, a exercitar os koans e a cozinhar para o seu mestre, Sasaki Roshi.
Em 1999, depois de quase cinco anos no monte Baldy, período em que Cohen foi ordenado monge zen e baptizado com o nome dharma de Jikan (O Silencioso), o compositor desceu a montanha com centenas de novos poemas e letras de canções. Começou imediatamente a trabalhar as canções e daí nasceu o álbum Ten New Songs.
Voltou aos registos discográficos em 2004, com mais um disco intimista intitulado Dear Heather.

Parabéns Mister Cohen!
publicado por armando ésse às 12:56
Tags:

mais sobre mim
Setembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
17

18
19
24

25
28
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO